All writings of Phyllis Seckler are © The International College of Thelema, and may not be reproduced in any form without written permission. All rights reserved. Please see http://intcot.org for more information.
53ca98e1a6397 banner

Ameaças do Plano Astral

[Publicado originalmente na revista In The Continuum, Vol. 1 Nº 5. O texto original não possui título. Todos os escritos de Phyllis Seckler estão sob © do The International College of Thelema, e não podem ser reproduzidos sob qualquer forma sem permissão por escrito. Todos os direitos reservados. Por favor acesse http://intcot.org para mais informações.]

Care Fratre,

Faze o que tu queres há de ser tudo da Lei.

Surgiu a questão sobre as entidades astrais e se elas podem ser hostis ao homem; se um homem pode ser influenciado para fazer o que ele não faria normalmente, e se ele pode ser prejudicado por essas entidades de outros planos.

Há material suficiente no ocultismo em geral que torna inútil para nós discutir se os seres astrais existem ou não. Certamente se falou e escreveu interminavelmente sobre este fenômeno. O que não está muito claro é se o indivíduo concernente às manifestações astrais é responsável pelo evento que o assusta e horroriza e que pode até mesmo obcecar sua imaginação a tal ponto que ele acredite plenamente que o acontecimento astral é real, além de qualquer dúvida.

Também é inútil discutir se as entidades astrais estão fora de nós mesmos, ou se estão dentro e são uma manifestação de poderes inconscientes dos quais somos lamentavelmente ignorantes da maior parte. Talvez as duas coisas sejam verdade, talvez não. Talvez seja o adepto quem possa resolver esta questão de forma satisfatória para si mesmo. Mas isso não significa que nós também não devemos tentar resolvê-la. Cada um de nós deve se esforçar em direção à Luz. Como Thelemitas, devemos sempre estar conscientes de que estamos trabalhando pelo método da ciência e que o nosso objetivo é religioso, o conhecimento do verdadeiro Centro de nosso próprio Ser. Como operadores do método científico, não devemos nos envolver emocionalmente com a existência de entidades astrais dentro ou fora de nós mesmos. Devemos ter uma visão desapegada e científica dos “acontecimentos astrais” e, mais importante ainda, de nós mesmos. De fato, este último ponto, o de nós mesmos, torna-se o elemento mais importante em nossa consideração.

Cada um de nós vê o mundo apenas através de nossos próprios olhos, nossos próprios sentidos, nossos próprios padrões emocionais, físicos e mentais. Em certo sentido, tudo o que qualquer outra Estrela vê ou sente é muito irreal para nós.

É um fato psicológico conhecido que a mente inconsciente produzirá fenômenos de acordo com as imagens oferecidas a ele pelo pensamento consciente e pelas emoções. Não produzirá eventos pelo intelecto ou pelo raciocínio em particular, mas sim de acordo com a força das imagens emocionais. Imagens mentais de emoções positivas e sentimentos e aspirações produzirão resultados positivos. Assim, no Ritual de Banimento, você está apresentando ao inconsciente uma série de imagens e símbolos que, se feitos com cuidado, com atenção completa ao desenho e imaginação da Cruz da Luz, aos Pentagramas em fogo azul, às formas-pensamento e imaginações dos Deuses, à Presença dos Arcanjos e como eles são, e assim por diante, nunca deixará de impressionar a mente inconsciente com o que você quiser. Da mesma forma, Liber 7 e Liber 65 estão repletos de imagens que impressionam o inconsciente, e é por isso que memorizar estes livros provará ser uma ajuda inestimável para você.

Considere, por outro lado, como o medo consegue produzir nos acontecimentos da vida apenas aquilo que é temido. O medo é uma emoção tão poderosa que facilmente se imprime na luz astral. O que você acha que uma pessoa poderia produzir no plano emocional ou astral através do medo? Qualquer coisa em que ela acredita deve ser a resposta para isso.

Do The Magical and Philosophical Commentaries on the Book of the Law, podemos citar a p. 214. “46. Tu fracassas? Te lamentas? Há medo em teu coração?” “Este versículo apresenta aquilo que é um fato em psicologia, a conexão necessária entre o medo, a tristeza e o fracasso. Querer e ousar são Poderes da Esfinge intimamente ligados, e eles estão baseados em saber. Tendo uma apreensão correta do Universo, sabendo que é força e fogo, livre, imortal, ilimitado e infinito, então ele pode querer e ousar. Medo, tristeza e fracasso são apenas fantasmas.”

