Banner

Segunda Palestra

Sr. Organizador, Sua Alteza Real, Sua Graça, meus senhores, senhoras e cavalheiros.

Faze o que tu queres há de ser tudo da Lei.

Na minha última palestra, eu os levei ao pântano da ilusão; sufoquei-os no lodo da ilusão; eu os deixei sedentos no deserto da ilusão; os deixei vagando na selva da ilusão, uma presa para todos os monstros que são os pensamentos. Me ocorreu que devo fazer algo a respeito disso.

Temos constantemente discutido entidades misteriosas como se soubéssemos algo sobre elas, e isso (sob exame) sempre acabou por não ser o caso.

2. O conhecimento em si é impossível, porque se tomarmos a proposição mais simples de conhecimento, S é P, devemos atribuir algum significado a S e a P, para que nossa afirmação seja inteligível. (Eu não disse nada sobre ser verdadeira!) E isso envolve definição. Agora, a proposição original da identidade, A = A, não nos diz nada, a menos que o segundo A nos forneça mais informações sobre o primeiro A. Portanto, diremos que A é BC. Em vez de um desconhecido, agora temos dois desconhecidos; temos que definir B como DE, C como FG. Agora temos quatro incógnitas e, muito em breve, teremos usado o alfabeto inteiro. Quando chegamos a definir Z, temos que voltar e usar uma das outras letras, de modo que todos os nossos argumentos são argumentos em círculo.

3. Qualquer afirmação que fizermos é demonstravelmente sem sentido. E mesmo assim queremos dizer alguma coisa quando dizemos que um gato tem quatro patas. E todos nós sabemos o que queremos dizer quando dizemos isso. Consentimos ou não com a proposição com base em nossa experiência. Mas essa experiência não é intelectual, como demonstrado acima. É uma questão de intuição imediata. Não conseguimos ter qualquer garantia dessa intuição, mas, ao mesmo tempo, qualquer argumento intelectual que a perturbe não abala nossa convicção.

4. A conclusão a ser tirada disso é que o instrumento da mente não é intelectual, nem racional. A lógica é meramente destrutiva, um brinquedo autodestrutivo. O brinquedo, no entanto, é de certa forma instrutivo, mesmo que os resultados de seu uso não suportem o exame. Então, nós criamos um regulamento de que os sorites específicos que aniquilam a lógica estão fora dos limites, e continuamos raciocinando dentro dos limites arbitrariamente designados. Sujeitos a essas condições, podemos seguir examinando a natureza de nossas ideias fundamentais; e isso é necessário, porque desde que começamos a considerar a natureza dos resultados da meditação, nossas concepções dos fundamentos do pensamento são decididas de uma maneira completamente diferente; não pela análise intelectual, que, como vimos, não sustenta convicção, mas pela iluminação, que sustenta convicção. Portanto, vamos examinar os elementos do nosso pensamento normal.

5. Mal preciso recapitular o teorema matemático que todos vocês sem dúvida abordaram profundamente quando estavam criticando a teoria da relatividade de Einstein. Eu só quero lembrar-lhes do elemento mais simples desse teorema; o fato de que, para descrever qualquer coisa, você deve ter quatro medidas. Deve estar a determinada distância a leste ou oeste, a determinada distância ao norte ou ao sul, a determinada distância acima ou abaixo, a partir de um ponto padrão, e deve ser antes ou depois de um momento padrão. Existem três dimensões de espaço e uma de tempo.

6. Agora, o que queremos dizer com espaço? Henri Poincaré, um dos maiores matemáticos da última geração, achava que a ideia de espaço foi inventada por um lunático, em um esforço fantástico (e evidentemente sem sentido e sem objetivo) de explicar para si mesmo a sua experiência com seus movimentos musculares. Muito antes disso, Kant nos disse que o espaço era subjetivo, uma condição necessária de pensamento; e enquanto todos devemos concordar com isso, é óbvio que isso não nos diz muito a respeito.

7. Agora vamos observar em nossas mentes e ver que ideia, se houver alguma, podemos formar sobre o espaço. Evidentemente, o espaço é um contínuo. Não pode haver qualquer diferença entre quaisquer partes dele, porque ele é totalmente onde. É puro pano de fundo, a área de possibilidades, uma condição de qualidade e, portanto, de toda consciência. Portanto, está completamente vazio em si. Está certo, senhor?

