Banner

Quarta Palestra:
Āsana e Prāṇāyāma

Faze o que tu queres há de ser tudo da Lei.

1. Na semana passada, fomos embora sentindo que exaurimos o assunto. Nós nos livramos de maus caminhos, de maus cônjuges e do mau tempo. Estamos confortavelmente instalados ao sol, sem ninguém para nos incomodar. Não temos nada a fazer senão o nosso trabalho.

Sendo essa a nossa afortunada situação, podemos de maneira útil dedicar uma hora à consideração do nosso próximo passo. Lembremo-nos, em primeiro lugar, daquilo que decidimos ser a quintessência da nossa tarefa. Aniquilar a dividualidade. “Deem lugar para mim”, grita o poeta persa cujo nome esqueci, traduzido pelo tal de Fitzgerald, não Omar Caiam: “Deem lugar para mim naquele divã que não tem espaço para dois” – uma notável antecipação profética dos minúsculos flats de luxo.

Devemos unir o sujeito e o objeto da consciência no êxtase que logo se transformará, como veremos mais adiante, no mais sublime estado de indiferença, e então aniquilar tanto a festa da primeira parte mencionada quanto a festa da segunda parte mencionada acima. Isso evidentemente resulta em mais festas – quase se pode dizer festas com coquetéis – aumentando constantemente até chegarmos ao infinito, e aniquilamos isso, recuperando assim nosso Nada original. No entanto, esse Nada é idêntico ao original? Sim e Não! Não! Não! Mil vezes não! Pois, tendo cumprido todas as possibilidades daquele Nada original de manifestar-se em termos positivos, nós assim matamos para sempre todas as suas possibilidades de erro.

Sendo a nossa tarefa assim perfeitamente simples, não precisaremos da ajuda de um monte de Ṛṣis e Sanyāsīs nojentos. Não pediremos instrução a uma multidão de Arhats comidos por traças, a Bodhisattvas que mastigam bétele. Como dissemos no primeiro número do primeiro volume do The Equinox:

“Nós não confiamos em
Nenhuma Virgem ou Pombo;
Nosso método é ciência
Nosso objetivo é religião”

Nosso senso comum, conduzido pela experiência baseada na observação, será o suficiente.

2. Vimos que o processo do Yoga está implícito em todos os fenômenos da existência. Tudo o que temos que fazer é estendê-lo conscientemente ao processo do pensamento. Vimos que o pensamento não pode existir sem mudança contínua; tudo o que precisamos fazer é impedir que as mudanças ocorram. Toda mudança está condicionada ao tempo e ao espaço e a outras categorias; qualquer objeto existente deve ser suscetível de descrição por meio de um sistema de eixos coordenados.

Uma vez, no terrasse do Cafe des Deux Magots, foi necessário proclamar toda a doutrina do Yoga com o menor número possível de palavras “com um grito, e com a voz do arcanjo, e com a trombeta de Deus”. Primeira Epístola de São Paulo aos Tessalonicenses, Quarto Capítulo e Décimo-sexto Versículo. Eu assim fiz.

“Sente-se imóvel. Pare de pensar. Cale-se. Caia fora!”

As duas primeiras dessas instruções compreendem toda a técnica do Yoga. As duas últimas são de tal sublimidade que seria inadequado expô-las neste atual estágio elementar.

A injunção “Sente-se imóvel” destina-se a incluir a inibição de todos os estímulos corporais capazes de criar movimento na consciência. A injunção “Pare de pensar” é a extensão disso para todos os estímulos mentais. É desnecessário discutir aqui se a segunda pode existir separada da primeira. É no mínimo evidente que muitos processos mentais surgem de processos físicos; e assim estaremos ao menos percorrendo um pedaço da estrada se verificarmos o corpo.

3. Deixe-me divagar por um momento e afastar um mal-entendido que certamente ocorrerá a toda mente anglo-saxônica. A pior herança da emasculada escola de místicos é a abominável confusão mental que surge da ideia de que as funções e os apetites corporais têm alguma implicação moral. Isso é uma confusão dos planos. Não há discriminação verdadeira entre o bem e o mal. A única questão que surge é a de conveniência em relação a qualquer operação proposta. Toda a bagagem moral e religiosa das eras deve ser descartada para sempre antes de tentar o Yoga. Vocês logo descobrirão o que significa agir errado; de acordo com a nossa própria tese toda ação é errada. Qualquer ação é apenas relativamente certa, na medida em que pode nos ajudar a pôr fim a todo o processo de ação.

