5267d5ea811c7 8cb6f3fcc63928239c8f32ab0457a0f3630354crop

Passo 8:
O Ritual do Pilar do Meio

No presente regime de disciplina espiritual, foi feita toda tentativa de evitar referências a sistemas alheios ou o uso de palavras estranhas ou nomes com os quais o estudante médio pode não estar familiarizado. Neste exercício, queremos usar algumas palavras ou nomes divinos em hebraico. Não há virtude por si nestas palavras. Elas são tradicionais e emitem um tipo de vibração sonora que é útil para nós – e isso é tudo. Nenhuma outra palavra foi encontrada em inglês que sirva mais ou menos à mesma finalidade. Portanto, o estudante deve entender que não está envolvido nenhum preconceito religioso na utilização destas palavras.

O método a ser descrito é chamado de Ritual do Pilar do Meio – embora não seja um ritual formalizado no sentido empregado do termo. Ele é derivado de uma filosofia arcaica e mística chamada Cabala. O esquema central desta filosofia é conhecido como a Árvore da Vida, que consiste em dez centros dispostos em um padrão de Três Pilares. Aqui estamos preocupados apenas com o Pilar do Meio, o Pilar do Equilíbrio situado entre as outras duas colunas da Severidade e da Misericórdia.

Que o estudante esteja sentado em sua agora habitual posição de meditação. Comece com a respiração rítmica que deve ser mantida por alguns minutos até que a agitação no plexo solar comece, momento no qual o ritmo deve ser automático.

Algumas autoridades afirmaram que o Self espiritual mais alto não está completamente encarnado no ser humano comum, mas apenas o ensombra. Grande parte da intenção deste exercício é de aumentar a consciência dessa sombra divina e permitir uma permeação mais completa do sistema corpo-mente pelo Self Superior, ou Sagrado Anjo Guardião, como foi chamado arcaicamente. 

Para facilitar o desenvolvimento do estado de ânimo necessário, o estudante pode iniciar o Ritual inteiro com uma oração, tal como:

Santo és tu Senhor do Universo, pois a Tua glória flui até os confins do Universo, regozijando.
Esteja agora comigo nisto, a Grande Obra, que dedico inteiramente a Ti. 
Que a minha mente esteja aberta para o Superior.
Que o meu coração seja um centro da Luz.
Que o meu corpo seja um templo do Espírito Santo.

Mais tarde, quando devem ser gerados o máximo de força e energia, recomenda-se que a oração ou invocação seja seguido pela invocação do Espírito Não Nascido do capítulo anterior para reforço e exaltação adicional.

Visualize uma luz brilhante logo acima da cabeça na forma de uma esfera ou bola mais ou menos do diâmetro de um pires ou prato de salada. Concentre-se em seu brilho cintilante, imaginando-a girando e vibrando, e muito em breve haverá alguma consciência, alguma sensação ou sentimento de algo sendo ativado acima da cabeça. Quando sentir isso, vibre a palavra EHEIEH – pronunciada Ê-hê-iê. (Novamente, deixe-me insistir, o significado dessas palavras é de pouca importância aqui, apenas o valor de seu som nos é útil agora.) Essas sílabas são igualmente enfatizadas e devem ser vibradas lentamente, obtendo o som máximo de cada sílaba. Com um pouco de prática, a palavra pode ser vibrada de tal forma a dar a impressão de estar totalmente concentrada naquela esfera de luz acima da cabeça. Se houver alguma tendência da mente divagar – embora que uma vez as sensações sejam sentidas, a mente se concentra quase que automaticamente, como se fascinada – repita a vibração do nome. Vibre o nome várias vezes, não há limite estabelecido. A vibração não precisa ser em voz alta, um murmúrio vigoroso realmente é tudo que é necessário. Conforme o tempo passar, todo o procedimento poderá ser realizado mentalmente, com a vibração sendo executada sub-vocalmente, ou seja, silenciosamente. Mas só depois de a técnica ter sido dominado oralmente, não antes disso.

Caso experimente alguma dificuldade em sentir onde está este centro, um pouco de ajuda extra é útil. Obtenha da farmácia local um medicamento chamado HEET. (Nota do tradutor: medicamento para artrite, que alivia a dor).  A tampa vem equipada com um pequeno adesivo. Encontre o ponto em cima da cabeça do qual o cabelo se irradia, e aplique uma pequena quantidade de HEET. Esfregue-o delicadamente com os dedos até que você possa sentir o local onde o medicamento está, pois na verdade este produto meramente é um irritador que estimula a circulação sanguínea nessa área. Então pare por um momento e repita as direções acima – que há uma bola de luz girando acima da sua cabeça.

