Banner

Publicação para Probacionistas

Emitido pela autoridade do Mestre Therion
da Grande Fraternidade Branca
da A∴A∴

Frater Progradior
Adeptus Major, 6=5
Imperator Australasia

Gorton, Printer, 38 Blue Street, North Sydney.

A A∴A∴ é um Método Científico pelo qual o Probacionista que conscientemente segue as práticas aqui recomendadas alcançará pelo menos o primeiro passo do caminho que o levará à Iluminação Divina.

O grau dessa iluminação depende de sua própria capacidade, zelo, devoção à Ordem, e também de sua aptidão para a Iniciação. Mas até mesmo um estudante indiferente obrigatoriamente atinge algum resultado. Pois o verdadeiro conhecimento é obtido pela experiência, e este método põe nas mãos do Probacionista os meios de aquisição dessa experiência para si mesmo; enquanto ao mesmo tempo o ensina a se proteger evitando assim todo medo de se tornar obcecado, uma vítima da loucura, ou um escravo da ilusão.

É da maior importância que o tempo todo o estudante detenha a maestria de sua própria mente; então que ele traga ao tribunal da razão quaisquer fenômenos que ocorram, antes de atribuir a eles realidade objetiva ou validade filosófica.

Não é sempre possível, nem seria desejável neste estágio, explicar completamente para o estudante todas as razões para as práticas aqui recomendadas, nem os resultados finais obtidos através delas.

Mesmo assim, conforme ele progride e atinge um certo grau de desenvolvimento, tudo se torna claro para ele, e ele percebe como foi conduzido passo a passo ao despertar dos sentidos interiores, de modo que finalmente a Consciência Divina se torna dele, e ele atinge o Conhecimento e Conversação de Seu Sagrado Anjo Guardião.

Os seguintes itens são dignos de consideração:

  • O preconceito sendo um grave obstáculo e uma fonte de erros sempre fértil, se esforce em manter a mente imparcial. Observe a questão em consideração do ponto de vista do seu adversário bem como do seu.
  • Lembre-se também de que o medo é a causa do fracasso, enquanto a coragem leva ao sucesso.
  • A ignorância é limitação; portanto novamente obtenha conhecimento sempre que possível.
  • Controle as emoções, e almeje o equilíbrio em todos os caminhos.
  • Todo desequilíbrio é ruim. Severidade indevida se torna crueldade, enquanto misericórdia indevida é fraqueza.
  • Aprenda a controlar o pensamento, admitindo somente as ideias que são úteis para o fim desejado. Pensamentos fixos são de grande poder.
  • Evite todos os extremos; tente viver uma vida racional, lógica.
  • Se você não obter sucesso imediatamente, não perca a coragem, mas trabalhe pacientemente. Lembre-se de que Roma não foi construída em um dia.

Uma vez que todo estudante é um homem cercado por objetos materiais, se ele deseja dominar uma ideia em particular, ele deve fazer com que todo objeto material ao seu redor sugira diretamente essa ideia. Na Magia Cerimonial sempre se tem isso em mente; de modo que os objetos da visão, audição, olfato, paladar e tato são todos empregados de um modo que eles enviem sua mensagem para o cérebro do operador, de modo a conduzir a mente dele à concentração total.

Há três práticas importantes conectadas com todas as formas de Magia Cerimonial. Estas são:

(1) A Assunção de Formas-Deus. (Esta prática pertence a um Grau superior.)

(2) A Vibração de Nomes Divinos.

(3) Os Rituais de Banimento e Invocação. (Os Rituais de Invocação também pertencem a um Grau superior. OBSERVAÇÃO: Não confunda Rituais de Invocação com Invocações.)

Os Nomes-de-Deus são Palavras de Grande Poder, e foram usadas pelos Indivíduos Notáveis de todas as eras. Pelo modo com o qual eles afetam o Éter, certos resultados são produzidos. Eles deveriam ser vibrados com toda a força e energia possíveis; usados desta maneira, o estudante obtém o maior benefício.

