Cena I.
Os Jardins Suspensos da Babilônia.

R., a Casa da Senhora Astarte; L., uma entrada; C., um amplo gramado enfeitado com ramalhetes de flores e esculturas. O sol está quase se pondo. Em uma poltrona sob o muro da cidade repousa o Senhor Esarhaddon, sendo abanado por dois escravos, um garoto negro e uma bela garota cabila, vestidos de amarelo e azul, as vestes do garoto estando cobertas com um véu prateado, e as da garota com um véu dourado.

Eles estão cantando para ele suavemente:

O GAROTO

Todo raiado-de-vermelho é o dilúvio do Tigre;
O sol manchou sua boca de sangue.

A GAROTA

Laranja e verde, suas bandeiras balançam.

O GAROTO

Seus escravos lamentam.

A GAROTA

Suas donzelas choram.

O GAROTO

Exceto tu, Senhor, tu! A hora está próxima
Quando da proa da luxúria
Saltará a morte de todos os corações dos homens,
Ela cuja respiração vive, a seta de uma lança,
A depravação de uma serpente, o aperto de uma víbora,
Um basilisco entre lábio e lábio,
Aquela cujos olhos negros são sóis para derramar 
As súplicas do amor de hora a hora,
Cujos membros são foices como as da Morte, de quem
O corpo se contorce, uma flor de lótus
Balançada pelo vento da vida, um crime
Cometido tão docemente, a rainha do tempo,
A senhora do céu, a quem as estrelas,
Sete a sete, de seus cursos
Se curvam e adoram – mesmo ela
Que deu todo o seu doce si para ti,
A Senhora Astarte!

A GAROTA

Paz, ó paz!
Um cisne, ela veleja através de êxtases
De ar e de mármore e flores, ela oscila
Como a lua cheia através da bruma da meia-noite
De névoa – seu corpo é como uma pomba
E uma serpente, e vida, e morte, e amor!

O GAROTO

Assim como o crepúsculo ela é,
Metade vista, metade sutilmente apreendida,
Etérea e corporeamente.
A alma encarnada, o corpo transcendido!

A GAROTA

Doendo, doendo apaixonadamente,
Insuportavelmente, absolutamente magnífica!

O GAROTO

Seus lábios tornam o pôr-do-sol pálido!

A GAROTA

Seu corpo enegrece a Babilônia!

O GAROTO

Seus olhos tornam as trevas da meia-noite em cinza!

A GAROTA

Seus seios fazem da meia-noite o dia!

O GAROTO

Ao seu redor, suave e sutil, nada
O almíscar e a loucura de seus membros!

A GAROTA

Sua boca é mágica como a lua.

O GAROTO

Sua respiração é felicidade!

A GAROTA

Seus passos são desmaios!

[Entra ASTARTE, com suas cinco servas donzelas.

O GAROTO

Fora, fora!

A GAROTA

Com o consentimento do coração,
Para deixar a sua senhora ao nosso senhor.

[Eles saem.

O GAROTO

Que ele se esqueça de nosso serviço feito
De folhas de palmeiras balançadas, que nunca se cansam,
Em sua Babilônia encantada
De desejos infinitos!

[ASTARTE se ajoelha aos pés da poltrona, e tendo os pés de Esarhaddon em suas mãos, cobre-os de beijos.

ASTARTE

Não, nunca desperte! a menos para pegar meu pescoço
E romper comigo com beijos – nunca durma,
A menos para sonhar novas dores impossíveis
Ao desperto!

Garotas! com mais do que o discurso do sonho,
Acordem-no com perfume até que ele sorria, com carícias
Mais suaves do que o luar até que ele volte, e suspire,
Com cinco gotas lentas de vinho entre seus lábios
Até que seu coração levante, com jovens vibrações musicais
Até as pálpebras abrirem, e a primeira
E a mais bela de vós saudá-lo como uma flor,
A fim de que desperto ele possa partir de vocês
E voltar-se para mim, que sou todas estas em uma.

1ª DONZELA

Aqui está a riqueza
De todo o âmbar e almíscar,
Exaladas em segredo
Nas cúpulas do crepúsculo!

2ª DONZELA

Aqui o acariciar
De um rosto – que ele agite
O primeiro liens de liesse
Não para mim – mas para ela!

3ª DONZELA

Aqui a quintessência
Do sonho e do prazer,
Evocando a presença
Do sabor à vista!

4ª DONZELA

Ouça o gorjeio
E o ondular e enrolar
De uma melodia que pode te penetrar
Através dos sentidos até a alma!

