A Peleja Alquímica de Irmão Perardua

que ele travou com as sete lanças

(Ilustração da próxima página: Litografia multicor ou placa de metal trabalhada, com efeito de aquarelas lisas com impressão sobreposta em preto plano pesado e metálico. As cores incluem o branco, prata metálico, ouro metálico, laranja queimado, vermelho chinês, azul acinzentado, castanho médio embotado (sempre associado com o ouro), palha amarela e veridiana fosco. Há sete figuras em uma área preto fosco: Na parte superior direita há uma figura semelhante à Urizen de William Blake, mas não carregando um compasso. A figura mostra uma cabeça, braços e ambas as partes do tronco ou joelho esquerdo (escondido pela barba). Há um radial de pétalas de prata acentuadas no branco por trás da cabeça (apenas cinco são visíveis claramente, mas partes de outras duas surgem das mechas de cabelo). O cabelo da cabeça surge horizontalmente em estrias, em quatro ou mais mechas de ouro e prata sobre fundo branco, acentuado em preto. O rosto tem os olhos fechados, feito em vermelho-alaranjado pontilhando para a carne (cor) com as características definidas em ouro e prata. Os braços se estendem para fora e ligeiramente para baixo, em prata acentuados por ouro sobre fundo branco. As mãos são exibidas ao lado, os polegares para a frente e as palmas viradas para baixo, sugerindo garras de caranguejo. A barba é traçada para a esquerda na foto, e é produzida em prata sobre o branco, acentuado principalmente em ouro, mas com alguns traços de preto próximo ao queixo. Esta figura emerge por detrás e acima de uma fita em queda livre produzida em estrias e voltas marrom-dourado. O alfabeto hebraico é produzido em prata sobre a fita, começando no canto superior esquerdo com Tau e terminando logo acima da ponta do ornamento com Aleph, assim: Tau Shin, enrola para cima, Resh até Peh, enrola para baixo, corre por trás, enrola até a frente, Ayin até Nun, desloca-se para a esquerda, passa por trás, enrola para a frente, Kaph à esquerda, Yod ao centro, Tet à direita, desloca-se para a esquerda e para trás, Lamed, fita por sobre o nível seguinte, onde está Mem à esquerda, do outro lado à direita está Chet, na dobra abaixo está Zain enrolando para a direita acima do topo de uma diagonal, rola para baixo e para o fundo seguindo o mesmo sentido, Vav à esquerda e Heh à direita, enrola para baixo, onde por trás há uma dobra frontal, enrolando a partir da esquerda, para baixo à frente e à direita onde está gravada pelas letras hebraicas da esquerda para a direita: Dalet até Aleph, abaixo deste a fita gira em um chifre espiral descendente à esquerda dando duas voltas até o fim. ---- tente ler agora em um só fôlego! Disposta na margem direita em uma coluna ocupando a parcela central da borda está uma fileira de sete estrelas de prata de sete pontas cada, do fim ao topo. No canto inferior direito, logo acima da ponta da cauda da serpente (descrita abaixo) há um leão de estilo assírio entre duas crescentes arqueadas para fora. A crescente inferior é dourada e a única pata traseira visível do leão repousa sobre o centro da crescente. A crescente superior é prateada e é agarrada pela pata esquerda do leão disposta no chifre inferior. O rosto do leão é direcionado ao centro da crescente, mas não tocando-o. A pata direita do leão toca a terça parte inferior desta crescente somente com a garra. Essas duas crescentes estão tão alinhados que as pontas de seus chifres poderiam ser conectados por linhas paralelas a cerca de 45 graus na horizontal, da superior para a esquerda e da inferior para a direita. O leão é verde sobre branco com detalhes em ouro, cauda curvada para cima em forma crescente e detalhada em ouro. Os olhos são vermelhos e a língua se estende em vermelho também. Há detalhes pretos sobre os contornos da juba e abaixo do queixo. Na parte inferior esquerda, emoldurado pela serpente na esquerda e abaixo, há um touro alado assírio, visto de lado e virado para a direita. Os quartos dianteiros estão apoiados em uma esfera de prata, enquanto os quartos traseiros estão apoiados em um cubo de ouro em projeção paralela (tridimensional) com a face maior para o canto inferior esquerdo. A cabeça do rei assírio é coroada e barbada, como de costume, e colorida em laranja e ouro sobre amarelo. Há dois chifres de prata surgindo da parte de trás da cabeça e angulando para cima, um pouco acima e além das têmporas --- os chifres são como os de touro, porém invertidos, e apenas ligeiramente curvos. As asas formam um maço, mais abaixo da parte de trás da pelagem, como um jornal acotovelado (angulado) e naturalmente enraizado. Estas asas mostram-se apenas frontalmente, são feitas em azul e dourado sobre branco e tem a forma usual invertida do touro assírio. Elas são inteiramente tão grossas quanto o corpo e estendem-se acima dele. Os quartos dianteiros são leoninos, em vermelho e dourado sobre alaranjado. Os quartos traseiros são taurinos, em marrom acinzentado sobre branco. O touro é macho, com uma cauda taurina pendurada até abaixo do casco. Os cascos traseiros são de ouro. A "sela" do touro é feito em placas laranja sobre ouro. Passando por baixo e pelo lado esquerdo há uma serpente predominantemente vermelho-alaranjada com as rótulas amarelas divididas pelo laranja. As escamas nas costas são representadas por pontos vermelhos sobre laranja e definidas por prata e vermelho. Olhos em azul. Dentes como de cães em azul com preto. O corpo faz sete voltas firmes separadas por arcos do lado esquerdo da ilustração, curva-se fazendo duas ondulações e meia na parte inferior e faz um arco em semicírculo para baixo no canto superior esquerdo. Chamas em amarelo e vermelho estão ligadas à cabeça da seguinte forma: Três chamas acentuadas em marrom-dourado na forma da letra hebraica Shin acima da cabeça, logo acima da testa e dos olhos. Uma chama da narina, inclinada para cima em direção ao topo central da placa. Uma chama acentuada em marrom-dourado pendurada no queixo, como a barba de um homem velho. Um traço de fogo em quatro direções descende em forma triangular abaixo da boca, e este é dividido por uma língua muito bifurcada em castanho dourado (divide-se a 1/8 polegadas da boca e estende-se uma polegada além do ponto de divisão), tal que os dois pontos externos da chama são separados dos dois interiores pela bifurcação. Um dodecagrama dourado (estrela de doze pontas) dentro de um anel está diretamente abaixo da cabeça da serpente, situado de tal forma que a língua da serpente emoldura o arco superior do anel e a cabeça da serpente aparece em curvatura média como um nêmeses sobre a roda de fortuna. O anel é dividido em doze faixas de prata e doze faixas marrom-dourado, com um símbolo zodiacal vermelho sobre cada faixa de ouro e prata, ouro no sentido anti-horário e prata no horário. A estrela no centro aponta para cada símbolo. Áries está no topo e o restante procede em sentido horário ao redor do anel. No centro há uma estrela encimada pelo olho no triângulo. A estrela se apresenta de dois modos: Uma grande estrela dourada de seis pontas estreitas com o ponto inicial apontado para cima e está acima de uma estrela menor de prata de seis pontas estreitas com duas pontas na horizontal. A estrela de prata e estrela de ouro criam uma espécie de bússola, e a estrela de prata tem suas pontas adornadas de ouro. O triângulo está centralizado na estrela dourada, equilátero e com o ápice ao topo. O triângulo é dourado com bordas prateadas. O olho é um Hórus esquerdo, dourado sobre branco. Há três lágrimas de prata contornadas em branco, dependendo dos vértices do triângulo e ofertadas em direção ao olho. Ao redor do olho, nos lados do triângulo e das lágrimas há três conjuntos de três raios brancos cada, eles não se tocam e o raio central em cada conjunto é muito curto. Esta ilustração acompanha o registro seguinte, que deve ser lido com ela no sentido horário a partir do canto superior direito. A ilustração é conhecida como "The Regimen of Seven" ("O Regime do Sete").)