É IMPERATIVO que, antes de começar qualquer outro trabalho, o experimentador realize primeiro o Ritual do Pentagrama de Banimento da Terra. Este, quando corretamente realizado, protege de forma absoluta de qualquer influência maligna, pois todas as forças elementais malignas e aversas precisam se abster diante das Palavras e Sinais de Poder empregados no Ritual do Pentagrama de Banimento.

A vibração dos Nomes-de-Deus é usada como um método adicional de identificar a consciência humana com aquela porção pura dela que o homem chama pelo nome de Deus. Para aprender a vibrar os Nomes Divinos, aja assim: –

(a) Fique de pé com os braços estendidos.

(b) Inspire profundamente através das narinas, imaginando o Nome-de-Deus entrando com a respiração.

(c) Que o nome desça lentamente dos pulmões para o coração, para o plexo solar, para o umbigo, para os órgãos de procriação, e assim por diante até os pés.

(d) No momento em que parecer tocar os pés, rapidamente avance o pé esquerdo cerca de doze polegadas, lance o corpo para a frente, e que as mãos (que retrocederam até os lados dos olhos) sejam projetadas, de modo que você fique na posição típica do “Entrante”, e ao mesmo tempo imagine o Nome como se correndo para cima e através do corpo, enquanto você o sopra para fora através das narinas com o ar, que até então, foi retido nos pulmões. Tudo isso deve ser feito com toda a força da qual você seja capaz.

(e) Então recolha o pé esquerdo, e coloque o dedo indicador direito nos lábios, de modo que você esteja na posição característica denotando “Silêncio”.

Um sinal de que o estudante está realizando isso corretamente é quando uma única vibração exausta completamente a sua força física. Deveria deixá-lo todo quente, ou transpirando fortemente, e deveria enfraquecê-lo de um tal modo que ele acharia difícil permanecer de pé. Quando maior o poder da imaginação do estudante ao trabalhar esta operação, mais potente será o resultado; e quanto mais tempo for necessário para que ele volte ao seu estado normal de percepção, melhor.

O seguinte Ritual deve ser memorizado: –

O RITUAL DO PENTAGRAMA DA TERRA

Fique de pé no centro da sala.

(i) Tocando a testa, diga Ateh (a Ti)

(ii) Tocando o peito, diga Malkuth (O Reino)

(iii) Tocando o ombro direito, diga ve-Geburah (e o Poder)

(iv) Tocando o ombro direito, diga ve-Gedulah (e a Glória)

(v) Entrelaçando as mãos sobre o peito, diga le-Olahm, Amen (às Eras, Amém)

(vi) Voltando-se para o Leste, faça o Pentagrama da Terra, diga (ou seja, vibre) IHVH (pronuncie Ye ho wau)

(vii) Voltando-se para o Sul, o mesmo, mas diga ADNI (pronuncie Adonai)

(viii) Voltando-se para o Oeste, o mesmo, mas diga AHIH (pronuncie Eheieh)

(ix) Voltando-se para o Norte, o mesmo, mas diga AGLA (pronuncie Agla)

(x) Estendendo os braços na forma de uma cruz, diga

(xi) Diante de mim Raphael.

(xii) Atrás de mim Gabriel.

(xiii) À minha direita Michael.

(xiv) À minha esquerda Auriel.

(xv) Pois ao meu redor flameja o Pentagrama.

(xvi) E na Coluna a Estrela de seis raios.

 (xvii) Repita (i) a (v), a Cruz Cabalística.

Assim esse símbolo de grande Poder, a Estrela de Cinco Pontas, é traçada no ar. Ao fazer essa figura, o braço deve ser mantido completamente rígido; e ao se voltar para os pontos Cardeais, uma linha reta deve ser traçada de Pentagrama a Pentagrama, mantendo o braço reto apontando para fora. Este Ritual deveria, se necessário, ser repetido de novo e de novo, até um momento em que o operador esteja confiante de que ele está completamente protegido. O sucesso no banimento dá uma sensação de uma atmosfera muito “limpa”.

O estudante também deve aprender a permanecer completamente imóvel, com todos os músculos tensos por longos período de tempo. Isso se chama Asana, ou Postura. É essencial que a coluna espinhal seja mantida livre, com o peito, pescoço e cabeça em uma linha reta.