5ª DONZELA

Olhe para a mais bela,
A criada livre!
Antes que tu abras teu olho,
Eu tremulo, eu desapareço.

TODAS

Desperte! assim como sua guirlanda é atirada ao ar
Quando a ninfa encontra Apolo, nossa testa está nua.
Nós dividimos, nós dispersamos, nós ofuscamos, nós separamos,
Porque nós só somos agora, e nossa senhora para sempre!

[Elas saem.

ESARHADDON

Eu sonhava contigo!
Sonhos além da forma e do nome!
Era uma cadeia de eras, e um relampear
De raios – que tu desejas – desde então – Ó, eu não vejo
Nada, não sinto nada, e não sou nada – cinzas
Queimadas pelo universo!

ASTARTE

E eu a chama!

ESARHADDON

Espiralando e rugindo por um êon atemporal,
Moldando o mundo, desprezando o céu,
Afogando com iminência despótica e negra
Toda a vida e a luz, aniquilando os sentidos –
Eu fui selado e quieto dentro do útero
Do nada, para estourar como o destemido florir de um bebê,
No aethyr superior de teus olhos.
Ó! um olhar sério inflama o Paraíso,
Uma faísca me põe no trono acima,
Minha orbe, o mundo.

ASTARTE

Não, não te movas ainda. Que o amor
Sopre como o zéfiro sobre as profundezas imóveis,
Que suspire ao despertar de seu sono rosado;
Que as estrelas desapareçam, e todo o oriente se torne cinzento
E tenro, antes que o primeiro cor de rosa do dia
O ruborize. Por pouco! Por pouco! Há varas de luz carmesim
O suficiente para apagar a mais nobre das estrelas,
E se curva para adoração diante da orla,
Comece como a lança de Deus para proteger o Seu mundo!
Suavemente!

ESARHADDON

Mas beije-me!

ASTARTE

Primeiro com uma pestana!

ESARHADDON

Tesouro e tortura!

ASTARTE

Sede tentadora
Que torna a cerveja mais deliciosa. O céu pouco vale
Sem o purgatório, a terra!

ESARHADDON

Você faz da terra o céu.

ASTARTE

E do céu o inferno. Escolher-te
É interpretar a miséria do “perder-te”.

ESARHADDON

Ai de mim! a morte termina com tudo se ela deve terminar com o teu beijo!

ASTARTE

E a morte é tudo se ela confirmar a bem-aventurança da vida!

ESARHADDON

E a morte logo chega se a morte preencher os esforços da vida!

ASTARTE

e se derrama a vindima da vida, a morte nunca vem!

ESARHADDON

O sol se põe. Banha-me na chuva de ouro!

ASTARTE

Estas pérolas que o adornam cintilando como estrelas frias
Caem, e meu cabelo cai, envolve uma auréola.
Da mesma forma que o teu amor envolve a minha alma!

ESARHADDON

Estou cego, estou ferido, estou picado.
Toda linha
Sibila.

ASTARTE

Lá há vida para mil mortos!

ESARHADDON

E morte ali para um milhão!

ASTARTE

Mesmo assim.
A vida, a morte, a nova vida, uma teia fiada leve e lenta
Pelo amor, a aranha, nesses palácios
Que apossa.

ESARHADDON

Apossa.

ASTARTE

Deleite penetrante
Mistura-se com as numerosas murmurações,
E todos os beijos afiam-se em ferrões.
Não! minha boca se apossará? Cuidado! Uma vez deleitado,
Como poderá deixar a tua boca novamente?

ESARHADDON

Por que deveria?

ASTARTE

O sono já não é nosso mestre?

ESARHADDON

Por que devemos pensar quando a sabedoria esqueceria?

ASTARTE

Para que não esqueçamos no devido tempo de cumprir a hora.

ESARHADDON

A abelha pensativa deixa o mel na flor.

ASTARTE

Agora a coroa do sol está imersa. E assim eu mergulho
Meu ouro no horizonte de teus lábios.

ESARHADDON

Ah! ...

ASTARTE

Não há nenhum licor, nenhum, dentro do copo.

ESARHADDON

Não, não vá embora; não, então, apenas me levante.
Eu quereria que o copo fosse derretido também; eu drenaria
Sua agonia maldita.

ASTARTE

Em vão.

ESARHADDON

Em vão?
Não, que o bêbado e a brisa em um
Incendeiem, finalmente, e queimem destruindo a Babilônia!

ASTARTE

Tudo exceto o jardim, e a nossa cama, e – veja!
A falsa lua cheia que vem para rivalizar comigo.

ESARHADDON

Ela vem para iluminar o nosso amor.

[Um toque de sinos do lado de fora.