Portanto, as ações relativamente úteis são aquelas que contribuem para o controle, ou “virtude”. Elas foram classificadas, inteiramente sem poupar esforços, em enorme volume e com a maior complexidade; até tal ponto que, de fato, meramente permitir-se estudar a nomenclatura dos vários sistemas pode ter apenas um resultado: confundir seu cérebro pelo resto de sua encarnação.

4. Vou tentar simplificar. As principais categorias são:

  1. Āsana, geralmente traduzido como “postura” e
  2. Prāṇāyāma, geralmente traduzido como “controle da respiração”.

Essas traduções, como sempre, estão perfeitamente erradas e são inadequadas. O verdadeiro objetivo do Āsana é o controle do sistema muscular, consciente e inconsciente, de modo que nenhuma mensagem do corpo possa alcançar a mente. Āsana diz respeito ao aspecto estático do corpo. Prāṇāyāma na verdade é o controle do aspecto dinâmico do corpo.

Há algo um pouco paradoxal na situação. O objetivo do processo do Yoga é parar todos os processos, inclusive o próprio Yoga. Mas não é suficiente que o Yogī se dê um tiro, porque fazê-lo seria destruir o controle e assim liberar as energias que produzem dor. Não podemos entrar em uma discussão metafísica sobre o que é aquilo que controla, ou antes de sabermos onde estamos, seremos apanhados por hipóteses sobre a alma.

5. Vamos esquecer toda essa baboseira e decidir o que deve ser feito. Vimos que parar os processos existentes por um ato de violência é simplesmente liberar os elementos indesejáveis. Se queremos paz em Dartmoor[1], não abrimos as portas da prisão. O que fazemos é estabelecer rotina. O que é rotina? Rotina é ritmo. Se vocês querem ir dormir, vocês se livram de ruídos irregulares e inesperados. O que se quer é uma canção de ninar. Vocês imaginam carneiros passando por um portão, ou eleitores em uma estação de voto. Quando vocês se acostumam, até a regularidade dos motores de um trem ou de um navio a vapor acalmam. O que temos que fazer com as funções existentes do corpo é torná-las tão regulares, com lentidão cada vez maior, que nos tornamos inconscientes de sua operação.

6. Vamos tratar primeiro da questão do Āsana. Pode-se pensar que nada seria mais reconfortante do que se balançar ou receber uma massagem gentil. De certo modo, e até certo ponto, isso é verdade. Mas a atividade não pode continuar porque a fadiga sobrevém e, mais cedo ou mais tarde, o corpo protesta indo dormir. Portanto, desde o começo devemos nos determinar a reduzir o ritmo corporal ao mínimo.

7. Não tenho certeza se é filosoficamente defensável, se é logicamente justificável, afirmar os princípios do Āsana conforme eles ocorrem em nossa prática. Devemos romper com os nossos sorites[2], voltarmo-nos ao empirismo do experimento e confiar que um dia poderemos voltar do fato observado a uma metafísica coerente.

O ponto é que sentando imóvel, no sentido óbvio e literal das palavras, o corpo finalmente responde à exortação do grande Mahātmā Harry Lauder, “Pare de fazer cócegas, Jock![3]

8. Quando abordamos os detalhes do Āsana, somos imediatamente confrontados com o monte de lixo do pedantismo hindu. Constantemente nos aproximamos da atitude espiritual tradicional da falecida Rainha Vitória. Os únicos tipos de Āsana que oferecem o mais transitório interesse são aqueles dos quais eu não vou falar nada, porque eles não têm nada a ver com o tipo elevado de Yoga que estou apresentando a esta distinta audiência. Eu deveria me envergonhar em fazer o contrário. De qualquer forma, quem é que quer saber sobre essas posturas ridículas? Se há alguma diversão no assunto, é a diversão de descobri-las. Devo admitir que, se você começar com um problema como o de justapor a parte de trás de sua cabeça e ombros com a parte de trás da cabeça e dos ombros da outra pessoa em questão[4], a conquista produz certa satisfação. Mas eu penso que isso é na maior parte vaidade, e não tem nada a ver, como eu disse antes, com o que estamos tentando falar.