Além disso, provavelmente seja por isso que O Livro da Lei é tão veemente em dizer que “De todo não temais; não temais nem homens nem Destinos, nem deuses, nem nada. Dinheiro não temais, nem o escárnio da tolice popular, nem qualquer outro poder no céu ou sobre a terra ou debaixo da terra.” – Cap. III, v. 17.

Há também a questão de se a obsessão por seres astrais ou sua manifestação à mente do observador poderia ter uma base física. Sem dúvida, em alguns casos, sim. Estamos todos conscientes de como o adolescente virgem pode produzir fenômenos de poltergeist. Isso estaria baseado na não satisfação do desejo sexual. Esta é uma das emoções mais poderosas conhecidas por nós, e o ímpeto por sexo pode construir estados emocionais que são tão poderosos que realmente podem produzir fenômenos muito fora do comum.

O alcoólatra em fase avançada também produz coisas no plano astral. A mesma coisa é verdade para aqueles que usam drogas de forma descontrolada. Pense no plano astral particularmente como uma Luz invisível que é extremamente plástica e que pode ser transformada à vontade pelo operador, no que ele desejar. Então teremos os fenômenos ocultos comuns que abundam em romances, relatos de místicos e religiosos, daqueles que veem fantasmas, dos espiritualistas, e centenas de outros tipos. Nesta luz extremamente plástica todo mundo cria, sabendo ou não disso. Às vezes, suas criações têm uma força de emotividade tão grande que permanecem vivas por muito tempo. Estas são as “conchas mortas” das Qliphoth ou dos reinos astrais inferiores. Frequentemente os psíquicos convidam essas conchas mortas de forma deliberada em suas auras e, uma vez que as conchas não têm nenhum vestígio da alma que as criou, o psíquico pode ser terrivelmente prejudicado.

Depois, há manifestações astrais que possam ocorrer a pessoas doentes. Algumas pessoas também podem produzir este tipo de evento deliberadamente dormindo demais. Sonhos e ocorrências astrais podem ocorrer se o corpo for impedido de realizar a sua vontade em relação à ação e ao movimento. Certas pessoas, ao dormir demais, desaceleram a ação do coração e isso afeta a corrente sanguínea para o cérebro. Isso, por sua vez, produzirá fantasmas que a pessoa tem em sua mente inconsciente, assustadores ou não, e que ele mesmo colocou lá.

Hoje em dia o hiperinsulinismo devido a um excesso de açúcar e amido, o álcool, a carência de farinhas brancas, os aditivos alimentares e outros venenos podem levar a efeitos muito deletérios. Sabe-se agora, por exemplo, que a esquizofrenia pode ser curada removendo a pessoa afetada de todos os itens acima e alimentando-a com uma dieta natural, reforçada com certas grandes doses de vitaminas e minerais. Quantas outras doenças mentais poderiam ser tratadas desta forma é uma incógnita. E quantas influências astrais poderiam ser contornadas por este regime dado ao esquizofrênico, talvez também devesse ser nosso estudo. Devemos nos perguntar se nosso aberração temporária de nossa verdadeira luz de Estrela foi causada por alguma condição física.

Ora, quantas das “visões astrais” ou encontros com entidades astrais das pessoas dependem de condições corporais e quantos destes eventos dependeriam de um conjunto emocional ou mental?

A pessoa que gasta seu tempo odiando, se ocorrerem as condições de uma experiência astral, se encontrará face a face com seu ódio. Ela, afinal, o criou. A pessoa que gasta bastante tempo com ficção científica, se também mergulhar no subconsciente ou reinos astrais, encontrará lá o que ele programou para ele; ou seja, experiências astrais que soam como ficção científica, quando ele recontar o evento.

Todos nós sabemos que a pessoa que se inclina religiosamente para a teoria de Jesus verá essa pessoa no astral, se inflamar as emoções e a mente o suficiente para fazer isso. Sabe-se que a experiência religiosa se encaixa exatamente nos pensamentos, emoções e imagens mentais do aspirante, que ele apresentou ao inconsciente.

Espero que você já tenha lido As Variedades da Experiência Religiosa de William James e o Cosmic Consciousness de Dr. Bucke. Ambos estes livros lhe darão um grande insight sobre o funcionamento da mente humana. Embora eles não deem muita informação sobre entidades astrais, mesmo assim tais aparições são afetadas por nossas próprias mentes. Este é um ponto extremamente importante e precisamos muito estudar a mente, a fim de compreender e até mesmo controlar o que chamamos de eventos astrais. Em suma, as assombrações podem ocorrer com muita facilidade por causa da nossa ignorância da Lei natural. Vamos, então, dar o nosso melhor para descobrir quais são essas leis.