ASTARTE

Adornarei meu cabelo.
O banquete espera. Garotas, sigam-me.

[Elas saem, deixando ESARHADDON.

ESARHADDON

O quão bela
E completamente ela varre a barca flutuante sobre
As curvas douradas do Tigre. Ela é o cisne
Que atraiu a atenção dos deuses, o alce que chamou
Sua paixão para suas clareiras de esmeralda,
A serva que enlouqueceu Mitras, o tremor rápido
Dos juncos que conduziram Oannes ao rio! ...
Ela se foi. O jardim é um deserto.
Ó, para o banquete da leoa, 
os vinhos ricos e surpreendente, as carnes ardentes,
A música e os dançarinos! Assentos impetuosos
Do império dos arcanjos, que suas asas
Esbravejem pelo firmamento! Senhores e Reis
Dos Deuses, desçam e nos sirvam, conforme desprezamos
E pisamos sobre vida, preencham a urna da morte sardônica
Com imortais amores –- como poderei suportar
A paciência deste momento? Ah, ela vem, estejas certo!
Seus pés voam sobre o mármore. ... Abra, portão!

[O portão, não da casa, mas do jardim, se abre. A Senhora Psique aparece. Ela está vestida com púrpura escuro, como se estivesse em luto, e seu cabelo está preso com uma tiara de cipreste e acácia. Ela é servida por três donzelas e três mulheres de idade.

 

Que hóspede tedioso chega?

PSIQUE

Hora branca do destino!
Eu o encontrei!

ESARHADDON

Quem é este?... Bela Senhora, perdão.
Você procura a senhora do jardim?

PSIQUE

Eu pensei que havia encontrado o senhor que eu procuro.
Seu perdão, senhor. Estes olhos estão cansados e fracos
Com as lágrimas e minha busca vã.

ESARHADDON

Então a quem buscais?

PSIQUE

Meu marido – meu milagre único dos homens,
O Conde Adônis.

[ESARHADDON fica tonto e cai na poltrona.

PSIQUE

Você sabe dele?

ESARHADDON

Não.
Eu não consigo dizer o que me impressionou assim.
Eu nunca ouvi o nome.

PSIQUE

De fato, seus olhos
São mais dele do que libélulas unidas!
Suas sobrancelhas são as dele, sua boca é a dele –
No entanto, tudo está desconforme!

ESARHADDON

Pode ser que esteja!

PSIQUE

Ó, perdão. Meu é apenas o relance de uma menina tola
Adônis é a herança desta alma.
Tudo o mais é loucura.

ESARHADDON

Louco! Louco! Louco! Louco! Louco!
Por que digo-lhe isso? Quem é você? Triste? Feliz?
Mau?
Mau! Mau! Fale, fale! Cume gelado do mistério?
Atrevimento frágil da modéstia?

PSIQUE

Ah, perdoe-me!
Eu não tive a intenção de comovê-lo assim.

ESARHADDON

Eu me emociono
Com muita facilidade. Você usou uma palavra imprópria!

PSIQUE

Aceite a minha tristeza. Estou totalmente só
Nesta noite negra. Meu coração é pedra,
Meus membros são chumbo, meus olhos malditos,
Minha garganta um inferno de sede. ...
Meu marido – acreditam que esteja morto. ...
Fizeram-me vestir essas ervas. Pudesse eu
Em meu coração creditar metade do que dizem,
Estes mantos funerários não me envolveriam,
Mas as cinzas branca de um cadáver cremado, e alto
Sobre uma pira de sândalo e ébano,
Ousariam através das chamas o iníquo audaz!
Mas só estes de toda a minha criadagem vieram
Em fé, esperança e amor, tão longe de casa,
E estes outros três se juntaram a mim – porquê, quem saberá?
Mas tu, senhor, em cujo rosto a semelhança dele se revela –
À primeira vista - por enquanto, a fé, se foi! –
Tu morastes longes daqui da Babilônia?

ESARHADDON

Agora devo rir – perdoe-me em sua tristeza!
Minha vida não é ontem e não é amanhã.
Eu vivo; não sei mais.

PSIQUE

Como assim?

ESARHADDON

Eu tenho medo
Eu só sei disso, que sou um estranho aqui.
Chamam-me de Senhor Esarhaddon – nome
Emprestado ou adivinhado, não consigo dizer! Donde
Vim eu não sei – alguma doença
Destruiu a minha memória.

PSIQUE

Ó, se você fosse ele! Mas ainda assim eu vejo que você não é.
Você não tem nenhum sinal de sua vida esquecida?