Depois de ter se concentrado nesta esfera de luz acima da cabeça por aproximadamente cinco minutos, ou até que a sinta suficientemente ativada, imagine um feixe de luz que é emitido a partir dela, descendo através da cabeça para a garganta e o pescoço. Aqui ela se expande para formar uma outra esfera de luz que se estende da frente para a trás do pescoço. Formule essa esfera tão vividamente quanto você puder , usando o nome divino YHVH ELOHIM. Este é pronunciado como Iê-Hô-vá Ê-lô-Im, nenhuma sílaba deve ser pronunciada mais forte do que outra. Vibre o nome várias vezes, concentrando-se dentro desta segunda esfera, usando um procedimento similar como o de antes, até que haja uma consciência clara e vívida desta segunda esfera vibrando no pescoço.

Alguns minutos depois, visualize o eixo descendo do pescoço até o peito; repousando no plexo solar – em outras palavras, na área do coração. Aqui ele forma uma terceira esfera de luz brilhante, que se estende da frente para trás do peito, mais uma vez do tamanho de um prato de salada. Mantenha a visualização aguçada – ou melhor ainda, sinta a esfera. O resultado é inconfundível.

É aqui que podemos ver onde alguns dos exercícios anteriores estão rendendo dividendos elevados, tornando mais fácil desenvolver a consciência sensorial e sentir essas esferas girando.

Em vez do nome hebraico habitual, que é muito longo e complicado, um nome divino gnóstico será usado. Ele é mais curto, vibra muito bem e é muito mais fácil de usar. Este nome é: IAO – que é pronunciado: i-á-ô. Repita a vibração do nome quantas vezes lhe for necessário para ajudar a mente a ficar concentrada no centro. Se necessário, uma pequena quantidade de HEET no meio do osso do peito vai produzir a sensação na pele suficiente para ajudá-lo a tornar-se consciente da área a ser ativada.

Em cerca de cinco minutos, visualize o raio de luz descendo do peito até a região pélvica, onde uma quarta esfera de luz é formada em sua imaginação. Vibre o nome SHADDAI EL CHAI – xá-dái-êl-hái. (O “Ch” hebraico é gutural como na palavra escocesa para lago “loch”.) Visualize e sinta uma intensa atividade nesta área pélvica, até que sinta todo o centro como se fosse vivo e pulsando de energia.

Finalmente, visualize o raio de luz que desce da pélvis para os pés, formando uma quinta esfera de luz. O nome a ser usado aqui é ADONAI ha-ARETZ, pronunciado: Á-dô-nái ha-á-réts. Vibre o nome divino o suficiente para que o sinta nas extremidades inferiores, atiçando a esfera de luz em vigorosa atividade. Sinta-a girando e vibrando como uma esfera brilhante de energia de luz. Mantenha a mente concentrada nela por pelo menos cinco minutos também.

Uma vasta quantidade de energia espiritual foi assim desperta e lançada no organismo. Agora lhe resta circular esta energia em todo o sistema.

Volte na imaginação ao topo da cabeça e, com a exalação do ar, a energia de luz começa a fluir por todo o lado esquerdo do corpo até os pés. Conforme você inala, imagine essa energia espiritual ascender do lado direito até o centro da cabeça. Visualize esta atividade como uma faixa de energia que se desloca rapidamente, estendendo-se a alguma distância do corpo. Faça isso várias vezes até que alcance alguma consciência clara do movimento.

Em seguida, um gesto imaginativo semelhante deve seguir com a energia fluindo para baixo na frente do corpo até os pés durante a expiração, e subindo dos pés à cabeça na parte de trás com a inalação. Isso também deve ser imaginado e sentido ocorrendo várias vezes até que a percepção do movimento seja clara.

Isso estabelece faixas de energia que circulam dentro e ao redor do corpo formando um amplo campo eletromagnético ou aura de luz branca. No entanto, o campo ainda não está completo, requerendo outro gesto para cercar.

