Banner

07 – O Percurso Normal para Governadores e Reis

Nieh Ch’ueh inquiriu Wang Ni. Depois de fazer quatro perguntas sem obter uma única resposta, saltou com alegria e correu lá fora para contar ao mestre Manto-impetuoso.

– Então agora você sabe? – perguntou o mestre. – Yu-yu não se comparava a T’ai. Yu-yu ainda valorizava a benevolência e tentava usa-la para aproximar os homens. Alcançou os homens, mas jamais o reino do “não-homem”. T’ai. dormia profundamente, e quando acordava ia tratar dos seus afazeres. Podia ser cavalo ou vaca. Conhecia o fato e a fé. O poder da sua virtude jamais foi verdadeiro. Jamais sequer entrou no reino do “não-homem”.

* * *

Chien Wu foi visitar o louco Chieh Yu. Chieh Yu perguntou:

– O que foi que Começo-no-meio lhe disse aquele dia?

– Disse que o “homem nobre” deve colher os próprios parâmetros e regras dentro de si. Então nenhum dentre os homens ousaria não ouvir e não se transformar.

– Esse aí mascara a virtude! – tomou o louco Chieh Yu. – Assim reger Tudo-sob-o-céu seria atravessar o mar a pé, cavar um poço no rio ou fazer um mosquito erguer e carregar uma montanha. Será que o governo do sábio tem algo a ver com aparências? Ele para, ereto, diante do Uno. Só então segue adiante; então pode fazer o que precisa fazer. O pássaro voa alto, além do alcance de arapucas e flechas. O rato cava sob os grandes montes cerimoniais para fugir ao alcance dos homens que perfuram buracos para enfumaçá-los. É claro que essas duas criaturinhas não têm conhecimento.

* * *

T’ien Ken vagava pela ensolarada encosta yang da montanha Yin. Quando chegou ao rio Água-pena, encontrou um homem Sem-nome e lhe perguntou:

– Será que posso indaga-lo sobre Tudo-sob-o-céu?

O homem Sem-nome respondeu:

– Saia já daqui, ó bruta criatura! Como pode fazer pergunta tão horrível? Estou prestes a ser Homem, o criador das coisas. Quando me sinto oprimido, monto o pássaro Confusão Sutil e, voando além das Seis Direções, vagueio até o vilarejo de Qualquer-lugar, habitando os ermos dos Campos largos e Perfeitos. Por que é que você precisa apressar na boca perguntas sobre a ordem do mundo para perturbar-me o coração e a mente?

T’ien Ken perguntou de novo, e dessa vez Sem-nome respondeu assim:

– Que o seu coração e a sua mente vaguem pelo insipido; harmonize o seu ch’i com o indiferente. Siga as coisas no fazer o que fazem, sem tirar proveito. Tudo-sob-o-céu assim será regido!

* * *

Yang Tzu Chu foi ver Lao Tan e disse:

– Aqui vive um homem rápido feito eco, forte como viga de telhado, dotado de iluminada percepção das coisas. Estuda o Tao incansavelmente. Será que se pode comparar esse homem a um rei esclarecido?

– Comparado a um sábio – respondeu Lao Tan -, esse tal é um mecânico descuidado preso à sua tarefa, lapidando a sua forma e incutindo medo no coração e na mente. Diz-se por ai que são as elegantes rajadas exteriores, a decoração, do leopardo e do tigre que atraem o caçador. A sagacidade do macaco e a destreza do terrier1 no apanhar ratos lhes rendem a coleira. Ainda quer comparar gente como essa a um rei esclarecido?

O rei esclarecido – continuou Lao Tan -, os seus atos abrigam Tudo-sob-o-céu, e ele no entanto parece abnegado. Deixa que a mudança supra todas as coisas, mas o povo não o adora. Apoiado no insondável, vagueia por onde nada existe.

* * *

No estado de Cheng, vivia um médium chamado Chi Hsien que podia prever se as pessoas viveriam ou morreriam, existiriam ou pereceriam, teriam desgraças ou prosperidade, vida longa ou morte prematura. Previa a data exata desses acontecimentos, dizendo o ano, o mês e o dia, como se fosse ele mesmo um espirito. Sempre que o povo de Cheng o via, largavam tudo e fugiam. Quando Lieh Tzu o viu pela primeira vez, foi como se tivesse a mente e o coração embriagados. Correu para casa para contar tudo ao mestre Jarra-de-vinho:

– Sempre acreditei que o seu Caminho fosse o Caminho até lá. Mas agora vejo que outro vai mais longe.

– Já lhe mostrei as minhas aparências exteriores – retrucou o mestre jarra-de-vinho -, mas não ainda a minha substância. Será que realmente já dominou o meu Caminho? Se o seu galinheiro não tem galos, será que vai produzir ovos férteis? Você mostra o seu Caminho ao mundo para achar seguidores. É por isso que esse homem pode ler o seu rosto. Venha você com ele para me pôr à prova.