9. O valor das várias posturas recomendadas pelos professores do Yoga depende, em grande parte, da anatomia hindu e das teorias místicas relativas às propriedades terapêuticas e taumatúrgicas atribuídas a diversas partes do corpo. Por exemplo, se vocês puderem conquistar o nervo Uḍāna, vocês poderão caminhar sobre a água. Mas quem diabos quer caminhar sobre a água? Nadar é muito mais divertido. (Eu desconsidero os tubarões, arraias, chocos, enguias elétricas e piranhas. Também turistas, as belas banhistas[5] e o Sr. Lansbury.) Ou ainda, congelem a água e dancem sobre ela! Uma grande parte do esforço hindu parece consistir em descobrir o caminho mais difícil possível para alcançar o fim mais indesejável.

10. Quando vocês começarem a se enrolar com isso, verão que algumas posições são muito mais difíceis e inconvenientes do que outras; mas isso é só o começo. Se vocês mantiverem qualquer postura por tempo suficiente, terão câimbras. Eu não me lembro das estatísticas exatas, mas lembro que o esforço muscular feito por um homem que dorme pacificamente na cama é suficiente para levantar catorze elefantes por hora na estratosfera. De qualquer forma, lembro que é algo difícil de acreditar, até porque eu mesmo não acreditei.

11. Por que então devemos nos preocupar em escolher uma posição especialmente sagrada? Em primeiro lugar, queremos ficar estáveis e à vontade. Em particular, queremos poder fazer Prāṇāyāma nessa posição, se chegarmos ao ponto de tentar essa prática. Portanto, podemos formular (a grosso modo) as seguintes condições a serem desejadas na postura:

  1. Queremos ficar devidamente equilibrados.
  2. Queremos ficar com nossos braços livres. (Eles são usados em alguns Prāṇāyāmas.)
  3. Queremos que nosso aparato respiratório seja restringido o mínimo possível.

Agora, se vocês manterem esses pontos em mente, e não se distraírem com ideias completamente irrelevantes, como por exemplo imaginar que estão ficando mais santos adotando alguma posição tradicionalmente apropriada a uma divindade ou homem santo; e se vocês se absterem da abominação puritana de que qualquer coisa é boa para vocês, se doer o suficiente; vocês devem ser capazes de descobrir por si sós, depois de alguns experimentos, alguma postura que satisfaça essas condições. Eu prefiro muito mais que vocês façam isso do que me procurem esperando algum tipo de autoridade sem sentido. Eu não sou nenhum pukka sahib caçador de javalis – nem mesmo de Pune – para colocar meu hifenizado ha-ha sobre o B. Público[6]. Eu prefiro que vocês façam a coisa “errada” por si mesmos, e aprendam com seus erros, do que fazer “certo” porque o professor falou e atrofiar sua iniciativa e sua faculdade de aprender qualquer coisa.

No entanto, é perfeitamente compreensível que vocês devam ter alguma ideia do que acontece quando vocês se sentam para praticar.

12. Deixem-me divagar por um momento e referir ao que eu disse no meu manual sobre Magia[7] em relação à fórmula de IAO. Esta fórmula cobre todo o aprendizado. Você começa com uma sensação deliciosa de uma criança com um novo brinquedo; você fica entediado e tenta quebrá-lo. Mas se você for uma criança sábia, você tem uma atitude científica em relação ao brinquedo, e você não o quebra. Você passa pelo estágio do tédio e levanta do inferno da tortura em direção ao estágio da ressurreição, quando o brinquedo se tornou um deus, declarou a você seus segredos mais íntimos e se tornou uma parte viva de sua vida. Não há mais essas reações cruas e selvagens de prazer e dor. O novo conhecimento é assimilado.

13. Assim é com Āsana. A postura escolhida lhe atrai; você ronrona com autossatisfação. Quão esperto você foi! Quão bem a postura atende a todas as condições! Você absolutamente derrete de emoção com felicidade. Eu conheço alunos que foram traídos em gentilmente pensar que eram melhores do que o Professor! Está claro que há algo de errado nisso. Felizmente, o Tempo, o grande médico, está trabalhando como de costume; o Tempo não folga nos fins de semana; o Tempo não para e se admira; o Tempo segue em frente[8]. Logo vocês esquecem tudo sobre o prazer das coisas, e não seria nada educado lhes dar uma ideia do que vocês vão pensar do Professor.