Retorne na imaginação para o centro do pé, e imagine que o Pilar do Meio atingindo até o centro da cabeça é como um tubo oco. Na inalação da respiração, é realizada a sucção que trás a energia do centro do pé através do oco do tubo, e na exalação ela jorra de cima da cabeça, caindo por todos os lados como uma fonte. Os jatos de energia em torno das margens externas do campo, caindo como uma chuva cintilante aos pés, onde mais uma vez se reunirão no centro do pé. Na inalação, a energia novamente é trazida pelo Pilar do Meio para jorrar sobre a cabeça durante a expiração. Este processo deve ser repetido com frequência até que o resultado seja uma compreensão clara de um campo brilhante e que vibra, no qual o estudante está fechado e pelo qual é totalmente permeado.

Neste ponto, ele deve embarcar em uma meditação na qual está fechado na Luz do Espírito e, portanto, é uno com a Vida Una que pulsa através do universo e que unifica todos os seres e todas as coisas. Se isso ajudá-lo a alcançar o grau de exaltação necessário, pode-se recitar algo inspirador, como uma passagem de “A Tragédia do Mundo” de Crowley:

Ouvi então! Por Abrasax! A barreira da irremovível estrela
Está quebrada – IO! Asar!
Meu espírito está envolto no vento da luz;
Ele é arrebatado nas asas da noite, 
De plumas negras são as maravilhosas asas, 
Mas a prata do luar lança-se sutilmente 
Para as penas que piscam com o ritmo 
Do nosso voo para violar os limites do espaço. 
O tempo cai como uma pedra das estrelas: 
O espaço é um caos de barreiras quebradas:
O ser é fundido em uma inundação furiosa
Que se enfurece e sibila e espuma no sangue. 
Veja! Estou morto! Estou falecido, estou falecido
Fora do mundo sensível, finalmente. 
Eu não sou. Todavia, eu sou, como eu nunca fui,
Uma gota na esfera de vidro derretido
Cujo brilho altera e muda e drapeja 
A alma infinita em formas finitas.
Há luz, há vida, há amor,
Há sentido
Além da fala, além da canção, além da evidência. 
Há intensa maravilha, um sol miraculoso,
Como os muitos são fundidos e misturados em um
Com o calor de sua paixão; o uno invadiu 
As alturas de sua alma, e seu riso é trançado 
Com cometas cujas plumas são as galáxias
Como ventos sobre os mares inacessíveis da noite

Pode haver uma outra oração significativa ou alguma outra forma de devoção que poderá se provar extremamente valiosa para si. A exaltação de sua mente ao pico mais alto da iluminação, torna-se possível neste momento particular, dependendo de quão intensamente ele tem trabalhado na formulação da luz branca e divina do espírito e como ele tem sido movido pela contemplação do presente hino de louvor divino.

Para fechar o exercício, ele deveria dar graças pela experiência e gradualmente retirar a esfera branca para dentro de si, para que o campo coincida com seu próprio corpo. Ele deve respirar fundo e contrair todos os seus músculos para encerrar o estado e depois esticar-se vigorosamente antes de se levantar e ir cuidar de seus afazeres.

Para o fechamento e agradecimento, o seguinte pode ser usado:

A ti, único Sábio, único Eterno e Único Misericordioso seja o louvor e a glória para sempre, que me tem permitido que agora permaneça humildemente diante de Ti, para entrar, assim, no santuário do teu mistério. Não a mim, mas a Teu Nome seja a Glória. Que a influência dos teus entes divinos desça sobre minha cabeça e me ensine o valor do auto-sacrifício, de modo que eu não me encolha na hora do julgamento. Mas que, assim, o meu nome seja escrito no alto e meu Gênio fique na presença dos Santos na hora em que o Filho do Homem for invocado diante do Senhor dos Espíritos e seu nome na presença do Ancião dos Dias. Amém.

Esta técnica do Pilar do Meio é outro daqueles exercícios que podem demorar muito mais do que um único mês para dominar. Em todo caso, o estudante pode descobrir que ele deseja usá-lo mais ou menos de forma intermitente ou contínua durante todo o curso de sua vida. Ele tem possibilidades infinitas que somente a prática persistente indicará.

Figura humana com o pilar do meio da Árvore da Vida sobre seu corpo

O Pilar do Meio

Traduzido por Dyulax, Aluvaia, Nazeazeno e Linnekertr