Ajoelhar-se é uma boa posição; e para aqueles que não estão acostumados a essa, não há motivo para que eles devessem mudar. Para aqueles que ainda não estão habituados a nenhuma posição em especial, a seguinte é uma muito conveniente: Sente em uma cadeira, a cabeça erguida, as costas retas, os joelhos juntos, as mãos (com as palmas para baixo) sobre os joelhos, os pés juntos, os olhos fechados. Não é recomendável mudar da posição que o corpo se acostumou; desde que a coluna espinhal seja mantida em uma linha reta, qualquer posição será o suficiente.

Para aqueles que ainda não prestaram nenhuma atenção à prática da respiração profunda, é aconselhável que eles comecem com a Respiração Rítmica. Isso eles podem praticar enquanto caminham fora, assim economizando tempo. Para a Respiração Rítmica, inspire e expire em intervalos regulares, de acordo com a capacidade de seus pulmões. É fácil de contar caminhando, através dos passos. Torne a respiração tão longa quanto possa, sem esforçar exageradamente os pulmões, ou permitir que a respiração se torne irregular ou muito rápida. Busque a respiração profunda, completa e regular. A Respiração Rítmica induz à calmaria mental, e prepara o caminho para a Concentração.

Aqueles que já praticaram Pranayama (o controle da respiração) e fizeram algum progresso, deveriam continuar com suas práticas, sempre se esforçando para alcançar poder maior.

INVOCAÇÕES – A Concentração Ativa é uma grande força para a consecução da consciência de Deus, e as invocações feitas corretamente produzem a concentração ativa. As Invocações deveriam ser memorizadas, e ditas em voz alta com todo o vigor, veemência, força, sentimento e imaginação dos quais o estudante seja capaz.

Quanto mais ele possa se identificar com a ideia, maior será o resultado, pois assim a atenção é mantida fixa, e a Concentração é atingida.

Quando, através da repetição da Invocação, uma vibração por todo o corpo for produzida, de modo que mesmo se a voz for cessada, ainda assim mentalmente a repetição e a vibração continuarem, enquanto ao mesmo tempo a mente estiver fixa na ideia de vibração, então a verdadeira concentração ativa será alcançada, e a expansão da consciência poderá ocorrer a qualquer momento.

As invocações dadas (adiante) foram especialmente selecionadas como basicamente suficientes para o Probacionista. Elas deveriam ser repetidas de novo e de novo muitas vezes. Um sentimento de Santidade demonstra que algum sucesso foi alcançado.

Após ter vibrado as Invocações, assuma o seu Asana, e descanse banhado no Poder Espiritual que você atraiu em si mesmo, mantendo a mente em um estado ativo de expectativa ativa, esperando e aguardando a realização daquilo pelo qual você esteve lutando durante a Invocação.

O que segue é um bom método de organizar a Ordem do trabalho:

(1) Ritual do Pentagrama de Banimento da Terra (este inclui a Vibração dos Nomes de Deus.)

(2) Invocações.

(3) Asana.

Após você ter trabalhado através do Ritual e das Invocações, então assuma o seu Asana escolhido, e medite sobre o trabalho que você realizou, alcançando uma consciência superior. Isso gradualmente desvelará os seus sentidos interiores de seu ser, que levarão eventualmente ao Conhecimento e Conversação de seu Sagrado Anjo Guardião.

Não é feita aqui nenhuma menção especial aos exercícios de respiração, visto que se presume que você os praticará enquanto estiver caminhando.

Também é interessante definir todo dia um horário definitivo para realizar o seu trabalho. Além disso, será necessário obter um caderno no qual manterá um registro exato de todo o seu trabalho, pois a A∴A∴ não toma nota oficial de um trabalho a menos que cumpra esta condição. O registro deveria ser escrito imediatamente, ou pelo menos o quanto antes após prática. Registre da forma mais científica possível. Diga o tempo exato gasto em cada prática, e quaisquer observações adicionais sobre quaisquer experiências que possam acompanha-la, escritas o mais brevemente possível. É a partir deste registro que o Adepto julgará o progresso do Probacionista, e a sua capacidade de passar pelo Teste dos Iniciados para o Grau de Neófito.

PRIMEIRA INVOCAÇÃO

Invocação do Self Superior.