14. Talvez a primeira coisa que vocês percebam é que, embora tenham começado no que aparentemente é a posição mais confortável, há uma tendência dessa posição mudar sem informá-los. Por exemplo, se você estiver sentado na posição de “deus” com os joelhos juntos, em alguns minutos você descobrirá que eles se moveram levemente, sem que você percebesse. Freud sem dúvida informaria que isso se deve a uma exacerbação instintiva de infantis teorias sexuais. Espero que ninguém aqui me incomode com esse tipo de bobagem nauseante.

15. Agora, para manter uma posição, é necessário prestar atenção nela. Ou seja: vocês vão se tornar conscientes do seu corpo de maneiras que vocês não estão conscientes se estiverem envolvidos em alguma atividade mental absorvente, ou mesmo em alguma atividade puramente física, como correr. À primeira vista parece paradoxal, mas o exercício violento, longe de concentrar a atenção no corpo, a afasta. Isso porque o exercício tem seu próprio ritmo; e, como eu disse, o ritmo está na metade do caminho até o Silêncio.

Muito bem então; na relativa quietude do corpo, o estudante perceberá sons diminutos que não o perturbavam em sua vida cotidiana. Pelo menos não quando sua mente estava ocupada com assuntos de interesse dela. Vocês começarão a inquietar-se, a ter coceiras, a tossir. Possivelmente sua respiração começará a aplicar truques a vocês. Todos esses sintomas devem ser reprimidos. O processo de reprimi-los é extremamente difícil; e, como todas as outras formas de repressão, leva a um terrível exagero dos fenômenos que pretende reprimir.

16. Há muitos pequenos truques, que são familiares para a maioria das pessoas da ciência, desde seus dias de estudante. Alguns deles são muito significativos nessa conexão do Yoga. Por exemplo, em termos de resistência, como segurar um peso a uma distância de um braço, geralmente você pode vencer um homem mais forte que você. Se você prestar atenção ao seu braço, você provavelmente se cansará em um minuto; se você fixar sua mente resolutamente em outra coisa, pode continuar por cinco minutos ou dez, ou até mais. É uma questão de ativo e passivo; quando o Āsana começa a incomodá-lo, a resposta é incomodá-lo de volta, confrontar o pensamento passivo de aliviar a irritação e a perturbação com o pensamento ativo de controlar o diminuto movimento muscular.

17. Não acredito que existam quaisquer regras para fazer isso que sejam de alguma utilidade para vocês. Existem inúmeros pequenos truques que vocês podem tentar; só que, como no caso da postura, é melhor se vocês inventarem seus próprios truques. Mencionarei apenas um: enrolem a língua para trás em direção à úvula, e ao mesmo tempo façam os olhos convergirem em direção a um ponto imaginário no centro da testa. Há todo tipo de santidade indicada nessa posição, e inúmeros precedentes por parte das divindades mais respeitáveis. Por favor, esqueçam todo esse absurdo! A vantagem é simplesmente que sua atenção é forçada a manter a posição incômoda. Vocês se tornam conscientes mais cedo do que o normal sobre qualquer relaxamento; e assim vocês mostram ao resto do corpo que não adianta tentar perturbá-los com sua irritabilidade.

Mas não há regras. Eu disse que não havia, e não há. Só a mente humana é tão preguiçosa e inútil que é um instinto positivo tentar encontrar alguma esquiva para escapar do trabalho duro.

Esses truques podem ajudar ou podem atrapalhar; cabe a vocês descobrirem quais são bons e quais são ruins, o porquê e o quê e todas as outras perguntas. Tudo dá na mesma coisa no final. Há apenas uma maneira de acalmar o corpo a longo prazo: mantê-lo imóvel. É ser obstinado como ele.

