7. O Ritual da Rosa-Cruz

Um capítulo de: O Manual de Um Ano: Doze Passos para a Iluminação Espiritual

Um ritual simples que emprega o traçado de um símbolo da Rosa-Cruz.

Passo 6:
O Ritual da Rosa-Cruz

Um novo tipo de trabalho será introduzidos a fim de evitar a possibilidade de tédio ou de cair no maçante hábito da rotina. A maioria dos trabalhos anteriores foi subjetiva. Agora no presente trabalho, o estudante fará seu primeiro experimento com a forma mais simples de um ritual onde as atividades tanto subjetiva quanto física são combinadas.

Sugiro que o estudante adquira algumas varetas de incenso. O tipo ou o perfume delas realmente não importam. Poder-se-ia visitar qualquer uma das lojas locais orientais ou psicodélicas, e experimentar uma variedade de incensos, finalmente selecionando aquele que lhe agrada mais.

O próximo passo é praticar com uma vareta de incenso, fazendo uma forma da cruz com um círculo dentro. A imaginação deve ser utilizada ao traçar  esta cruz que podemos chamar de Rosa-Cruz. Segure a vara de incenso com a mão direita acima do nível dos olhos e trace uma linha reta para baixo, parando mais ou menos à altura dos joelhos. Enquanto traça essa linha vertical, visualize-a em azul claro não muito diferente da cor produzida ao queimar álcool. Então traga o braço e a vareta à frente ao ombro esquerdo, movendo para o ombro direito. Isso também deve ser visualizado em azul claro, tão claramente quanto possível. Remova a vara de incenso da barra transversal e aponte-a para a barra vertical, a cerca de metade do caminho entre a barra transversal e o ponto de início da barra vertical. A partir deste ponto trace um círculo em movimento para a direita e para baixo e então para cima e para a esquerda para terminá-lo. Isso completa a Rosa Cruz. Ela deve parecer mais ou menos com isso na imaginação:

Dois nomes sagrados devem ser pronunciados ou vibrado no processo de traçar essa figura. Ambos são de origem cabalística, datando da Idade Média. Embora ambos sejam variantes do nome de Jesus na língua hebraica, o significado e o simbolismo exato do nome não são de nenhum interesse para nós neste momento. Os nomes são: YEHESHUAH e YEHOVASHAH. O primeiro nome deve ser vibrado ao traçar a cruz – ou seja, nas linhas retas e transversais, e o segundo nome deve ser expresso durante a formação do círculo. Pratique fazer a cruz na maneira descrita acima e vibrando os dois nomes até que não haja dúvida nem por um momento quanto a o que você está fazendo. Quando tiver habilidade, você poderá prosseguir com o ritual completo.

Vire-se para o Leste. Coloque o incenso aceso sobre o altar ou mesa diante de você. Levante e estenda os seus braços abertos, formando uma cruz.

1. Entoe a seguinte invocação.

Eu sou Ele! O Espírito Não Nascido! Tendo visão nos pés!

Forte e o Fogo Imortal!

Eu sou Ele! A Verdade!

Eu sou Ele! Que odeia que o mal deva ser lavrado no Mundo!

Eu sou Ele, que relampeia e troveja.

Eu sou Ele, de Quem é o jorrar da Vida da Terra.

Eu sou Ele, Cuja boca sempre flameja:

Eu sou Ele, o Progenitor e Manifestador ante a Luz.

Eu sou Ele, a Graça do Mundo!

“O Coração Cingido com uma Serpente” é o meu nome! Venha e siga-me, e faça com que todos os espíritos se sujeitem a mim: de modo que todo espírito do Firmamento e do Éter, sobre a Terra e sob a Terra; na terra seca ou na Água; do Ar Rodopiante e do Fogo impetuoso, e todo Encanto e Flagelo de Deus, o Vasto, sejam obedientes a mim.

Abaixe os braços. Pare e reflita sobre o significado intrínseco à invocação.