Citarei novamente o Comentário de Liber AL. “25. Vós sois contra o povo, Ó meus escolhidos!” – “Ainda mais profundo, há um significado neste versículo aplicável ao processo de iniciação pessoal. Por ‘povo’ nós podemos entender a gentalha mutável e de muitas cabeças que se aglomera nas pocilgas de nossas próprias mentes. A maioria dos homens estão quase que inteiramente à mercê de uma massa de emoções fortes e violentas, sem disciplina ou mesmo organização. Eles balançam com o humor do momento. Lhes faltam propósito, previsão e inteligência. Eles são movidos por instintos irracionais e ignorantes, muitos dos quais afrontam a própria lei de autopreservação, com estupidez suicida. A ideia moral a que chamamos de ‘o povo’ é o inimigo natural de um bom governo. Aquele que é ‘escolhido’ para a Realeza por Hadit deve, portanto, ser ‘contra o povo’, se ele dever seguir qualquer política consistente. As larvas aglomeradas do ‘amor’ devoraram Mark Anthony, assim como fizeram com Abelardo. Por isso, a primeira tarefa do aspirante é desarmar todos os seus pensamentos, tornar-se impregnável sob a influência de qualquer um deles; Isso ele pode fazer pelos métodos indicados em Liber Aleph, Liber Jugorum, Thien Tao, e noutros lugares. Em segundo lugar, ele deve impor silêncio absoluto sobre eles, conforme pode ser feito pelas práticas de ‘Yoga’ ensinadas no Livro 4 (Parte I), Liber XVI, etc. Então ele está pronto para analisá-los, organizá-los, exercitá-los, e assim tirar proveito das propriedades peculiares de cada um, empregando suas energias a serviço de seu propósito imperial.” (p. 201)

Então com todo este trabalho, deixe-me afirmar que todos nós somos responsáveis por eventos em nossas próprias vidas, sejam astrais ou físicos, em um nível surpreendente. Uma das diferenças entre um iniciado e um não-iniciado é que o primeiro sabe disso e assume a responsabilidade por suas criações. Ele se torna como Nemo e cuida de seu jardim. Ele poda algumas tendências e emoções, corta algumas completamente e incentiva as outras – tudo de acordo com os ditames de sua Verdadeira Vontade.

O não-iniciado, por outro lado, deverá por a culpa do que acontecer em qualquer outra fonte exceto ele próprio. Parece-lhe ser mais fácil dessa maneira, se ele se torna o peão do Destino. Ele não tem que assumir a responsabilidade pelo que acontece. Ele pode dizer que o evento todo ocorreu devido às condições fora de seu controle. Infelizmente, esta atitude pode levar à insanidade se o evento astral foi horrendo o suficiente. Ele não prejudicará ninguém se admitir que sua própria mente pode ter sido a responsável pelo incidente astral. Tendo uma mão nisso, então o que se pode fazer para dissipar os efeitos? Desta forma, você obteve para si um caminho para sair de qualquer dificuldade. Você começou a pensar em termos do guerreiro, pronto para lutar contra suas próprias tendências debilitantes, sejam físicas, emocionais ou mentais. Como Thelemitas, não devemos esquecer que somos lutadores e que parte de nossa luta (ou melhor, grande parte dela) é contra aquelas partes de nós mesmos que interferem com a Verdadeira Vontade. Provavelmente é por isso que o terceiro capítulo de Liber AL é tão cheio de som de batalha. Como seres humanos, somos a ‘criança’, o produto da relação de Hadit com Nuit.

No Comentário a Liber AL, lemos no Cap. II, v. 19 – “Há um Deus de viver em um Cão? Não! mas os mais elevados são de nós. Eles se regozijarão, nosso escolhidos; quem se entristece não é de nós.”

“Um deus vivendo em um cão seria aquele que foi impedido de cumprir sua função adequadamente. Os mais elevados são aqueles que dominaram e transcenderam o ambiente acidental. Eles se alegram, porque eles fazem a sua Vontade; e se qualquer homem se lamenta, é evidência clara de que há algo de errado com ele. Quando a máquina range e ronca, o engenheiro sabe que ela não está cumprindo sua função, fazendo a sua Vontade, com facilidade e alegria.”