8. Agora suponham que queremos realizar uma dessas possibilidades. A coisa mais simples que podemos tomar é um ponto, e nos é dito que um ponto não tem nem partes nem magnitude, mas apenas posição. Mas, enquanto houver apenas um ponto, a posição não significa nada. Ainda não foi criada nenhuma possibilidade de qualquer afirmação positiva. Portanto, tomemos dois pontos e, a partir deles, temos a ideia de uma linha. Nosso Euclides nos diz que uma linha tem comprimento, mas não largura. Mas, enquanto houver apenas dois pontos, o próprio comprimento não significa nada; ou, no máximo, significa separação. Tudo o que podemos dizer sobre dois pontos é que existem dois deles.

9. Agora nós pegamos um terceiro ponto, e finalmente chegamos a uma ideia mais positiva. Em primeiro lugar, temos uma superfície plana, embora isso em si ainda não signifique nada, da mesma forma que o comprimento não significa nada quando há apenas dois pontos. Mas a introdução do terceiro ponto deu um sentido à nossa ideia de comprimento. Podemos dizer que a linha AB é maior que a linha BC, e também podemos introduzir a ideia de um ângulo.

10. Um quarto ponto, desde que não esteja no plano original, nos dá a ideia de um corpo sólido. Mas, como antes, isso nada nos diz sobre o corpo sólido como tal, porque não há outro corpo sólido com o qual possamos compará-lo. Nós também verificamos que não é realmente um corpo sólido de modo algum, porque é apenas um tipo instantâneo de ilusão. Não podemos observar, ou mesmo imaginar algo, a menos que tenhamos tempo para esse fim.

11. Então, o que é o tempo? É um fantasma, tão tênue quanto o espaço, mas as possibilidades de diferenciação entre uma coisa e outra só podem ocorrer de uma maneira e não de três maneiras diferentes. Nós comparamos dois fenômenos no tempo pela ideia de sequência.

12. Agora ficará perfeitamente claro para todos vocês que isso tudo é um absurdo. Para conceber o objeto mais simples possível, temos que continuar inventando ideias que, mesmo no orgulhoso momento de sua invenção, são vistas como irreais. Como podemos nos afastar do mundo da fantasmagoria para o universo comum dos sentidos? Vamos precisar de muito mais atos de imaginação. Temos que dotar nossas concepções matemáticas de três ideias que os filósofos hindus chamam de Sat, Cit e Ānanda, que geralmente são traduzidas como Ser, Conhecimento e Bem-aventurança. Na verdade, significam: Sat, a tendência de conceber um objeto como real; Cit, a tendência a fingir que ele é um objeto de conhecimento; e Ānanda, a tendência a imaginar que somos afetados por ele.

13. Somente depois de termos dotado o objeto dessa dúzia de propriedades imaginárias, cada uma delas sendo, além uma ilusão completa, uma noção absurda, irracional e autocontraditória, que chegamos ao mais simples objeto de experiência. E este objeto deve, é claro, ser constantemente multiplicado. Caso contrário, nossa experiência seria confinada a um único objeto incapaz de descrição.

14. Também temos que atribuir a nós mesmos uma espécie de poder divino sobre nossa criação tenebrosa, para que possamos comparar os diferentes objetos de nossa experiência em todos os tipos de maneiras diferentes. Incidentalmente, esta última operação de multiplicar os objetos permanece evidentemente inválida, porque (afinal de contas) começamos com o que era absolutamente Nada. A partir dele de alguma forma conseguimos obter não apenas um, mas muitos; mas, apesar de tudo, nosso processo seguiu a operação necessária de nossa máquina intelectual. Uma vez que essa máquina é a única máquina que temos, nossos argumentos devem ser válidos, em algum sentido ou outro, em conformidade com a natureza dessa máquina. Que máquina? Esse é um objeto perfeitamente real. Ele contém inúmeras partes, poderes e faculdades. E eles são tão tenebrosos quanto o universo externo que ela criou. Senhor Gad, Patañjali está certo!