Vinde a mim, Tu que és meu verdadeiro self; minha Luz; minha Alma! vinde a mim; Tu estás coroado com a Glória; Tu és o Imutável; o Imensurável; a Divindade Imortal, cujo lugar é no desconhecido; e cuja residência é a Morada dos Deuses Imortais. Coração de minha Alma: Chama que brilha sozinha, Glória da Luz, Tu eu invoco. Vinde a mim, meu Senhor: a mim, que sou Teu reflexo no poderoso Mar da Matéria! Ouça Tu, Anjo do Senhor! Ouça Tu nas habitações da Eternidade: venha, e purifique para a Tua Glória a minha Mente e minha Vontade! Sem Ti eu não sou nada: em Ti sou todo auto-existente em Tua individualidade até a eternidade! Coração de minha Alma; a Ti eu invoco! Vinde Tu a mim: tu és a minha própria individualidade! minha Essência, minha Luz: e Tu me proteges e me guia através dos Múltiplos Caminhos da Vida; para que eu possa finalmente me tornar um com a Tua Essência Imortal e Imperecível! A Ti, o Único Sábio, Único Poderoso, e Único Eterno, seja o Louvor e a Glória para Sempre. Amém, Amém e Amém.

INVOCAÇÃO

Ó Divino self! Ó Senhor Vivo de Mim!
Chama que brilha sozinha, que produz o além.
Divindade Imaculada! Rápida língua de Fogo,
Ardendo daquela Luz Imensurável,
O ilimitado, o imutável. Venha,
Meu Deus, meu amante, espírito de meu coração,
Coração de minha Alma, virgem branca do Amanhecer,
Minha Rainha de toda a Perfeição, vinde tu
De tua morada além dos Silêncios
Até mim, o prisioneiro, eu o homem mortal,
Santamente armazenado neste barro: vinde, eu digo, a mim.
Inicie minha alma desperta: se aproxime
E deixe a glória de tua Divindade brilhar
Através de todos os éteres luminosos do ar
Até mesmo para a terra, teu escabelo: até mim
Por quem estas invocações sagradas trazem
A tua influência sagrada dentro de mim
Para fortalecer e purificar a minha vontade
E as aspirações santas à tua vida,
Me purgue e me consagre, até que o meu coração
Queime até os próprios limites do véu,
E o abra na hora do sacrifício,
De modo que até mesmo o pilar secreto no meio
Se manifeste aos olhos mortais.
Eis sobre minha mão direita e esquerda
Os poderosos pilares de fogos maravilhosos,
E nuvens terríveis. Seus topos estão velados no Céu,
Sobre os quais as lâmpadas eternas se regozijam;
Seus pedestais sobre o Universo
Estão postos em nuvens que rolam, em rajadas de ventos e trovoadas,
Em chamas vívidas e tempestade: Mas para mim,
Equilibrado entre eles, queima a luz santa
Sem véu, uma roda líquida de fogo sagrado,
Rodopiando imutavelmente em si mesma
E formulando no sol esplêndido
De sua radiância branca lunar, na luz
De sua eternidade imaculada.
Tua visão gloriosa! Ó tu rosto de luz das estrelas
E diamante coroado do meu self e de minha alma,
Tu Anjo como Rainha de minha Vontade superior,
Forme em meu espírito um fogo mais sutil
De Deus, de modo que eu possa compreender a mais
Sagrado pureza de tua Essência
Divina! Ó Rainha, ó Deusa de minha vida,
Luz não-criada, fagulha Cintilante
Do Self-de-Tudo! Ó santa, santa Esposa
De meu pensamento mais divino, venha! Eu digo,
E se manifeste diante de teu adorador
Nos mais incandescentes raios! Que o ar
Vibre com a paixão de meu santo chamado
Do altíssimo. Pois a vontade persistente
E o fervor contínuo de minha alma
Me levaram a esta hora de vitória,
Este trono de esplendor, Ó tu self da Beleza,
Tu coroa mais sagrada assim manifesta para mim,
Venha, eu digo, venha! Com gritos mais poderosos
Do que os que Jesus proferiu sobre a cruz trêmula:
“Eli, Eli, Iama sabachthani”.
A ti, a ti, somente a ti eu invoco! Ó Alma
De meu próprio espírito, que os teus olhos ardentes
Me dêem de sua luz; pois tu és como Deus
Entre os Santos. Diante dos Deuses
A tua música se move, coigual, coeterna,
Tu, Senhor da Luz e da Vida e do Amor! Venha!
Eu te chamo pelo nome mais sagrado Dele,
O Senhor do Universo, e pelo Seu Nome,
Osiris tornado perfeito através do sofrimento,
Glorioso na provação; por seu Santo Nome,
Jesus, a Divindade passando através dos portões
Do Inferno, de modo que até mesmo ali os resgatadores
Possam encontrar as trevas, e proclamar a luz;
Pois eu te invoco pelos ritos sagrados
E palavras sagradas de poder eterno;
Pelo rápido símbolo da Aurora Dourada
E toda a sua promessa, pela Cruz do Fogo,
E pelo Símbolo Brilhante; pela Rosa
E pela Cruz de Luz e Vida; pela Ankh sagrada,
A Rosa de Rubi e a Cruz de Ouro,
Por estes eu digo, venha! minha santa esposa,
E me faça um com o teu raio abundante
Do vasto oceano da não-manifestada
Negatividade Ilimitada da Luz,
Fluindo, em Jesus manifesto, através do espaço,
Em equilíbrio, sobre o mundo
Iluminado pelo brilho da Superna Branca,
Através da Cruz do Calvário vermelha: Venha,
Meu Self verdadeiro! Venha! Ó Ofuscador
Envolvido na glória de tua Morada Sagrada
De onde te chamei; Venha a mim
E permeia o meu ser, até que meu rosto
Brilhe com a tua luz refletida, até que minhas sobrancelhas
Brilhem com teu Símbolo estrelado, até que a minha voz
Atinja o Indizível: Venha, eu digo,
E torne-me um contigo, de modo que todos os meus caminhos
Possam cintilar com a influência santa,
Para que eu possa ser digno no final
Para me sacrificar diante dos Santos:
Para que em tua Glória, Força e Majestade,
E pela Beleza e Harmonia do Céu,
Que preenche a sua nascente na Fonte da Vida
Que eu possa ser poderoso no Universo.
Sim, venha tu, eu poderosamente conjuro
Tua perfeição radiante para compelir
Todos os espíritos a se sujeitarem a mim,
Que todo espírito do Firmamento
E do Éter, e sobre a Terra
E sob a Terra e o solo firme,
Da água, do ar rodopiante,
Do fogo que tudo-irrompe; e todo encantamento
E flagelo de Deus, o Vasto, possam se tornar
Obedientes a mim, para o Bem-Total
E para a redenção final: Ouça-me, tu!