E em Liber Aleph, Cap. De Hoc Modo Dissolutio, há esta sabedoria: “Aqui portanto Eu escreverei a Resposta a esta Acusação contra nossa Sabedoria: que todo Ato de Vontade deve ser executado em sua Perfeição, um Estado que será conseguido de acordo com estas Condições: primeiro, aquelas de sua própria Lei; segundo, aquelas do seu Ambiente. Julga teu próprio Caso individualmente; cada qual por si; pois não existe Padrão ou Código, desde que toda Estrela tem sua própria Lei diversa da de toda outra. Agora, existe a Repressão de Conflito, que é Impotência e Ruptura; mas a Repressão da Disciplina é uma Fortificação da Vontade por Repouso e por Preparação, como um Conquistador que descansa seus Exércitos, e os alimenta e cuida do Armamento e do Moral deles antes de entrar em Combate. Também, há a Repressão da Arte, que inclui aquela outra de Disciplina, e sua Natureza é adornar a Vontade e realçar sua Força e sua Beleza, e regozijar-se em sua Vitória antecipadamente em plena Confiança, sem temer o Tempo, que rouba aqueles que são ignorantes sobre ele, de como ele é apenas Miragem e Ilusão, incapaz de sitiar a Fortaleza da Alma. Faz tua Vontade, sabendo (como Eu disse antes pela Boca de Eliphas Levi Zahed) que tu és Onipotente, e tua Habitação é a Eternidade. Ó meu filho, atenta bem nesta Palavra; pois é um Legado, e um Anel de Rubi e Esmeralda em tua Herança”.

Aqui, então, está a solução para as dificuldades com entidades Astrais. Deve-se primeiro limpar a própria casa e prestar atenção ao funcionamento das várias tendências. Em seguida, deve-se buscar conhecer e realizar a Verdadeira Vontade. Ponha seus pés neste caminho e nenhuma criatura ou força astral pode interferir com você. Não é dito em Liber AL, Cap. I, v. 42 “Seja aquele estado de multiplicidade limitado e repugnante. Assim com tudo teu; tu não tens direito senão fazer a tua vontade. 43. Faze isto, e nenhum outro dirá não.”

E do Comentário a Liber AL sob o Cap. II, v. 7, poderíamos citar isso: “Hadit é tanto o criador da Ilusão quanto seu destruidor. Pois, embora sua interação com Nuit resulte na produção do Finito, Sua retirada em Si é a destruição do mesmo.” E ainda no versículo 9: “Lembrai todos vós que a existência é pura alegria; que todas as tristezas são apenas como sombras; elas passam & estão acabadas; mas há aquilo que permanece”

“Este verso é muito bem explicado em Liber Aleph. “O melhor neste tipo são apenas sombras”, diz Shakespeare, referindo-se a atores, O Universo é um peça de fantoches para o divertimento de Nuit e Hadit em suas núpcias; realmente um Sonho de Uma Noite de Verão. Então nós rimos das desgraças zombadas de Píramo e Tisbe, das cabriolas desajeitadas de Bottom; pois entendemos a Verdade das Coisas, como tudo é uma dança de êxtase.

Fosse o mundo compreendido
Saberias que era bom,
Uma dança em um passo lírico!

A natureza dos eventos deve ser “pura alegria”, pois, obviamente, tudo que ocorre é o cumprimento da vontade de seu mestre. Assim o sofrimento aparece como resultado de qualquer esforço mal sucedido – e, portanto, mal julgado. Aquiescência na ordem da Natureza é a Sabedoria suprema.

Deve-se entender o Universo perfeitamente e ser totalmente indiferente à sua pressão. Estas são as virtudes que constituem um Mestre do Templo. No entanto, todo homem deve realizar Aquilo que ele quer, porque ele é energizado por sua própria natureza. Desde que trabalhe “sem ânsia de resultado” e cumpra o seu dever para seu próprio benefício, ele saberá que “as tristezas são apenas como sombras”. E ele mesmo é “aquilo que permanece”; pois ele não pode mais ser destruído, ou a sua Verdadeira Vontade ser mais contrariada, do que a Matéria diminuir ou a Energia desaparecer. Ele é uma unidade necessária do Universo, igual e oposta à soma de todas os outras; e sua Vontade é igualmente o último fator que completa o equilíbrio da equação dinâmica. Ele não poderia falhar se quisesse; assim, suas tristezas são apenas sombras – ele não poderia vê-las se ele mantivesse seu olhar fixo em seu objetivo, o Sol”.

Agora, então, se estas citações não resolveram o seu problema, posso sugerir que elas sejam memorizadas e imaginadas, e imagens feitas delas, que você então apresentaria ao seu inconsciente? Faça isso com bastante frequência e não demorará muito para que o inconsciente responda apresentando-lhe a série de eventos que você precisará como uma saída de suas dificuldades.

