Banner

II.
A Voz

Não se permite à carne e nem ao sangue, antes de serem sete vezes purgados, purgados por completo, residir no santuário do Coração do Mestre.

Meu fervor está exausto; minha fé falha; eu caio do êxtase da paixão que derrama através do abismo do espaço.

Todas as coisas O sentem; todas as coisas vivem por Ele; mas nada que O conheça como Ele é.

Então agora eu, incendiando, embora não tenha sido queimado por completo, na glória daquela Luz, vibrando para o vigor daquela Pulsação, mesmo que não vibrando totalmente com ela, estou tão harmonizado com o Coração do Mestre que o que era puro Arrebatamento naquele momento sublime de união é traduzido no que parece ser uma música solene — nascida de algum lufar muito distante através do ar tranquilo — uma Voz declarando o Segredo do Santuário para todo ouvido exatamente na medida em que tal ouvido é apto a recebê-lo.

As Dez Alegrias Secretas do Mestre.

A princípio, a música é como se fosse abafada, um murmúrio do vento atrás de véus impenetráveis.

000. Só o nada existe, e é todas as coisas.

Após uma pausa de Silêncio profundamente enraizado.

00. Não existe limite.

Silêncio novamente, como se as próprias entranhas da Natureza fossem estimuladas com imobilidade.

0. A Soma de Tudo é Luz Ilimitada.

Agora subitamente há uma reunião da essência do Silêncio; é como se estivesse focada em um Ponto:

1. Tu és aquilo que tu escolheste pensar de ti mesmo, imune a tudo, pois não é nada senão um Ponto de Vista.

Agora dali irrompe uma Onda de Luz, e dali sai rodopiando em majestade de Trovão:

2. Teu Nome, que é tua Palavra, é a substância de tua Vontade, cujo meio de ação constitui a Existência. O Acaso.

Rapidamente a Música se afoga em um baixo arrebatamento inquietante, solene e lento:

3. Aquilo que tu crias é teu Entendimento de teu Amor.

Então vem um súbito tremor e confusão, como se a harmonia fosse despedaçada em inúmeros fragmentos; colidindo uns com os outros, nem há qualquer fala articulada; até que uma rajada medonha ressoa, um trombetear Majestoso. Mas no estrondo da tempestade se ouve uma firme e severa Voz, porém cheia de paz e ternura.

4. A Necessidade do Universo é a Medida de tua Retidão.

Agora segue música marcial, selvagem e repleta do Fogo impetuoso:

5. O Movimento do Universo é a Realização de tua Energia.

E isso se funde com o eco de todas as vozes anteriores e sua música, de tal forma que todo o Abismo se enche de sua orquestração em uma única Sinfonia.

6. A Ordem do Universo é a Expressão do teu Arrebatamento de Beleza.

Desaparece em um tom profundo e tenro, como rouxinóis ao lado de uma cascata; e a voz vem gorjeando:

7. A Sensibilidade do Universo é o Triunfo de tua Imaginação.

Rápidos tremores dão forma ao ar, o coro perpétuo de miríades de jovens garotos e garotas:

8. A Mutabilidade do Universo é o Esplendor de tua Ingenuidade.

E agora novamente todos os sons se reúnem em um, um som infinitamente monótono e de poder impermeável, como o bramido de um elefante na Primavera.

9. A Estabilidade do Universo é Mudança, a Garantia de tua Verdade.

Então, por fim, a alma da Música toma a forma da voz de uma Virgem pura, e ela canta:

10. A Perfeição do Universo é a Realização do Ideal de tua Paixão.

Veja, no Silêncio que segue meu espírito é tão iluminado em sua apreensão destas Alegrias Secretas do Mestre, que eu mais uma vez me perdi de mim mesmo e novamente vivi por um momento Nele.

As Duas e Vinte Instruções Secretas do Mestre.

Agora que voltei a mim, anseio em infinita dor por aquilo que eu estou tão pouco apto a conseguir. Eu sangro internamente, de modo que minha paixão traça em minha carne as palavras do grito que eu não posso expressar em voz alta, o chamado da Alma pela Alma do Mestre, para se tornar uma com Ele.

Para responder a isso, Ele emitiu Sua Vontade, que, lançando sombras sobre as nuvens da Vida, pode ser metade lida por aquele cujos olhos foram iluminados o suficiente pela virilidade de seu amor.