ESARHADDON

Não, eu vim nu para a Babilônia.
Eu vivo a luz das estrelas e durmo pelo sol.
Sou feliz no amor, sou rico, como e bebo,
Reúno bens, dou risada, eu nunca penso.
Conheça-me como o príncipe do prazer perfeito!

PSIQUE

No entanto
Não há algo que você esqueceria?
algum medo que te arrepia? Enquanto você fala comigo
Eu vejo você espiar para trás com medo.

ESARHADDON

(com medo furtivo resultando em horror)
Você vê a Sombra?

PSIQUE

Não: sombras esguias se estendem
Da lua acolá, e conquistam o mundo, e cauterizam 
Com sua fantástica melancolia tornam grotesca
A terra –- o destino do homem em arabescos.

ESARHADDON

Você está cega! Você está louca! Veja onde ele está!
É o Rei da Babilônia,
Fétidas adagas em suas mãos –
E escorre sangue negro, se esvai, pulsa e mergulha
De seus olhos e narinas até os lábios
Que ele suga, rangendo os dentes. Sobre
Sua cabeça uma coroa de crânios, e macacos se ajoelham
E tagarelam e se esfregam sobre ele. Inclinam-se! Vomitam! Ugh!
Hu! Agora! Agora! Cortam! eles vão – você não consegue ouvi-los?
O quê? você tem coragem de chegar perto deles?

PSIQUE

Não há nada lá.

ESARHADDON

Ah, mas ele tem a cabeça
De um javali, o porco preto, a Noite! Todos mortos, mortos, mortos,
Os olhos de meninas que uma vez eram belas
Pendurados ao redor de seu pescoço. Batem! Quebram! ele bate num crânio
Como um tambor - Estapeima! Atacam! Golpeiam! Voltem, eu não atacarei.
Impostor! Charlatão! há patos e demônios em suas costas.
Mantenha-o longe. Você quer um homem, você diz?
Bem, há um rei para você hoje.
Vai, beije-o! Babe sobre ele! Suas costelas
Devem prontamente se estalar. Ah! Ah! Ah! ela recua.
Ugh! ali ele chegou muito perto. Eu comerei o pó;
Eu lamberei o lodo da Babilônia. Grande luxúria,
Grande deus, grande diabo, gar-gra-gra-gra! Se afaste de mim! 
Pegue esta moça, mesmo que ela fosse o ventre que me pariu!
Veja! Eu já te disse, ele é o Rei, o Rei,
O Rei dos Terrores. Veja-me rastejar!
Yah! Ha!

PSIQUE

Não há nada lá. Você é um homem
Ou se enlouquece com nada?

ESARHADDON

Maldição não mitigável!
Não mitigável, lamentável, profunda –-
Maldição, pode, sopra, corre, e pã está oculto,
Cercado, amarrado, sonoro - Ah, tenha piedade! ...
Quem és tu
Cuja vinda assim me castra? Até agora nunca
Vi, ou senti, ou ouvi, o Rei
Resmungando tão próximo; sangue negro em tudo.
Buu! A barca! Caia fora! Fora! Desapareça! Voe! Se mande!
Fora! Vá! Fora! Vá! Eu sou o rei da Babilônia.
Ah, não! Teu perdão. Tenha misericórdia de mim! É como um deslize,
Ó boca. Agora voe! Corra! prostituta vulgar, fuja!

[Ele a ameaça. Ela treme, mas mantém os pés no chão

Dispa-se, sim, eu te despirei nua, esfolarei a sua carne
Em tiras com meus lábios, roerei seus ossos como um cão.
Fora, porca! Fora, horrorosa! Prostituta! Poço de imundície! Debulha para trilhar
Seu corpo! Cacetes para esmagar sua cara! Facas
Para cortar as suas nove vidas de gato!

ASTARTE

(Entrando às pressas.) O que é isso? Quem é
você? Que direito você tem de vir
E fazer essa confusão na casa?
Você não consegue perceber a destruição que seu tumulto causa? 
Vá embora! Eu tenho um voo ardente de cobras
Para então te chicotear!

PSIQUE

Pode ser que o direito seja meu.
Pode ser que você não seja nada diante dos meus olhos.
Pode ser que eu finalmente encontrei o meu senhor;
E você – sua concubina? Pode ser rejeitada.
Esta é a única certeza, que eu te perseguirei. Escravos!
Cá seus chicotes! que estão mais negros com sangue
De coisas como essa do que a sua pele com beijos
Do frenesi de seu sol.

[Os escravos se apressam.

PSIQUE

Tu mulher vaidosa! Agora
Eu o reconheço, perdido, arruinado, louco, mas meu, mas meu,
Indissoluvelmente dotado comigo, meu marido,
O Conde Adônis!