18. As irritações se desenvolvem em extrema agonia. Qualquer tentativa de aliviá-las simplesmente destrói o valor da prática. Devo particularmente alertar o aspirante contra a racionalização (conheci pessoas que eram tão irremediavelmente idiotas que racionalizavam). Eles pensavam: ‘“Ah, bem, essa posição não é tão adequada para mim quanto eu achei que era. Eu fiz uma bagunça com a posição do Íbis; vou tentar a posição do Dragão”. Mas o Íbis persistiu e alcançou sua divindade ao ficar de pé sobre uma perna ao longo dos séculos. Se você for para o Dragão, ele vai devorá-lo.

19. É através da perversidade da natureza humana que a agonia mais aguda parece ocorrer quando você está a um dedo de distância do sucesso. Lembrem-se de Galípoli! Estou inclinado a pensar que pode ser uma espécie de sintoma que alguém esteja próximo do ponto crítico quando a angústia se torna intolerável.

Vocês provavelmente perguntarão o que “intolerável” significa. Eu respondo de maneira rude: “Descubram!” Mas, afinal de contas, pode lhes dar alguma ideia do que é se eu disser que nos últimos meses do meu próprio trabalho eu costumava levar dez minutos (depois da prática) para esticar minha perna esquerda. Eu segurava o tornozelo com as duas mãos e aliviava uma fração de milímetro de cada vez.

20. Neste momento a banda começa a tocar. De repente, a dor para. Uma sensação inefável de alívio varre o Yogī – percebam que eu não o chamo mais de “estudante” ou “aspirante” – e ele se torna consciente de um fato muito estranho. Não apenas essa posição lhe causava dor, mas todas as outras sensações corporais que ele já experimentou na vida são da natureza da dor, e só foram suportadas por ele pelo expediente de constantemente alternar de uma para a outra.

Ele está à vontade; porque, pela primeira vez em sua vida, ele realmente se tornou inconsciente do corpo. A vida tem sido um sofrimento sem fim; e agora, no que diz respeito a este Āsana particular, a peste foi abatida.

Eu sinto que não consegui transmitir o significado completo disso. O fato é que as palavras são totalmente inadequadas. É impossível descrever o completo e alegre despertar do pesadelo ininterrupto e duradouro do desconforto físico.

21. Os resultados e o domínio do Āsana são úteis não apenas no curso da consecução do Yoga, mas também nos assuntos mais comuns da vida. A qualquer momento, quando estiver cansado, você só tem que assumir seu Āsana, e você ficará completamente descansado. É como se a obtenção do domínio tivesse esgotado todas as possibilidades de dor física inerentes àquela posição específica. Os ensinamentos da fisiologia não contradizem essa hipótese.

A conquista de Āsana contribui para a resistência. Se você mantiver a prática constante, deverá descobrir que cerca de dez minutos na postura descansam tanto quanto uma boa noite de sono.

Assim tratamos do obstáculo do corpo considerado como estático. Vamos agora voltar nossa atenção para a conquista de seu aspecto dinâmico.

22. É sempre agradável tratar de um assunto como o Prāṇāyāma. Prāṇāyāma significa controle da força. É um termo generalizado. No sistema hindu, há muitos substratos sutis das várias energias do corpo que receberam nomes e propriedades. Não proponho tratar de todos eles. Existem apenas dois que têm muita importância prática na vida. Um deles não deve ser comunicado ao público em um país podre como este; o outro é o bem conhecido “controle da respiração”.

Isso simplesmente significa que você arranja um cronômetro e escolhe um ciclo de expiração e inspiração do ar. Ambas as operações devem ser feitas o mais completamente possível. O sistema muscular deve auxiliar ao máximo na expansão e contração dos pulmões.

Quando vocês tornarem esse processo lento e regular, por exemplo, 30 segundos expirando e 15 inspirando, vocês podem adicionar alguns segundos em que o ar é retido, dentro ou fora dos pulmões.

(A propósito, dizem que a operação de expiração deve durar cerca de duas vezes mais do que a de inspirar, a teoria é que expirar rapidamente pode trazer uma perda de energia. Eu acho que isso faz sentido.)