15. Agora, como superamos essa dificuldade de ter algo surgindo do Nada? Apenas perguntando o que queremos dizer com Nada. Descobriremos que essa ideia é totalmente inconcebível para a mente normal. Pois se Nada é para ser Nada, deve ser Nada em todos os sentidos possíveis. (Claro, cada um desses caminhos é em si um algo imaginário, e há Aleph-Zero – um transfinito número deles). Se, por exemplo, dissermos que Nada é um triângulo quadrado, tivemos que inventar um triângulo quadrado para dizê-lo. Mas tomem um exemplo mais simples. Nós sabemos o que queremos dizer com “Há gatos na sala”. Nós sabemos o que queremos dizer quando dizemos “Nenhum gato está na sala”. Mas se dissermos “Nenhum gato não está na sala”, evidentemente queremos dizer que alguns gatos estão na sala. Esta observação não pretende ser uma reflexão sobre esta distinta plateia.

16. Então, se Nada realmente deve ser o Nada absoluto, queremos dizer que Nada não entra na categoria da existência. Dizer que o Nada absoluto existe é equivalente a dizer que tudo que existe, existe, e os grandes sábios hebreus do tempo antigo notaram este fato dando-lhe o título da ideia suprema de realidade (por trás de seu Deus tribal, Jeová, que, como nós já mostramos anteriormente, é apenas o Yoga dos 4 Elementos, mesmo no seu mais alto, – o Demiourgos) Eheieh-Asher-Eheieh, – eu sou o que sou.

17. Se existe algum sentido em tudo isso, podemos esperar encontrar um sistema de pensamento quase idêntico em todo o mundo. Não há nada exclusivamente hebraico sobre esta teogonia. Por exemplo, encontramos nos ensinamentos de Zoroastro e dos neoplatônicos ideias muito semelhantes. Nós temos um Pleroma, o vazio, um pano de fundo para todas as possibilidades, e isso é preenchido por um supremo Deus-Luz, de quem incitamos por sua vez os sete Arcontes, que correspondem intimamente às sete divindades planetárias, Aratron, Bethor, Phaleg e os demais. Estes, por sua vez, elegem um Demiurgo para criar matéria; e esse Demiurgo é Jeová. As ideias tanto dos gregos clássicos quanto dos neoplatônicos não são muito diferentes. As diferenças na terminologia, quando examinadas, se mostram como não muito mais do que as diferenças da conveniência no pensamento local. Mas tudo isso remonta à ainda mais velha cosmogonia dos antigos egípcios, onde temos Nuit, Espaço; Hadit, o ponto de vista; estes experimentam o congresso, e assim produzem Heru-Ra-Ha, que combina as ideias de Ra-Hoor-Khuit e Hoor-paar-Kraat. Estes são os mesmos gêmeos Vau e He final que conhecemos. Evidentemente, aqui está a origem do sistema da Árvore da Vida.

18. Chegamos a esse sistema por meio de exame puramente intelectual, e ele está aberto a críticas; mas o ponto que desejo trazer à sua atenção esta noite é que ele corresponde de perto a um dos grandes estados mentais que refletem a experiência do Samādhi.

Há uma visão de caráter peculiar que tem sido de importância fundamental em minha vida interior, e à qual faço constante referência em meus Diários Mágicos. Tanto quanto eu sei, não há descrição existente desta visão em qualquer lugar, e fiquei surpreso ao procurar em meus registros e descobrir que eu mesmo não havia a descrito claramente. Aparentemente, o motivo é que ela é uma parte tão necessária de mim que, inconscientemente, presumo que seja uma questão de conhecimento comum, assim como se supõe que todos sabem que possuem um par de pulmões e, portanto, se abstém de mencionar o fato diretamente, embora talvez aludam ao assunto com bastante frequência.

Parece essencial descrever essa visão da melhor forma possível, considerando a dificuldade da linguagem, e o fato de que os fenômenos envolveram contradições lógicas, sendo as condições da consciência diferentes daquelas que estão sendo obtidas normalmente.

A visão se desenvolveu gradualmente. Repetiu-se em tantas ocasiões que não posso dizer em que momento pode ser declarada completa. No entanto, o início está claro o bastante em minha memória.

19. Eu estava em um Grande Retiro Mágico em uma casa de campo com vista para o Lago Pasquaney em New Hampshire. Perdi a consciência de tudo, exceto de um espaço universal em que havia inúmeros pontos brilhantes, e percebi que se tratava de uma representação física do universo, no que eu posso chamar de estrutura essencial. Eu exclamei: “O nada, com centelhas!” Concentrei-me nessa visão, com o resultado de que o espaço vazio que havia sido o principal elemento dela diminuiu de importância. O espaço parecia estar em chamas, mas os pontos radiantes não eram confusos, e então terminei minha frase com a exclamação: “Mas que centelhas!”