Mais ainda, sobre este assunto. O que fazer em caso de ataque? Existem muitas opções. Acho que a mais eficaz é o Ritual do Pilar do Meio em combinação com o Ritual de Banimento. Você pode consultar o livro de Regardie, O Pilar do Meio. Então, acho que claramente dei citações o suficiente para você saber que você deve buscar o Altíssimo dentro de você, seja lá o que isso for pra você no presente. Podemos chamá-lo de Verdadeira Vontade, ou de Conhecimento e Conversação do Sagrado Anjo Guardião, dependendo de qual estágio de desenvolvimento você está. Você deve eliminar rudemente as partes indignas de si mesmo que interferem com este objetivo elevado, e você deve voluntariamente trabalhar os detalhes de seu karma, que você mesmo ordenou. Thelema tem os ideais mais elevados, mas estes devem ser trabalhados por cada indivíduo para se adequar a seu próprio caso com a orientação do Livro da Lei.

Ainda neste assunto, citarei novamente o Liber Aleph, Cap. De Via Per Empyraeum: “Quanto às tuas Viagens no Corpo de Luz, ou Jornadas e Visões Astrais assim chamadas, grava esta Sabedoria em teu Coração, ó meu Filho: que nesta Prática, quer as coisas vistas e ouvidas sejam Verdade e Realidade, quer sejam Fantasmas na Mente, existe este supremo Valor Mágico, a saber: Desde que a Direção de tais Jornadas é conscientemente comandada, pelo verdadeiro Ente, uma vez que sem Aquele nenhuma Invocação seria possível, nós temos aí uma Cooperação ou Aliança entre o Ente Interno e o Ente Externo, e assim uma Consecução, pelo menos parcial, da Grande Obra.

“E por isto é Confusão ou Terror em qualquer tal Prática um Erro realmente temível, causando Obsessão (que é uma Divisão temporária, e às vezes até permanente, na Personalidade) ou Insanidade, e portanto uma Derrota mui fatal e perniciosa, uma Entrega da Alma a Choronzon.”

E após isso, lemos no De Culto – “Agora, ó meu Filho, para que tu estejas bem guardado contra teus Inimigos fantasmais, trabalha constantemente pelos Meios prescritos em nossos Santos Livros.

Não negligencies jamais as quádruplas Adorações do Sol em suas quatro Estações, pois desta forma tu afirmas teu Lugar na natureza e suas Harmonias.

Não negligencies a Execução do Ritual do Pentagrama, e a Assunção da Forma de Hoor-par-Kraat.

Não negligencies o Milagre diário da Missa, quer pelo rito da Igreja Católica Gnóstica, quer por aquele da Fênix.

Não negligencies a execução da Missa do Espírito Santo, como a Natureza Mesma te incita.

Viaja também no Empíreo em teu Corpo de Luz, buscando sempre Habitações mais ígneas e mais lúcidas.

Por último, exercita constantemente os Oito Membros do Yoga. E assim tu chegarás ao Fim.”

Além disso, quando for abordado por espíritos ou forças hostis, você deveria testar os espíritos. Se você apenas traçar um pentagrama, ou uma cruz se isso parecer mais natural para você, e exigir o nome do espírito, você perceberá que isso é de grande ajuda. Geralmente os espíritos hostis dissolverão diante de um pentagrama e da pureza de sua aspiração. Todos os espíritos têm que obedecer, uma vez que você é completo e eles não são. Todos os espíritos, não importa qual, não importa o quão assustador, são seres parciais. O Homem é Deus e animal e tudo entre ambos. O Homem é uma Estrela perfeita em sua verdadeira Natureza. Você literalmente não pode ser assombrado, influenciado ou prejudicado por seres astrais, a não ser que você mesmo se afaste completamente de sua verdadeira natureza de Estrela ou divindade. Lembre-se sempre de que você é um Deus e que você pode comandar e criar como um Deus. Se você se afastou do Verdadeiro Eu, então você também pode restaurar a ligação, uma vez que você é Hadit em seu Eu mais profundo, e tem esse poder.

Então agora, querido irmão, você tem seu trabalho delineado para você. Não fuja desse trabalho, pois isso só o impediria em seu caminho para a realização de sua própria Natureza Estelar. Que você possa vencer sua Batalha.

Amor é a lei, amor sob vontade

Fraternalmente,

Meral

Traduzido por Alan Willms. Os trechos de Liber Aleph foram extraídos da tradução de Frater Adjuvo.