CARL HENTSCHELL, LTD ENG; LONDON, E.C.

Ele mata Sir Argon o Preguiçoso.

Agora Irmão Perardua, embora não passasse de um Zelator da nossa antiga Ordem, estava determinado a realizar o Magnum Opus, e obter para si um grão do Poder, uma gota do Elixir, e a Tintura de Dupla Eficácia. Não havia compreendido totalmente o Mysterium de nossa Arte, por isso ele se impôs ao regime sete vezes doloroso. Pois sem o Sino de Electrum Magicum de Paracelso, como o adepto poderá dar um aviso de sua entrada aos Poderes do Trabalho?

No entanto nosso irmão, sendo de coração forte – pois ele havia sido um soldado em muitas terras distantes – começou logo com alegria. Sua cabeça que era grisalha pela velhice foi coroada com cinco pétalas do lótus branco, como se para indicar a pureza do seu corpo, e saiu para o lugar onde não há campo, nem qualquer sulco ali; e lá ele semeou um pergaminho que tinha vinte e duas sementes diversas.

Ele mata Sir Abjad o Sarraceno.

Nem com todo o seu cuidado e trabalho ele poderia reunir mais de sete plantas, que haviam brilhado na escuridão; e de cada planta brotou uma única flor que tem sete pétalas – alguém teria pensado que eram estrelas; para que não fossem verdadeiramente brilhantes e cintilantes, mas tão negras quanto onde elas cresceram que pareciam tão brilhantes quanto os sóis. E estas foram colocadas uma sobre a outra em uma única linha reta, de acordo com os sete centros da sua intenção, nu sobre ele, na tubulação oca que tem trinta e duas junções.

Ele mata Sir Amorex o Desejoso.

Estas plantas o irmão Perardua colheu, como que ordenando rituais místicos; e estas ele aqueceu furiosamente em seu alambique, mas com calor vegetal somente, enquanto ele os mantinha sempre úmidos, derramando-lhes de sua água lunar, do qual ele tinha três e setenta gotas restantes das oito e setenta que seu Pai havia lhe dado; e estas ele tinha carregado em cima de um camelo pelo deserto até este lugar onde agora estava, que é chamado de Oasis do Leão, mesmo porque o Regime em conjunto final é realizado sob a forma de um Leão.