20. O próximo estágio dessa visão levou a uma identificação dos pontos brilhantes com as estrelas do firmamento, com ideias, almas, etc. Percebi também que cada estrela estava conectada com a outra por meio de um raio de luz. No mundo das ideias, cada pensamento possuía uma relação necessária com cada outro pensamento; cada uma dessas relações é, naturalmente, um pensamento em si; cada um desses raios é em si uma estrela. É aqui que a dificuldade lógica primeiro se apresenta. O observador tem uma percepção direta de séries infinitas. Portanto, logicamente, parece que todo o espaço deve ser preenchido com uma chama homogênea de luz. No entanto, este não é o caso. O espaço está completamente preenchido, mas ainda assim as mônadas que o preenchem são perfeitamente distintas. O leitor comum pode exclamar que tais declarações exibem sintomas de confusão mental. O assunto exige mais do que um exame superficial. Não posso fazer mais do que indicar aos críticos o “Introdução à Filosofia da Matemática” de Bertrand Russell, onde a posição acima é completamente justificada, assim como certas posições que se seguem.

Quero que vocês observem em particular a surpreendente identificação final dessa experiência cósmica com o sistema nervoso, conforme descrito pelo anatomista.

21. Neste ponto, podemos muito bem ser levados a considerar mais uma vez o que chamamos de universo objetivo e o que chamamos de nossa experiência subjetiva. O que é a Natureza? Immanuel Kant, que fundou um sistema histórico de idealismo subjetivo, é talvez o primeiro filósofo a demonstrar claramente que espaço, tempo, causalidade (em suma, todas as condições de existência) não são mais que condições do pensamento. Eu tentei explicar isso de forma mais simples, definindo todos os predicados possíveis como tantas dimensões. Para descrever adequadamente um objeto, não é suficiente determinar sua posição no contínuo espaço-tempo de quatro dimensões, mas devemos investigar como ele se situa em todas as categorias e escalas, seus valores em todos os tipos de possibilidade. O que sabemos sobre ele em relação a seu verdor, sua dureza, sua mobilidade e assim por diante? E então descobrimos que o que imaginamos ser a descrição do objeto na verdade não é nada disso.

22. Tudo o que registramos é o comportamento de nossos instrumentos. O que nossos telescópios, espectroscópios e balanças nos dizem? E estes novamente dependem do comportamento de nossos sentidos; pois a realidade de nossos instrumentos, de nossos órgãos dos sentidos, necessita tanto de descrição e demonstração quanto os fenômenos mais remotos. E nos vemos forçados a concluir que qualquer coisa que percebemos é apenas percebida por nós como tal por causa de nossa tendência a assim percebê-la. E descobriremos que na quarta etapa da grande prática budista, Mahāsatipaṭṭhāna, nos tornamos direta e imediatamente conscientes desse fato em vez de retirá-lo dos bosques desses intermináveis sorites que nos atormentam! O próprio Kant colocou, da sua maneira: “As leis da natureza são as leis de nossas próprias mentes”. Por quê? Não é o conteúdo da mente que podemos perceber, mas apenas sua estrutura. Mas Kant não chegou até aqui. Ele teria ficado extremamente chocado se tivesse percebido que o termo final em seus sorites era “A razão em si é a única realidade”. Em um exame mais aprofundado, até mesmo essa verdade definitiva se revela sem sentido. É como a definição circular bem conhecida de um livro obsceno, que é: um livro que desperta certas ideias na mente do tipo de pessoa em quem tais ideias são excitadas por esse tipo de livro.

23. Percebo que meu excelente organizador está tentando sufocar um bocejo e convertê-lo em um sorriso, e ele me perdoará por dizer que acho o efeito um tanto sinistro. Mas ele tem todo o direito de ser sarcástico quanto a isso. Esses são, de fato, “velhos paradoxos para divertir as esposas em cervejarias”. Desde que a filosofia começou, foi sempre um dos jogos favoritos para provar que seus axiomas são absurdos.