Assim então eu aprendo como melhor me tornar apto para satisfazer minha Vida, na Vida do Mestre, e oferecer meu sangue ao Seu Coração.

0.

Conheça o Nada!

Todos os caminhos são válidos para a Inocência.

Pura tolice é a Chave para a Iniciação.

O Silêncio se quebra em Arrebatamento.

Não seja nem homem e nem mulher, mas ambos em um.

Seja silente, Bebê no Ovo Azul, para que tu possas crescer para segurar a Lança e o Graal!

Perambula sozinho, e canta! No Palácio do Rei, a filha dele te aguarda.

I.

O Verdadeiro Self é o significado da Verdadeira Vontade: conhece a Ti Mesmo através do Teu Caminho!

Calcules bem a Fórmula de Teu Caminho!

Crie livremente; absorva com alegria; divida intencionalmente; consolide completamente.

Trabalhes tu, Onipotente, Onisciente, Onipresente, na e pela Eternidade.

II.

Pureza é viver apenas para o Altíssimo; e o Altíssimo é Tudo: sê tu como Artêmis é para Pã!

Leia o Livro da Lei, e atravesse o véu da Virgem!

III.

Esta é a Harmonia do Universo, que o Amor une a Vontade de Criar com a Compreensão daquela Criação: compreenda tu a tua própria Vontade!

Ame e deixe amar! Regozija-te em toda forma de amor, e obtenha teu arrebatamento e tua nutrição por meio disso!

IV.

Derrame água em ti mesmo: deste modo tu serás uma Fonte para o Universo.

Encontra-te a ti mesmo em toda Estrela!

Concretize toda possibilidade!

V.

Oferece-te Virgem ao Conhecimento e Conversação de teu Santo Anjo Guardião! Tudo mais é uma armadilha.

Sejas tu praticante dos oitos membros da Yoga; pois sem estes tu não estás disciplinado para qualquer luta.

VI.

O Oráculo dos Deuses é a Voz-de-Criança do Amor em tua própria Alma!

Ouça-a tu!

Não preste atenção na Voz-de-Sirena dos Sentidos, na Voz-de-Fantasma da Razão: descanse na Simplicidade, e ouça o Silêncio!

VII.

O dilema do Abutre, Dois-em-Um, conduzido; esta é a Carruagem do Poder.

T R I N C: O último oráculo!

VIII.

Equilibre cada pensamento com seu exato oposto!

Pois o Casamento destes é a Aniquilação da Ilusão.

IX.

Vagueie sozinho; carregando a Luz e teu Cajado!

E seja a Luz tão brilhante que nenhum homem possa vê-la!

Não se comova por nada, dentro ou fora: mantenha Silêncio de todos os modos!

X.

Siga tua Fortuna, desatento de aonde ela te guia!

O eixo não se move: percebas tu isso!

XI.

Mitigue a Energia com o Amor; mas deixe o Amor devorar todas as coisas.

Adore o nome _______[1], quadrangular, místico, maravilhoso, e o nome de Sua Casa 418.

XII.

Não deixe que as águas sobre as quais tu viajas te umedeçam! E, chegando à costa, cultive a Vinha e regozije sem vergonha.

XIII.

O Universo é Mudança: toda Mudança é o efeito de um Ato de Amor: todos os Atos de Amor contêm Pura Alegria. Morra diariamente!

Morte é o ápice de uma curva da serpente da Vida: contemple todos os opostos como complementos necessários, e regozije!

XIV.

Verta completamente do Vaso em tua mão direita, e não desperdice nenhuma gota! Não tem um vaso a tua mão esquerda?

Transmute tudo inteiramente na Imagem de tua Vontade, trazendo cada coisa à sua verdadeira expressão da Perfeição!

Dissolva a Pérola na Taça de Vinho: beba, e torne manifesta a Virtude daquela Pérola!

XV.

Com teu Olho direito crie tudo para ti, e com o esquerdo aceite tudo que foi criado doutra forma!

XVI.

Derrube a fortaleza de teu Self Individual, para que tua Verdade possa jorrar livre das ruínas!

XVII.

Use todas as tuas energias para reger teu pensamento: incendeia teu pensamento como a Fênix!

XVIII.

Que a Ilusão do Mundo passe sobre ti, sem chamar a atenção, tal como tu vais da Meia-noite à Manhã!

XIX.

