Maestria

Um capítulo de: Pequenos Ensaios em Direção à Verdade

O caminho do amor thelêmico e a iniciação.

Maestria

O objetivo daquele que deseja ser Mestre é único; os homens chamam isso de Ambição Pessoal. Ou seja, ele quer que seu Universo seja o mais vasto e o controle dele seja o mais perfeito possível.

Poucos falham ao entender esse objetivo; mas muitos falham na formulação de sua campanha para alcançá-lo. Alguns, por exemplo, enchem a bolsa com ouro das fadas, e quando tentam usá-lo, descobrem que são folhas secas. Outros tentam governar o universo de outrem, sem perceber que não podem nem mesmo ter verdadeira percepção dele.

O método apropriado de estender o universo de alguém, além do aparato convencional da Ciência material, é tripartido: evocação, invocação e visão. O controle é uma questão de conhecimento teórico e prático das Fórmulas Mágicas, mas notavelmente também de Autodisciplina. A base deve ser consolidada e todas as contradições resolvidas em harmonias superiores, através dos diversos Transes.

De fato, muitas coisas são óbvias sob uma consideração superficial; então é estranho que tão poucos Magistas deem o próximo passo na investigação quanto à disponibilidade do Instrumento. Realmente, é um egoísmo míope presumir que o seu Self certamente encontrará o meio adequado à disposição para sua próxima aventura.

Aqui a Memória Mágica é de virtude maravilhosa para corrigir a perspectiva; pois quantas vezes no passado a vida de uma pessoa foi um fracasso completo devido à mera falta de meios adequados de autoexpressão? E quem entre nós pode ficar realmente satisfeito (hoje em dia, sabendo o que fazemos) mesmo com o mais perfeito instrumento humano?

Portanto, não é nada mais do que simples bom senso que o Magus formule seu objetivo político geral em alguns termos como estes:

Garantir a maior liberdade possível de autoexpressão para o maior número possível de Pontos-de-Vista.

De cujo tema o aspecto prático pode ser expresso da seguinte forma:

Melhorar a raça humana de todas as maneiras concebíveis, de modo a ter à disposição para o serviço a maior variedade possível dos melhores Instrumentos imagináveis.

E esta é a justificativa racional do aforismo aparentemente imbecil e muitas vezes sentimental e hipócrita:

Ame todos os Seres! Sirva à Humanidade!

Ou seja, no plano político; pois também essas duas frases contêm (1) a Fórmula Mágica que é a Chave da Invocação e do Transe (2) a injunção implícita para tornar claro o Caminho do Magista pelos Céus pela correta disposição de cada Estrela. A palavra “servir” é de fato enganosa e questionável: ela implica uma atitude falsa e desprezível. A relação entre os homens deve ser o respeito fraterno que se obtém entre nobres estranhos. A ideia de serviço ou é verdadeira e humilhante; ou falsa e arrogante.

A armadilha mais comum e fatal que ameaça o homem que começou a estender seu Universo além do mundo da percepção sensorial é chamada de Confusão dos Planos. Para aquele que percebe o Todo-Um, e que sabe que distinguir entre quaisquer duas coisas é o erro básico, deve parecer natural e até correto realizar o que parecem forçosamente Atos de Amor entre ideias incongruentes. Ele tem a Chave dos Idiomas: por que então ele, o inglês, não deveria se valer dela para falar em hebraico sem aprendê-lo? O mesmo problema se apresenta diariamente em uma miríade de formas sutis. “Comande essas pedras a se tornarem pães”. “Atira-te do pináculo do Templo: como está escrito: ‘Ele encarregará seus anjos de ti, para te guardar em todos os teus caminhos’.” — Estas últimas quatro palavras lançam luz sobre a névoa de Choronzon — Restrição a ele em Nome de Babalon! Pois “seus caminhos” são os caminhos da Natureza, que estabeleceu entre os planos uma relação bem ordenada; deformar este dispositivo não é, e não poderia ser, o “teu caminho”. O Ato de Amor, assim aparentando, é um falso gesto; pois tal amor não é “amor sob vontade”. Esteja bem ciente, ó tu que procuras alcançar a Maestria, de não fazer nada “milagroso”: o sinal mais certo do Mestre é este, de que ele é um homem de paixões semelhantes às de seus companheiros. Ele realmente transcende todas elas, e as torna todas em perfeições: mas ele faz isso sem supressão (pois “Tudo o que vive é santo”) ou distorção (pois “Toda Forma é um verdadeiro símbolo da Substância”) ou confusão (pois “Mistura é ódio como União é amor”). Iniciação significa Viagem em direção ao Interior: nada é alterado ou pode ser alterado; mas tudo se torna mais verdadeiramente compreendido a cada passo. O Magus dos Deuses, com Sua única Palavra que parece derrubar a carruagem da Humanidade em ruína, de fato não destrói ou mesmo altera nada; Ele simplesmente fornece um novo modo de aplicar a Energia existente às Formas estabelecidas.

A invenção das máquinas elétricas não interferiu de forma alguma com a Matéria ou com o Movimento; só nos ajudou a livrarmo-nos de certos aspectos da Ilusão de Tempo e Espaço, e assim trouxe as mentes mais inteligentes ao limiar da Doutrina Mágica e Mística: elas foram forçadas a imaginar a possibilidade da percepção do Universo como ele é, livre de condições. Ou seja, eles tiveram um vislumbre da natureza da Consecução da Maestria. E certamente é apenas um pequeno passo para os líderes da Ciência natural, sendo a Matemática sua estrela-guia, que eles devam entender a necessidade compulsória da Grande Obra, e dedicar-se à sua realização.

Aqui, os grandes obstáculos são estes; em primeiro lugar, a incompreensão do Self; e em segundo lugar, a resistência da mente racional contra suas próprias conclusões. Os homens devem se livrar dessas duas restrições; eles devem começar a perceber que o Self está oculto atrás, e de maneira independente, do instrumento mental e material no qual apreendem seu Ponto-de-Vista; e devem buscar um instrumento diferente daquele que insiste (com cada observação) em impingir sobre eles aquilo que é apenas sua falha e erro mais odioso, a ideia de dualidade.

O Êon de Hórus está aqui: e sua primeira flor pode muito bem ser esta: que, livres da obsessão da condenação do Ego na Morte, e da limitação da Mente pela Razão, os melhores homens novamente partiram com olhos ansiosos no Caminho dos Sábios, a trilha do bode na montanha, e então a Cordilheira inexplorada, que leva aos pináculos cintilantes de gelo da Maestria!


Traduzido por Alan M. W. Quinot

Você está lendo
Maestria
Próximo capítulo em breve!
Transe
Capítulo Anterior
Indiferença
Gostou deste artigo?
Contribua com a nossa biblioteca
Doe via