2. Estenda o braço direito para frente e com a vara de incenso acesa, trace a primeira Rosa-Cruz no Leste. Vibre suavemente, mas poderosamente, os dois nomes sagrados.

3. Apontando a vareta de incenso para o centro da Cruz, mova-a para a direita, e de frente para o Sul, trace outra Rosa-Cruz, vibrando os mesmos nomes.

4. Apontando a vara de incenso para o centro da Cruz, mova-a para a direita, e de frente para o Oeste, trace outra Rosa-Cruz, vibrando os mesmos nomes.

5. Apontando a vara de incenso para o centro da Cruz, mova-a para a direita e de frente para o Norte, trace outra Rosa-Cruz, vibrando os mesmos nomes.

6. Apontando a vara de incenso para o centro da Cruz, mova-a para a direita, retornando assim para o Leste, e introduza a vara de incenso no centro da Rosa-Cruz do Leste que foi traçada antes, com isso completando o círculo.

7. A partir deste ponto, levante o braço e a vara de incenso para o teto, movendo-se para o Oeste, mas parando a meio caminho entre o Oeste e o Leste. Trace em direção ao teto outra Rosa-Cruz, vibrando os mesmos dois nomes.

8. Prossiga para o Oeste, tocando imaginativamente o centro da Rosa-Cruz já feita. Em seguida, abaixando o braço e vara de incenso, volte para o Leste, mas parando no centro, apontando para o chão, trace outra Rosa-Cruz e vibre os mesmos dois nomes.

9. Avance para o Leste, tocando imaginativamente o centro da Rosa-Cruz previamente feita.

10. A partir daqui, vá para a direita, para o Sul. Levante o braço e a vara de incenso para o teto, movendo-se para o Norte, mas parando a meio caminho entre o Sul e o Norte. Trace em direção ao teto outra Rosa-Cruz, vibrando os mesmos dois nomes.

11. Prossiga para o Norte, tocando imaginativamente o centro da Rosa-Cruz já feita. Então abaixe o braço e a vara de incenso, volte para o Sul, mas parando no centro. Apontando para o chão, trace outra Rosa-Cruz e vibre os dois nomes.

12. Avance para o Sul, tocando imaginativamente o centro da Rosa-Cruz já feita.

13. Estes gestos terão resultado no traçado do símbolo do Rosa-Cruz em toda a sua volta, em cada quarto cardinal, acima e abaixo de você. Do Sul, estenda o braço e a vara de incenso e ande movendo-se para a direita, de volta para o Leste, completando o círculo do lugar.

14. Então proceda com a segunda parte da invocação, estendendo os braços na forma de uma cruz:

À Ti, Único Sábio, Único Poderoso e Único Eterno, seja o Louvor e a Glória para sempre,

Que me permitiu adentrar até aqui no Santuário de Teus Mistérios,

Não a mim, mas ao Teu Nome seja a Glória.

Que a influência de Teus Divinos desça sobre minha cabeça e me ensine o valor do auto sacrifício para que eu não retroceda na hora do julgamento. Mas que assim o meu nome seja escrito nas alturas e meu Gênio permaneça na presença do Santo, na hora em que o Filho do Homem for invocado diante do Senhor dos Espíritos e Seu Nome na presença do Ancião de Dias.

15. Abaixe os braços, e sente-se calmamente em uma cadeira no centro do círculo. Alcance o relaxamento e a respiração rítmica pelo uso do comando de reflexo condicionado. Uma vez que o relaxamento ocorra, medite sobre o significado do ritual e das invocações de abertura e de fechamento.

Este Ritual deve ser feito duas vezes por dia durante o mês atual. Ele nunca deve ser feito às pressas ou superficialmente, mas de forma lenta, solene e reverente. O estudante deve reservar pelo menos meia hora para a execução do ritual seguido por sua meditação relacionada.

Ritual da Rosa-Cruz


Traduzido por Frater S.R.