ESARHADDON

Ah!

[Ele cai, mas nos braços de ASTARTE.

ASTARTE

Ó! guarda-nos agora
E chicoteiem essa coisa para fora do jardim!

[Os escravos formam uma barreira entre PSIQUE e os demais.

PSIQUE

Adônis!

ESARHADDON

Ah!
Astarte, há alguma magia por fora.

ASTARTE

O encanto foi rompido, meu caro senhor.
Há uma parede de ébano e aço
Ao nosso redor.

ESARHADDON

Então o que eu sinto
Quando esse nome soa?

ASTARTE

Um truque mental.
Coisas partidas e deixadas para trás
Mantém as raízes para nos atormentar quando menos esperamos. 
O sábio – e tu és sábio – não deixa nada afetá-lo.
Festejemos!

ESARHADDON

Ah não! Ainda tremo,
Apesar da minha razão e apesar de minha vontade.
Deixe-me deitar contigo aqui por algum tempo, e sonhar
Sobre os teus olhos sob a lua,
Cujos feixes de luz inclinados
Iluminam o teu rosto, que envia seu desmaio
De langor e de fome através do
Espaço infinito que separa dois
Enquanto eles não puderem elevar-se acima
Na unidade do amor.
Não importa quão amarrados próximos as mãos e os pés,
Num único momento eles podem se encontrar;
Quando na angústia única que corre equilibrada
Com a morte e o nascimento, a alegria da realeza,
O amante e o amado adoram
Aquela coisa que é, quando eles não são.

ASTARTE

Não mais!
Enterre o teu rosto entre estas colinas que ameaçam
O céu, as suas lanças rosadas (os deuses que se preocupam)
com as pontas à altura de teus ouvidos, e com o meu cabelo eu te esconderei;
E essas minhas servas devem ficar ao teu lado,
E misturar seus rouxinóis com o leão
Da guarda, aquele coro e o choque do ferro,
Enquanto como um rio varre as suas margens,
As minhas mãos acariciam teus flancos!

(Coro.)

HOMENS

Sob o sol não há nada, não há nada
Que tenha ouvido uma palavra como aquela que nosso senhor começou.

MULHERES

Sob a lua uma tal melodia, uma tal melodia
Como seu pensamento semipreso neste céu de Junho.

HOMENS

A noite nunca teve uma tal luz, um tal rito!

MULHERES

O dia nunca teve um tal raio, um tal poder!

HOMENS

O homem nunca teve, desde que começou os planos para a terra,
Tal bem-aventurança, tal beijo, tal mulher como essa!

MULHERES

Nunca teve a donzela, desde que Deus ofereceu que se vestisse
As pérgulas da terra com suas flores, um tal homem para os poderes dela!

HOMENS

Misture na medida,
Uvas pretas e cerejas brancas!
Uma paixão, um prazer,
Um tormento, um tesouro,
Você para ser triste e nós para sermos felizes!

MULHERES

Seremos solenes
E sérios e sedutores,
Você é a coluna
Forte, duradoura.
Nós somos a hera e a vinha
A se entrelaçar –-
Minha boca na sua, e a sua na minha!

HOMENS

Lustrem nossas lâminas
Com seus véus,
Alegres servas!

MULHERES

Partam seus acordes
Com as escalas
De suas espadas!

HOMENS

Como um vendaval que lambe uma folha
Deixe-nos conduzir-vos,
Vocês, um feixe áureo
À deriva no ar!

MULHERES

Como uma borboleta paira e voa,
Que nós guiemos
Para confundir seus juízos
Enfeitiçado por uma noiva!

HOMENS

Agora, assim como as estrelas
Circundarão a lua,
Que executemos nossos cargos
Em tempo e em sintonia!

MULHERES

Conduzindo nossa senhora e senhor
Para o banquete,
Antes que a noite esteja próxima,
A rosa negra do leste!

HOMENS E MULHERES

Levante! levante! a festa se espalhou,
O vinho está servido; os cantores aguardam
Ansiosos para seduzir e apaziguar; os dançarinos andam
Impacientes para invocar os senhores do Destino.
Levante, levante! o banquete tardio atrasa
Os êxtases radiantes que devem coroar seus caminhos.

ASTARTE

vinde agora. Ah! ainda permanece a palidez?
O vinho restaurará o rubor. Estique as cordas
De teu coração folgado! Ainda tremes? Se apoie em mim!
Estes ombros poderiam sustentar a eternidade.

[Eles partem para o banquete.


Traduzido por Frater S.R.