Dê tua luz para todos sem dúvidas: as nuvens e as sombras não importam para ti.

Faça da Fala e do Silêncio, da Energia e da Imobilidade, formas gêmeas de tua brincadeira!

XX.

Seja todo Ato um Ato de Amor e Adoração!

Seja todo Ato o Fiat de um Deus!

Seja todo Ato uma Fonte de Glória radiante!

XXI.

Trate o tempo e todas as condições de Eventos como Servos de tua Vontade, indicados para apresentar o Universo para ti na forma de teu Plano.

E: bênção e adoração ao profeta da amável Estrela!

As sombras se esvaíram repentinamente assim como as nuvens desapareceram do céu; e não há mais escrita nos Céus, pois aquilo que estava escrito está gravado em meu Coração.

As Quatro Virtudes do Coração do Mestre.

A LUZ está entronada no Coração do Mestre, de tal forma que ele não pensa em nenhum mal. Pois naquela Luz tudo é Verdade.

A falsidade não é nada senão uma função das condições do Tempo e do Espaço, e a ideia do mal vem apenas da percepção de oposições que são transcendidas pela Verdade. Assim também cada coisa que existe tem sua raiz na Necessidade; se a menor destas coisas estivesse perdida, a Obra toda estaria arruinada.

A VIDA brota do Coração do Mestre; a Morte não é nada senão a Sístole daquele maravilhoso pulso.

Os fantasmas da Ilusão são tênues; estes, capturados por aquela correnteza vívida, se estremecem e vibram com o calor de sua realidade; ele não deixa nenhuma forma possível vazia ou inerte; nele tudo partilha do sacramento do nascimento para a Verdade.

A LIBERDADE salta do Coração do Mestre; pois todo homem e toda mulher é uma estrela. Cada um segue, livre e cheio de alegria, sua própria Vontade; pois toda Vontade tem sua função essencial no ritmo do Coração do Mestre de maneira igual. Nenhuma estrela consegue se desviar de seu curso auto imposto: pois na infinita alma do espaço todos os caminhos são sem fim, universais: perfeitos.

O AMOR queima no Coração do Mestre: ele, vendo apenas Deus em todas as coisas, com a chama branca da adoração, o purga de todo a sua imperfeição concebida. Sua adoração sem limites queima o próprio espaço, não deixando nenhum vácuo que não seja envolvido por sua paixão.

Por virtude de sua LEI ele inunda todo pensamento com amor, e por sua vez casa todo pensamento com o outro; e de cada noite nupcial os frutos são gêmeos, o Arrebatamento do Silêncio, e algum novo Mundo de Fantasia nunca imaginada; disso contempla um sombrio e um grotesco, este lírico e aquele nobre, o másculo e o gracioso, iguais em Sua visão, pois eles não sabem nem o limite nem obstáculo na variedade infinita de sua Beleza, criando novas Harmonias a cada hora, além da crença na Alegria.

Siringe e Pã.

Agora vem o som como se fosse da queda de flocos de neve e de pétalas de rosa: é o cintilar dos pés de uma jovem donzela dançando.

E a música é o sussurro do Vento entre os pinheiros sobre a Montanha: e aquele é o alento da Flauta de Pã na boca do Mestre.

E, tudo em um, é o Universo manifestado. Também; ouço sua Canção Sétupla.

Carmen.

Pela Sabedoria Ele forma a matéria e o espaço e o tempo,

Experiência para sublimar.

Pela Virtude Ele gasta Sua própria vida através de tudo;

Majestosa Misericórdia.

Pela Energia Ele revolve tudo no estresse

Da Mudança, o ilimitado.

Pela Ordem Ele reúne os mundos de Luz

Em infinita Beleza.

Pelo Amor Ele destrói tudo para recriar

Fantasias frescas para o Destino.

Pela Razão Ele calcula Sua governança,

A Maravilha de Sua Sorte.

Pela Pureza Ele absolve toda a Sua Vontade

De toda imagem de Mal.

Em Silêncio Ele retoma cada parte perfeita

Para o arrebatamento de Seu Coração,

Sua, em cuja Verdade de Natureza todas as coisas estão,

É a Tranquila e Brilhante Estrela.


[1] Este Nome deve ser comunicado para aqueles que são dignos dessa Iniciação.


Traduzido por Alan Willms em 2010, revisado em novembro de 2018.