Então, seu Leão estava fortemente sedento, e lambeu todo o orvalho. Mas o fogo serve igualmente para isso, ele não estava desconfortável.

Ele mata Sir Lionel Warder das Marchas.

Portanto, agora de fato, ele havia realizado a primeira questão para um passo de excelência além do humano; pois, sem problemas foi sua tintura, dessa forma, bonita. Primeiro, ele teve a coroa e os chifres de Alexandre, o rei poderoso; também tinha asas de fina safira; sua parte frontal era como o Leão, segundo o qual, de fato, participa da maior Virtude, e seus quartos traseiros eram como de um touro. Além disso, estava sobre a Esfera Branca e o Cubo Vermelho; e não é possível para qualquer Elixir de ultrapassar isso, a não ser pelo Nosso caminho e trabalho.

Ele mata Sir Merlin o Mago.

Então está nosso irmão Perardua – e agora ele estava certamente hábil no atanor! – determinado a atingir a maior Projeção de nossa arte. Assim, ele sutilmente elaborou um Dragão Vermelho, ou como alguns alquimistas tratam, uma Serpente de Fogo Voadora, a qual ele deve comer até que atinja sua Esfinge, que ele havia alimentado com engenho e cuidado.

Agora, este Dragão Vermelho tem sete espirais de fogo, próprias para as sete estrelas de prata. Também era sua cabeça certamente peçonhenta e gananciosa, e oito chamas estavam sobre ela; pois essa esfinge tinha duas asas e quatro patas e dois chifres; mas a Serpente é um, assim como o Rei é um.

Ele mata o Grande Dragão chamado Curvado ou Retorcido.

Agora, então, esse trabalho está totalmente queimado e anulado nesse calor tremendo que está na boca e na barriga do Dragão; e o que sai dela não é de modo algum o que estava dentro. Mas são esses doze os filhos dos dois e vinte. Então, quando ele havia quebrado a cucurbita, não encontrou nele nenhum traço do sete, mas um botão de ouro fundido – como costumamos dizer, pois não é de ouro...

Agora este botão tem doze faces, e vinte e quatro ângulos salientes e reentrantes; e Nossos irmãos Egípcios chamaram-no de Pavimento do Firmamento de Nu.

Ele mata o Rei Astur das Armas Argentas.

Agora, este metal não é de modo algum semelhante aos metais terrenos; deixem os irmãos bem atentos, para com os muitos falsos escudeiros estrangeiros. Três coisas podem ser de ouro: o ouro mineral do comerciante, que é impuro; o ouro vegetal que cresce da semente do pergaminho pela virtude do Leão; e o ouro animal que provêm do regime do Dragão, e este último é o único ouro negociável do Filósofo. Pois, veja, um Arcano! Conjuro-vos, mantenham este assunto em segredo; pois os irmãos vis, poderiam torná-lo divino, querem perverte-lo.

Este Ouro mineral não pode ser transformado em qualquer outra substância, por qualquer meio.

Este Ouro Vegetal é fluídico; ele deve aumentar maravilhosamente e será fixado na Perfeição da Esfinge.

Mas este nosso Ouro Animal é para este poderoso passo instável, pois não pode aumentar nem diminuir, nem pode continuar a ser o que é, ou o que parece ser. Pois assim como uma gota de vidro resfriado de forma desigual esfacela com um simples toque em uma miríade de partículas finas, assim também com um toque filosófico esse ouro dissolve seu ser, às vezes com uma grande e terrível explosão, às vezes tão suave e sutil que ninguém pode percebê-lo, sendo ele tão agudo como nunca, ou melhor, como uma agulha da agudeza ou da finura de um óculo dos necromantes!

No entanto, aqui jaz o cerne da questão, que nessa explosão citada nada restou, nenhuma das sete ou das doze ou das três sementes Mãe que se encontravam escondidos aí. Mas de uma certa maneira mística as Outras Dez são pressupostas, embora vagamente, como se a Serpente de Bronze tivesse se tornado uma Espada de Relâmpago. Mas isso é somente um símbolo; pois na verdade não existe qualquer ligação ou vínculo entre eles. Pois este ouro Animal passou despercebido; não há nenhum botão deste, nem qualquer pena das Asas da Esfinge, nem qualquer outra marca do Semeador ou da Semente. Mas naquele Relâmpago todos fizeram-se desaparecer completamente, e a Cucurbita e o Alambique e o Atanor foram totalmente desfeitos ... e aí surgiu o que ele havia se posto a buscar; sim, muito mais! um grão do Pó e três gotas do Elixir, e seis dracmas da Tintura de Dupla Eficácia.

... No entanto os irmãos zombavam dele; pois ele tinha ameaçado a si próprio de se ferir; de modo que à esta hora tem sido o nome do Perardua esquecido, e os que têm necessidade de falar sobre ele o dizem com certo sabor Non Sine Fulmine.


Traduzido por Phelipe Balisa