23. Existem outras práticas. Por exemplo, poder-se-ia tornar a respiração o mais rápido e superficial possível. Qualquer boa prática provavelmente produzirá seus próprios fenômenos, mas de acordo com a tese geral destas palestras, acho que será óbvio que a prática apropriada terá como objetivo manter a respiração por um período tão longo quanto possível – porque essa condição representará a máxima aproximação possível da completa quietude do aparato fisiológico. Claro que não estamos parando-o; nós não estamos fazendo nada do tipo. Mas pelo menos estamos nos iludindo em pensar que estamos fazendo isso, e o ponto é que, de acordo com a tradição, se você conseguir manter a mente quieta por até doze segundos, obterá um dos maiores resultados do Yoga. É certamente um fato que quando você está fazendo um ciclo de 20 segundos de expiração, 10 de inspiração e 30 de retenção, há um período muito longo durante o período de espera, quando a mente tende a parar suas malignas operações. No momento em que este ciclo se tornar habitual, vocês serão capazes de reconhecer instintivamente a chegada do momento em que vocês podem se lançar repentinamente no ato mental de concentração. Em outras palavras, por Āsana e Prāṇāyāma, vocês trabalharam para chegar em uma posição onde vocês estão livres, mesmo que por apenas alguns segundos, para tentar os verdadeiros processos do Yoga, cuja tentativa era anteriormente impedida pelas atividades distrativas dos sistemas respiratório e muscular.

24. E aí? Sim. Prāṇāyāma pode ser descrito como diversão, pura e agradável. Ainda com pouco tempo de prática, é quase certo que coisas começarão a acontecer, embora isso, lamento observar, seja diversão para vocês, mas seja morte para o Yoga.

Os resultados físicos clássicos do Prāṇāyāma são geralmente divididos em quatro etapas:

(a) Transpiração. Esta não é a transpiração comum que advém de exercício violento; ela tem propriedades peculiares, e não vou lhes dizer quais são, porque é muito melhor que vocês realizem as práticas, obtenham a experiência e venham até mim com as informações vocês mesmos. Desta forma, vocês saberão que alcançaram a coisa certa, ao passo que, se eu lhes dissesse agora, vocês provavelmente a imaginariam.

(b) Rigidez automática: o corpo fica imóvel, como resultado de um espasmo. Isso é perfeitamente normal e previsível. É costumeiro fazê-lo com um cachorro. Você o coloca em uma redoma de vidro, bombeia oxigênio ou ácido carbônico ou algo assim, e o cachorro fica rígido. Você pode tirá-lo e balançá-lo segurando por uma perna como se ele estivesse congelado. Isso não é exatamente a mesma coisa, mas é próximo.

25. Os homens da ciência são terrivelmente deficientes em todas as investigações por terem sido treinados para ignorar o incomensurável. Todos os fenômenos têm qualidades sutis que são atualmente insuscetíveis a qualquer método científico adequado de investigação. Podemos imitar os processos da natureza no laboratório, mas a imitação nem sempre é exatamente idêntica ao original. Por exemplo, o Professor J. B. S. Haldane tentou algumas das experiências sugeridas no The Equinox relativas a Prāṇāyāma, e quase se matou no processo. Ele não viu a diferença entre o experimento com o cão e os fenômenos que sobrevêm como o clímax de um curso de operação suave. É a diferença entre a alegria produzida ao sorver um vinho Clos de Vougeot de dez anos e a loucura de encher a cara com whisky de milho. É a mesma tolice de pensar que cheirar cocaína é um processo mais saudável do que mastigar folhas de coca. Eles exclamam que a cocaína é quimicamente pura! A cocaína é o princípio ativo! Nós certamente não queremos essas folhas desagradáveis, onde a nossa droga sagrada se mistura com um monte de coisas vegetais que desafiam a análise, e que não podem ter qualquer utilidade por essa razão! Essa rigidez automática, ou Sūkshma Kumbhaka, não é meramente definida como a ocorrência de rigidez fisiológica. Esse é apenas o sintoma mais grosseiro.

26. O terceiro estágio é marcado por Bhūcarī Siddhi: “o poder de pular como um sapo” seria uma tradução grosseira dessa palavra fascinante. Este é um fenômeno muito extraordinário. Você está sentado no chão e começa a ser levantado para aqui e ali, assim como as folhas secas são levadas pela brisa. Isso de fato acontece; você está mentalmente bastante normal e pode se ver fazendo isso.