No próximo dia ensolarado, Lieh Tzu levou o xamã para tuna entrevista com o mestre Jarra-de-vinho. Quando o xamã entrou, exclamou para Lieh Tzu:

– Caramba! O seu mestre è um homem morto! Não há vida nele. Não tem mais nem uma semana de vida O que vejo nele è realmente esquisito. Vejo cinzas úmidas.

As mangas ensopadas de lágrimas, Lieh Tzu entrou para contar ao mestre Jarra-de-vinho.

– Acabei de mostrar a ele a minha aparência terrena, oculta e inabalável como os primeiros brotos viçosos – disse o mestre Jarra-de-vinho. – Ele provavelmente pensou que o poder da minha virtude estava se esgotando. Traga-o de novo.

Dia claro e cedo, voltaram os dois. Quando o xamã saiu da entrevista, falou:

– Que grande sorte teve o seu mestre ao me encontrar! A sua doença sumiu. Ele está cheio de vida. O que vi antes era apenas um bloqueio da sua energia.

Lieh Tzu entrou e contou ao mestre Jarra-de-vinho.

– Dessa vez – disse o mestre Jarra-de-vinho -, eu lhe mostrei o meu Campo Celeste, onde não entram nem aparência nem substância e onde os atos procedem direto dos meus calcanhares. Provavelmente ele viu o “bem” em ação. Traga-o aqui de novo.

Lieh Tzu levou o médium novamente, e este disse ao sair:

– O seu mestre ê incoerente. Não consigo ler nada no rosto dele. Peça que ele se aprume, que ai posso ver alguma coisa.

Lieh Tzu foi contar ao mestre Jarra-de-vinho, que disse:

– Acabei de mostrar a ele a Grande Convergência Liquida Invencível. Ele provavelmente viu as ações do meu ch’i entrando em equilíbrio. Onde a água na esteira da Grande Criatura Marinha faz um redemoinho. Basta bloquear a água para formar um redemoinho; basta deixar a água correr para formar um redemoinho. Existem nove espécies de redemoinhos. Tenho três aqui no meu Grande Centro Liquido. Traga-o novamente.

Ao amanhecer do dia seguinte, voltaram os dois. O xamã andou de um lado para o outro, depois se perdeu completamente e fugiu.

– Vá atrás dele agora, se ainda quer – sugeriu o mestre Jarra-de-vinho.

Lieh Tzu o seguiu, mas não conseguiu alcança-lo. Acabou voltando para contar ao mestre Jarra-de-vinho.

– Sumiu. Não consegui alcança-lo e agora o perdi.

– Dessa vez – disse o mestre Jarra-de-vinho -, eu lhe mostrei o meu mestre ancestral antes do principio do principio. Mostrei-lhe o vazio, serpenteando feito cobra. Ele não sabia quem ou o que eu era, pois me dobrava e oscilava, ondulava e fluía. Ai ele e seus augúrios fugiram.

Lieh Tzu percebeu que ainda nem começara a aprender nada. Voltou para casa, ficou entocado durante três longos anos. Fazia todas as tarefas da mulher e alimentava os porcos como se fossem gente. Não exibia interesse pelos negócios do mundo, deixando a ostentação para o vulgo. Ficou só dentro de si como um torrão. E em meio ao palpitar da confusão e da divisão, preservou-se indiviso até esgotar o fio da vida.

* * *

Não abra a sua porta à fama. Não se tome lugar de maquinações. Não tente carregar os deveres do mundo. Não tenha mestre. Que o seu corpo seja o infinito. Siga a trilha do nada possuir. Seja tudo o que o céu lhe deu. Não busque lucro. Ser vazio, isso ê tudo. Aquele que chegou lá usa o coração e a mente como espelho, e não acompanha as coisas na partida nem sai para recebê-las. É aquele que reage, mas não se apega, e assim conquista as coisas conservando-se ileso.

* * *

O imperador do mar do Sul chamava-se Apressa-te. O imperador do mar do Norte chamava-se Súbito. O imperador do Espaço Intermédio era Confusão. Apressa-te e Súbito muitas vezes iam à terra de Confusão, onde ele os tratava com bondade. Querendo retribuir essa bondade, os dois imperadores tomaram uma decisão:

– Todas as pessoas têm sete orifícios, para ver, ouvir, comer e respirar, mas Confusão não tem nenhum. Vejamos se não podemos ajuda-lo a furar alguns.

Todo dia lhe abriam um orifício, e no sétimo dia, morreu.

1 Raça de cão.

Você está lendo
07 – O Percurso Normal para Governadores e Reis
Próximo Capítulo
08 – Dedos dos Pés Unidos
Capítulo Anterior
06 – O Grande Supremo