Eca, zodocare, lad, goho
Torzodu odo kikale qaa!
Zodacare od zodameranu!
Zodorje, lape zodiredo Ol
Noco, Mada, das lapadiel!
Ilas! hoatahe Iaida!

Coroado com a luz das estrelas! Alado com esmeraldas
Mais amplas do que o Céu! Ó aprofundante azul
Do abismo da água! Ó tu chama
Iluminando através de todas as cavernas da noite,
Línguas lambendo do imensurável
Acima através das cintilantes Ladeiras não manifestadas
Até o inefável! Ó sol Dourado!
Vibrando a glória de meu self superior!
Eu ouço a tua voz ressoando no Abismo;
“Eu sou o único ser nas profundezas
Das Trevas: que eu me levante e me prepare
Para trilhar o caminho das Trevas: assim para que
Eu possa atingir a luz. Pois do Abismo
Eu vim antes de meu nascimento; daqueles salões obscuros
E do silêncio de um sono primal! E Ele,
A Voz das Eras, me respondeu e disse:
Eis! pois eu sou Aquele que formula
Nas trevas! Criança da Terra! a Luz brilha
Nas trevas; mas as trevas não entendem
Nenhum raio daquela luz iniciadora!”
Agora pelo caminho perigoso da Iniciação
E Aspiração cega, eu saí
Para onde o Esplendor Branco brilhava sobre o Trono
Até mesmo para o Templo dos Santos;
Agora, por essa luz, venha, eu digo, até mim,
Minha Senhora da Luz das Estrelas e da Lua!
Venha e seja o absoluto dentro de minha mente,
De modo que eu não possa retomar memórias obscuras
Para sorver esta glória com a melancolia trêmula da terra
Mas, Ó habite dentro de mim! O tempo todo
Eu preciso da corrente soberba e límpida
Daquele Brilho Branco; não me deixe só,
Ó Espírito Santo! Venha para me confortar,
Para me atrair, para me tornar manifesto,
Osíris para o mundo que chora: que eu
Seja erguido sobre a Cruz da Dor
E do Sacrifício, para atrair toda a humanidade
E todo germe da matéria que tenha vida,
Mesmo após mim, o Reino
Inefável da Luz! Ó santa, santa Rainha!
Que as tuas amplas asas me abriguem!