Todos vocês naturalmente ficarão muito aborrecidos comigo por ceder a esses passatempos tolos, especialmente quando comecei com uma promessa de que trataria desses assuntos do pragmático ponto de vista científico. Perdoem-me se brinquei com esses fios brilhantes da teia do pensamento! Eu só estava tentado rasgá-la gentilmente para vocês. Eu prossigo varrendo, com a minha mão que é branca como lírio, todas essas coisas tênues e finas, “coisas como aquelas das quais os sonhos são feitos”. Vamos nos voltar para a ciência moderna.

24. Para leitura geral, não há melhor introdução do que The Bases of Modern Science, do meu velho e estimado amigo, o falecido J. W. N. Sullivan. Eu não quero detê-los por muito tempo com citações deste livro admirável. Eu prefiro que vocês mesmos o adquiram; vocês dificilmente poderiam fazer melhor uso do seu tempo. Mas vamos dedicar alguns momentos a suas observações sobre a questão da geometria.

“Nossas concepções de espaço como uma entidade subjetiva foram completamente abaladas pela descoberta de que as equações de Newton baseadas na geometria euclidiana são inadequadas para explicar os fenômenos da gravitação. Para nós é instintivo pensar em uma linha reta; é de alguma forma axiomático. Mas aprendemos que isso não existe no universo objetivo. Temos que usar outra geometria, a geometria de Riemann, que é uma das geometrias curvas. (Existem, é claro, tantos sistemas de geometria quanto axiomas absurdos para construí-los. Três linhas formam uma elipse: qualquer absurdo que você desejar: você pode construir uma geometria que seja correta desde que seja coerente. E não há nada certo ou errado sobre o resultado: a única questão é: qual é o sistema mais conveniente para descrever fenômenos? Achamos a ideia de Gravitação estranha: fomos para Riemann.)”

Isso significa que os fenômenos não estão ocorrendo sobre o pano de fundo de uma superfície plana; a superfície em si é curva. O que nós pensamos ser uma linha reta não existe de modo algum. E isso é quase impossível de conceber; pelo menos é impossível para mim visualizar. O mais próximo que se chega é tentando imaginar que você é um reflexo em uma maçaneta polida.

25. Sinto-me quase envergonhado do mundo todo por que tenho de lhes dizer que no ano de 1900, quatro anos antes do aparecimento do artigo de Einstein que sacudiu o mundo, descrevi o espaço como “finito, mas sem limites”, o que é exatamente a descrição em termos gerais do que ele deu em detalhes mais matemáticos[1]. Vocês perceberão imediatamente que essas três palavras descrevem uma geometria curva; uma esfera, por exemplo, é um objeto finito, mas você pode ultrapassar a superfície em qualquer direção sem nunca chegar ao fim.

Eu disse acima que a geometria de Riemann não era suficiente para explicar os fenômenos da natureza. Temos que postular diferentes tipos de curvatura em diferentes partes do contínuo. E mesmo assim não somos felizes!

26. Agora chamemos Sullivan ao palco!

“A geometria é tão geral que admite diferentes graus de curvatura em diferentes partes do espaço-tempo. Os efeitos gravitacionais se devem a essa curvatura. A curvatura do espaço-tempo é mais proeminente, portanto, em torno de grandes massas, pois aqui os efeitos gravitacionais são mais marcantes. Se considerarmos a matéria como fundamental, podemos dizer que é a presença da matéria que causa a curvatura do espaço-tempo. Mas existe uma escola de pensamento diferente que considera a matéria como sendo devida à curvatura do espaço-tempo. Ou seja, assumimos como fundamental um contínuo de espaço-tempo que se manifesta para nossos sentidos como aquilo que chamamos de matéria. Ambos os pontos de vista têm fortes argumentos para apoiá-los. Mas, quer a matéria seja ou não derivada das peculiaridades geométricas do contínuo espaço-tempo, podemos tomar como um fato científico estabelecido que a gravitação foi assim derivada. Esta é obviamente uma conquista muito grande, mas deixa intacta outra grande classe de fenômenos, a saber, fenômenos eletromagnéticos. Nesse contínuo espaço-tempo de Einstein, as forças eletromagnéticas parecem inteiramente estranhas. A gravitação foi absorvida, por assim dizer, na geometria de Riemann, e a noção de força, no que diz respeito aos fenômenos gravitacionais, foi abolida. Mas as forças eletromagnéticas ainda florescem sem serem perturbadas. Não há indícios de que sejam manifestações das peculiaridades geométricas do contínuo espaço-tempo. E pode ser demonstrado ser impossível relacioná-los a qualquer coisa na Geometria de Riemann. Pode-se demonstrar que a gravitação corresponde a certas peculiaridades geométricas de um espaço-tempo riemanniano. Mas as forças eletromagnéticas estão completamente fora desse esquema.”

