Nota Prefacial

Faze o que tu queres há de ser tudo da Lei.

NÃO É MUITO DIFÍCIL escrever um livro, se há a chance de possuir o grau necessário de Iniciação, e o poder de expressão. É infernalmente difícil comentar sobre tal Livro. A principal razão para isto é que toda afirmação é verdadeira e falsa, alternadamente, conforme se avança pelo Caminho do Sábio. A pergunta sempre surge: Para qual nível este Livro se dirige? Para dar um exemplo simples e concreto, afirma-se na terceira parte deste tratado que a Mudança é o grande inimigo. Isso é tudo muito bom no sentido de que se deve agarrar-se ao seu trabalho. Mas noutro sentido a Mudança é a Grande Amiga. Como ela é maravilhosa declarou bem a Própria Besta em Liber Aleph, Amor é a lei, e o Amor é Mudança, por definição. Precisando escrever uma interpretação separada adequada para cada grau, portanto, o comentarista está em um lamaçal de dúvidas o que faz o Lodo de Flandres parecer granito polido. Ele só pode fazer o seu pobre melhor, deixando a maior parte à inteligência de cada leitor para obter apenas o que precisa. Estas observações são especialmente aplicáveis ao presente tratado; pois as questões são apresentadas de uma forma tão confusa que quase se duvida que Madame Blavatsky não era uma reencarnação da Mulher com a Hemorragia de Sangue familiar aos leitores dos Evangelhos. É surpreendente e preocupante notar como o Lanu, não importando o que aconteça com ele, subindo bem alto como um phang e navegando gloriosamente através dos inumeráveis Portais da Alta Iniciação, no entanto, mantêm seu ponto de vista original, como um Bourbon. Ele está sempre a se livrar das ilusões, mas, como a comitiva do Cardeal Senhor Arc-Bispo de Reims após ele ter amaldiçoado o ladrão, ninguém parece pior que uma moeda de um centavo - nem melhor.

Provavelmente a melhor maneira de aproveitar todo o tratado, é assumir que está escrito para o verdadeiro principiante, com uma boa dose entre linhas para o místico mais avançado. Isto será uma desculpa para o mahatma esnobe, uma boa dose de aparente trivialidade e crueza de ponto de vista. É claro que é necessário para o comentarista salientar apenas as coisas que não se espera que os novatos percebam. Ele terá que mostrar mistérios de muitos graus, e cada leitor deve colher seu próprio trigo.

Ao mesmo tempo, o comentarista fez um bom negócio para arrancar alguns dos joios no espírito do que foi dito aprendiz, que Madame Blavatsky ficou aparentemente satisfeita em deixar crescer até o dia do julgamento. Mas esse dia chegou desde que ela escreveu este Livro; o Novo Æon está aqui, e sua Palavra é Faze o que tu queres. É certamente o momento para dar a ordem: Chautauqua est delenda.

Amor é a lei, amor sob vontade.


Traduzido por Frater V.I.T.R.I.O.L.