Eu sou a Ressurreição e a Vida!
O reconciliador da Luz e das Trevas.
Eu sou o que Resgata das coisas mortais,
Eu sou a Força manifestada na matéria,
Eu sou a Divindade manifestada na carne,
Eu estou acima, entre os Santos,
Eu sou todo purificado através do sofrimento.
Todo perfeito no Sacrifício místico,
E no conhecimento de minha individualidade tornada
Uma com os Senhores Eternos da Vida.
A Provação Glorificada completa é meu Nome:
O que Resgata da Matéria é o meu Nome,
Eu sou o coração de Jesus cingido
Pela Ágil Serpente! Eu, osirificado,
Estou nesta Sala da Verdade Dupla e digo:
Santo és Tu, Senhor do Universo!
Santo és Tu, que a Natureza não formou,
Santo és Tu, ó vasto e poderoso!
Ó Senhor das Trevas e Senhor da Luz!
Santo és Tu, ó Luz sobre os Deuses!
Ó Santo, Santo, Santo, Santo Rei.
Inefável, ó Divina Consciência
Em cuja presença branca, mesmo eu, um deus,
Um deus dos deuses, me prostro e digo:
Eu sou uma fagulha de Tua chama abundante
Eu sou a flor e Tu o esplêndido Sol
De onde surge a minha vida! Tudo saúda a Ti.
Pois Santo, Santo, Santo é Teu Nome!
Santo és Tu, ó Senhor Universal!
Santo és Tu, que a Natureza não formou!
Santo és Tu, ó vasto e poderoso!
Ó Senhor das Trevas e Senhor da Luz!

Eu vejo as trevas caírem como cai o raio!
Eu observo as Eras como uma torrente
Passando por mi; e como um traje eu sacudo
Os pingentes da borda do Tempo. Meu lugar é fixo
No abismo além das Estrelas e dos Sóis.
EU SOU, a Ressurreição e a Vida!

Santo és Tu, ó Senhor do Universo!
Santo és Tu, que a Natureza não formou!
Santo és Tu, ó vasto e poderoso!
Ó Senhor das Trevas e Senhor da Luz!

As seguintes obras são recomendadas para estudo sério:

  • Liber CCXX, O Livro da Lei
  • O Equinócio, Vol. I, Ns. I a X
  • Livro 4, Partes 1, 2 e 3.
  • The Star in the West (Fuller)
  • Tao Te Ching
  • Os Upanisads
  • Baghavad Gita
  • A Voz do Silêncio
  • Raja Yoga (Swami Vivekananda)
  • A Bíblia
  • As Variedades da Experiência Religiosa (James)

As seguintes obras também podem ser lidas com vantagem:

  • The Light of Asia (Arnold)
  • The Song Celestial (Arnold)
  • Zanoni (Lytton)
  • A Strange Story (Lytton)
  • The Blossom and the Fruit (Mabel Collins)
  • Kim (Kipling)
  • The Arabian Nights (tradução de Sir R. Burton)

Se qualquer dificuldade for encontradas nestas práticas e ritual, iluminação adicional será gentilmente concedida por Frater Progradior, mediante o recebimento de um envelope endereçado e com selos.

FRATER PROGRADIOR
Collegium Ad Spiritum Sanctum (Sydney),
15, Emmett Street,
Crow’s Nest,
Sydney, N.S.W.


Traduzido por Frater S.R.