27. Aqui está o grande problema ao qual a física matemática conduziu suas obsessões. Aqui temos duas classes de fenômenos, todos parte de uma unidade da física. No entanto, as equações que descrevem e explicam uma classe são incompatíveis com as da outra classe! Esta não é uma questão de filosofia, mas uma questão de fato. Não funciona considerar que o universo é composto de partículas. Tal hipótese suporta uma classe de fenômenos, mas é um absurdo quando aplicada às equações eletromagnéticas, que insistem em nos fazer abandonar a ideia de partículas em prol da de ondas.

Eis outro coelho galês para o jantar!

“O universo finito de Einstein é tal que seu raio depende da quantidade de matéria nele contida. Se mais matéria fosse criada, o volume do universo aumentaria. Se a matéria fosse aniquilada, o volume de espaço diminuiria. Sem matéria, o espaço não existiria. Assim, a mera existência do espaço, além de suas propriedades métricas, depende da existência da matéria. Com essa concepção, torna-se possível considerar todo movimento, inclusive a rotação, como puramente relativo”.

Seguimos daqui para onde, garotos?

28. “A tendência atual da física é descrever o universo em termos de relações matemáticas entre entidades inimagináveis”.

Já estamos bastante distantes da mui frequentemente e injustamente citada afirmação de Lorde Kelvin de que ele não poderia imaginar qualquer coisa da qual ele não pudesse construir um modelo mecânico. Os vitorianos estavam realmente um pouco inclinados a repetir a teimosia imbecil e grosseira do Dr. Johnson, quando as ideias do bispo Berkeley penetraram os estratos superficiais das células cinzentas saturadas de bebida daquele bruto estúpido.

29. Agora, vejam só, peço que reflitam sobre o problema que tomamos de calcular a distância das estrelas fixas, e ouçam o professor G. N. Lewis, que

“«...» sugere que dois átomos conectados por um raio de luz podem ser considerados como estando em contato físico real. O intervalo entre as duas extremidades de um raio de luz é, na teoria da relatividade, zero, e o professor Lewis sugere que esse fato deve ser levado a sério. Nesta teoria, a luz não é propagada de modo algum. Essa ideia está em conformidade com o princípio de que nenhum fator, a não ser os observáveis, deve ser usado na construção de uma teoria científica, pois certamente nunca conseguimos observar a passagem da luz no espaço vazio. Nós só estamos conscientes da luz quando ela encontra a matéria. A luz que nunca encontra a matéria é puramente hipotética. Se não tivermos essa hipótese, então não há espaço vazio. Na teoria do professor Lewis, quando observamos uma estrela distante, nosso olho realmente faz contato físico com aquela estrela do mesmo modo como nosso dedo entra em contato com uma mesa quando a pressionamos.”

30. E vocês todos não achavam que meus argumentos eram argumentos em círculo? Eu certamente esperava que sim, pois eu estava sofrendo para lhes contar isso. Mas não é uma questão de argumentos no livro do Sr. Sullivan; é uma questão de fatos. Ele estava falando sobre valores humanos. Ele estava perguntando se a ciência poderia estar ciente deles. Lá vem ele, o grande comandante! Torçam, meus camaradas, torçam!

“Mas, embora materialistas consistentes fossem provavelmente sempre raros, o fato humanisticamente importante permanecia, de que a ciência não achava necessário incluir valores em sua descrição do universo. Pois parecia que a ciência, apesar dessa omissão, formava um sistema fechado. Se os valores formam uma parte integral da realidade, parece estranho que a ciência seja capaz de fornecer uma descrição consistente dos fenômenos que os ignora.