A explicação natural é que seus músculos estão fazendo movimentos espasmódicos curtos muito rápidos sem que você tenha consciência do fato. O cão nos ajuda novamente fazendo contorções semelhantes. Contra isso, pode-se argumentar que sua mente parece perfeitamente normal. No entanto, há um ponto particular de consciência, a sensação de perda quase total do peso. A propósito, isso pode soar um pouco alarmante para o alienista instruído. Há um sentimento semelhante que ocorre em certos tipos de insanidade.

27. O quarto estado é a Levitação. Os hindus afirmam que “saltar como um sapo” implica uma perda de peso genuína, e que o salto é principalmente lateral porque você não aperfeiçoou o processo. Se você estivesse absolutamente equilibrado, eles afirmam que você subiria silenciosamente no ar.

Eu não sei nada sobre isso. Eu nunca vi isso acontecer. Por outro lado, muitas vezes senti como se isso estivesse acontecendo; e em três ocasiões pessoas confiáveis, pelo menos comparativamente, disseram que viram isso acontecer comigo. Eu acho que isso não prova nada.

28. Estas práticas, Āsana e Prāṇāyāma, são, em certa medida, mecânicas e, nessa medida, é possível a um homem de extraordinária força de vontade, com muito tempo livre e sem empecilhos, fazer boa parte do trabalho do Yoga, até mesmo na Inglaterra. Mas eu devo aconselhá-lo a se ater estritamente à preparação puramente física, e de modo algum a tentar as práticas de concentração propriamente ditas, até que ele seja capaz de adquirir um ambiente adequado.

Mas que ele não imagine que, ao fazer essa indulgência excepcional, defenderei quaisquer maneiras desleixadas. Se ele decidir fazer, digamos, quinze minutos de Āsana duas vezes por dia, aumentando para uma hora quatro vezes ao dia, e Prāṇāyāma na mesma proporção, ele tem que se dedicar a isso – não se deve permitir que nenhum coquetel, partida de futebol ou funeral de conhecidos interfira com a rotina. O regime, a aquisição do hábito do controle, é uma coisa muito mais importante do que qualquer mero sucesso nas próprias práticas. Eu preferiria que vocês oscilassem pela hora inteira marcada do que permanecessem imóveis por cinquenta e nove minutos. O motivo disso só será aparente quando chegarmos à consideração do Yoga avançado, um assunto que pode ser adequadamente tratado em uma segunda série de quatro palestras. Apenas por pedido especial, e espero sinceramente que nada disso aconteça.

29. Antes de propor um voto de agradecimento ao palestrante por sua exposição extraordinariamente brilhante destes assuntos tão difíceis, eu gostaria de acrescentar algumas palavras sobre o assunto do Mantra-Yoga, porque este é na verdade um ramo do Prāṇāyāma, e um que é possível praticar bastante bem neste país. Eu o descrevi o suficiente, e com exemplos, na Parte I do Livro IV. Só preciso dizer aqui que seu uso constante, dia e noite, sem um momento de cessação, é provavelmente um método tão útil quanto se poderia encontrar de preparar a corrente de pensamento para assumir uma forma rítmica, e o ritmo é a grande cura para irregularidade. Uma vez estabelecido, nenhuma interferência o impedirá. Sua própria tendência natural é desacelerar, como um pêndulo, até o tempo parar, e a sequência de impressões que constitui nossas apreensões intelectuais do universo é substituída por aquela forma de consciência (ou inconsciência, se vocês preferirem, não que qualquer um destes dê a menor ideia do que se entende por isso) que é sem qualquer tipo de condição e, portanto, representa perfeitamente a consumação do Yoga.

Amor é a lei, amor sob vontade.


[1] «Uma cidade inglesa que possui um presídio de mesmo nome.»

[2] «O paradoxo do monte: se você remover grãos de areia de um monte, em que ponto ele deixa de ser um monte?»

[3] «“Stop your ticklin’, Jock!”, uma canção debochada de Harry Lauder.»

[4] In coitu, é claro. – Ed.

[5] «Bathing belles ou bathing beauties, um concurso de beleza organizado na época»

[6] Um Yeats-Brown. O que são Yeats? Browne, é claro, e Kennedy.

[7] «Magick, no original, uma palavra utilizada pelo autor para diferenciar a “mágica” de ilusionistas de circo da “magia”.»

[8] Um Grande Pensador uma vez disse: “O tempo marcha adiante”. Que frase feliz!


Traduzido por Alan M. W. Quinot em maio de 2019.