25º Æthyr: VTI

Um capítulo de A Visão e a Voz

Banner

O Clamor do 25º Æthyr, Chamado VTI

Não há nada na pedra senão o pálido ouro da Rosa Cruz.

Agora surge um Anjo com asas brilhantes, que é o Anjo do 25º Ar. E todo o ar está oliva-escuro ao redor dele, como uma pedra de alexandrita. Ele segura um jarro ou ânfora. E agora surge outro Anjo sobre um cavalo branco, e novamente outro Anjo sobre um touro preto. E agora surge um leão e engole os dois últimos anjos. O primeiro anjo vai até o leão e fecha a boca dele. E atrás deles está enfileirada uma grande companhia de Anjos com lanças prateadas, como uma floresta. E o Anjo diz: Soprai todas as vossas trombetas, pois eu soltarei minhas mãos da boca do leão, e seu rugido inflamará os mundos.

Então as trombetas soam, e o vento aumenta e sibila terrivelmente. É um vento azul com ciscos prateados; e ele sopra por todo o Æthyr. Mas através dele, percebe-se o leão, que se tornou como uma chama enfurecida.

E ele rugiu em uma língua desconhecida. Mas esta é a interpretação do rugido: Que as estrelas sejam queimadas no fogo de minhas narinas! Que todos os deuses e os arcanjos e os anjos e os espíritos que estão sobre a terra, e acima da terra, e abaixo da terra, que estão em todos os céus e em todos os infernos, que eles sejam como mariposas dançando no feixe de luz de meu olho!

Eu sou aquele que engoliu a morte e a vitória. Eu assassinei o bode coroado, e bebi o grande mar. Como a cinza de folhas secas os mundos são soprados diante de mim. Tu passaste por mim, e não me conheceste. Ai de ti, que eu não te devorei completamente!

Sobre a minha cabeça está a coroa, 419 raios de longa ponta. E meu corpo é o corpo da Serpente, e minha alma é a alma da Criança Coroada. Embora um Anjo de túnicas brancas me conduz, quem irá montar sobre mim senão a Mulher das Abominações? Quem é a Besta? Não sou eu um mais do que ele? Em sua mão há uma espada que é um livro. Em sua mão há uma lança que é um cálice de fornicação. Sobre sua boca está o grande e terrível selo. E ele tem o segredo de V. Seus dez chifres saem de cinco pontos, e suas oito cabeças são como o cocheiro do Oeste. Assim o fogo do sol tempera a lança de Marte, e assim ele será adorado, como o senhor guerreiro do sol. No entanto, nele está a mulher que devora com a água dela todo o fogo de Deus.

Ai de mim! meu senhor, tu estás unido com aquele que não conhece estas coisas.

Quando chegará o dia em que os homens se arrebanharão neste meu portão, e cairão em minha furiosa garganta, um turbilhão de fogo? Ela é o inferno inextinguível, e todos eles serão completamente consumidos ali. Portanto aquele asbesto inconsumível será tornado puro.

Cada um de meus dentes é uma letra do nome reverberante. Minha língua é um pilar de fogo, e das glândulas de minha boca se erguem quatro pilares de água. TAOTZEM é o nome pelo qual eu sou blasfemado. Meu nome tu não conhecerás, a menos que tu o pronuncies e passe.

E agora o Anjo vem adiante novamente e fecha a boca dele.

Durante todo este tempo pesados sopros choviam sobre mim a partir de anjos invisíveis, de modo que eu suporto o peso como de um fardo maior do que o mundo. Eu sou completamente esmagado. Grandes pedras de moinho são arremessadas do céu sobre mim. Eu estou tento me arrastar até o leão, e o chão está coberto com facas afiadas. Eu me corto a cada polegada.

E a voz vem: Por que estás ali, tu que estás aqui? Tu não tens o sinal do número, e o selo do nome, e o anel do olho? Tu não irás.

E eu respondi e disse: Eu sou uma criatura da terra, e vós me farias nadar.

E a voz disse: Teu medo é conhecido; tua ignorância é conhecida; tua fraqueza é conhecida; mas tu não és nada nesta matéria. O grão que é atirado na terra pela mão do semeador deveria debater dentro de si, dizendo, sou aveia ou sou cevada? Escravo da maldição, nós não damos nada, nós tomamos tudo. Ficas contente. Aquilo que tu és, tu és. Ficas contente.

E agora o leão atravessa o Æthyr com a besta coroada em suas costas, e a cauda do leão segue ao invés de parar, e em cada pelo da cauda há alguma coisa ou outra — as vezes uma pequena casa, as vezes um planeta, em outras ocasiões uma vila. Então há uma grande planície com soldados lutando sobre ela, e uma montanha enorme donde foram esculpidos mil templos, e mais casas e campos e árvores, e grandes cidades com maravilhosas construções nelas, estátuas e colunas e prédios públicos no geral. Isso segue adiante e adiante e adiante e adiante e adiante e adiante e adiante — tudo nos pelos da cauda deste leão.

E então tem o tufo de sua cauda, que é como um cometa, mas a cabeça é um novo universo, e cada pelo saindo dela é uma Via Láctea.

E então há uma austera figura pálida, enorme, enorme, maior do que tudo o que o universo é, de armadura prateada, com uma espada e uma balança de escalas. Ela é muito vaga. Tudo se foi no cinza-da-pedra, vazio.

Não há nada.

Aïn El Hadjel.
25 de novembro de 1909, 8h40 às 9h40 da noite.

(Havia duas vozes em todo este Chamado, uma atrás da outra — ou, uma era a fala, e a outra o significado. E a voz que era a fala era simplesmente um rugido, um barulho tremendo, como uma mistura de trovão e cataratas e bestas selvagens e bandas e artilharia. E, no entanto, era articulada, embora eu não consiga dizer o que significava qualquer palavra. Mas o significado da voz — a segunda voz — era bastante silente, e colocava as ideias diretamente no cérebro do Vidente, como que por toque. Não há certeza se as pedras-de-moinho e os golpes-de-espada que choveram sobre ele não eram estes próprios sons e ideias.)


Traduzido por Alan M. W. Quinot em agosto de 2021.