Atualmente, essa dificuldade está sendo atendida de duas maneiras. Por um lado, salienta-se que a ciência permanece dentro de seu próprio domínio pelo dispositivo de definição cíclica, ou seja, as abstrações com as quais ela começa são tudo sobre o que ela fala. Não faz novos contatos com a realidade e, portanto, nunca encontra quaisquer fatores possivelmente perturbadores. Este ponto de vista é derivado da teoria da relatividade, particularmente da forma de apresentação adotada por Eddington. Essa teoria forma um círculo fechado. Os termos primários da teoria, ‘eventos-ponto’, ‘potenciais’, ‘matéria’ [etc., há dez deles], situam-se em vários pontos da circunferência do círculo. Podemos começar em qualquer ponto e dar a volta ao redor do círculo, ou seja, a partir de qualquer um desses termos podemos deduzir os outros. As entidades primárias da teoria são definidas em termos de outra. No decorrer deste exercício derivamos as leis da Natureza estudadas na física. Em um certo ponto da cadeia de deduções, na ‘matéria’, por exemplo, julgamos que estamos falando de algo que é uma incorporação concreta objetiva de nossas abstrações. Mas a matéria, como ocorre na física, não é mais que um conjunto particular de abstrações, e nosso raciocínio subsequente está preocupado apenas com essas abstrações. Outras características que a realidade objetiva possa ter nunca entram em nosso esquema. Mas o conjunto de abstrações chamado matéria na teoria da relatividade não parece adequado ao conjunto do nosso conhecimento científico da matéria. Restam os fenômenos quânticos.”

Ah!

“Assim nós a deixamos, assim nós a deixamos,
Longe de onde sua família morena, nômade – vagueia
No Lar Convalescente da Febre Escarlate,
Da Febre Escarlate, da Febre Escarlate.”

31. Então, agora, nada menos do que aquele cavalheiro cortês, Sua Graça, o Reverendíssimo Arcebispo de Canterbury, que numa transmissão de rádio recente confundiu para sempre todos aqueles infiéis que presumiam duvidar da possibilidade de os demônios entrarem em suínos, encontramos o dragão ciência e o conquistamos. Vimos que, não importa como atacamos o problema da mente, seja do ponto de vista espiritual costumeiro, seja do canto oposto do materialismo, o resultado é o mesmo.

Uma última citação do Sr. Sullivan.

“O universo pode acabar se provando irracional.
A aventura científica pode ter que ser abandonada.”

Mas isso é tudo o que ele sabe sobre ciência, abençoado seja seu coraçãozinho! Nós não desistimos. “Você mentiu, d’Ormea, eu não me arrependo!” Os resultados do experimento ainda são válidos para a experiência, e o fato de o universo ser considerado ininteligível serve apenas para fortalecer nossa convicção arraigada de que a experiência em si é realidade.

32. Podemos então nos perguntar se não é possível obter experiência de uma ordem superior, descobrir e desenvolver a faculdade da mente que pode transcender a análise, estável contra todo pensamento em virtude de sua própria certeza auto evidente. Na linguagem da Grande Fraternidade Branca (a qual represento aqui) você atravessa o abismo. “Abandone o pobre e velho navio naufragado encalhado” – Ruach – “e reme para a margem” de Neschamah. Pois diz-se que acima do abismo, como vocês verão se estudarem o Suplemento do quinto número do Primeiro Volume de The Equinox, uma ideia só é verdadeira na medida em que contém em si a sua ideia contraditória.

33. São tais estados mentais como este que constituem os resultados realmente importantes de Samyama, e estes resultados não devem ser destruídos pela especulação filosófica, porque eles não são suscetíveis de análise, porque eles não têm partes componentes, porque eles existem em virtude de sua própria Desrazão – “certum est quia impossibile est”[2]! Eles não podem ser expressados, pois estão acima do conhecimento. Até certo ponto, podemos transmitir nossa experiência a outras pessoas familiarizadas com essa experiência, em menor grau, pelo método estético. E isso explica por que todo bom trabalho sobre Yoga – alquimia, magia e o resto – não doutrinário, mas simbólico – a palavra de Deus para o homem, é dado em Poesia e Arte.

Na minha próxima palestra, tentarei aprofundar um pouco mais na técnica de obtenção desses resultados e também daremos uma explicação mais detalhada do tipo de coisa que provavelmente ocorrerá no decorrer das práticas preliminares.

Amor é a lei, amor sob vontade.


[1] Tannhäuser, escrito no México, O.F., em agosto de 1900. Veja também meu Berashith, escrito em Delhi, em abril de 1901.

[2] «“Está certo porque é impossível”, em latim.»


Traduzido por Alan Michel Willms Quinot em junho de 2019.