O Caminho do Amor Thelêmico: Conclusão

Um capítulo de: O Caminho do Amor Thelêmico

Eliminando o senso de dualidade.

Conclusão

Logo após apresentar a seção anterior no templo, eu me perguntei o seguinte: “não há uma contradição aqui?” No Magia em Teoria e Prática, Crowley define Magick como a “ciência e a arte de causar mudanças em conformidade com a vontade”. Mas em seu comentário a Liber V, ele afirma que o verdadeiro propósito da Magick é terminar toda discriminação entre quaisquer duas coisas, pressionando-nos a abraçar toda imagem. Em suma, existe uma mudança dramática de usar a tecnologia espiritual para “conseguir o que quer” para a adoção de uma atitude transparente, receptiva em relação a todas as coisas que acontecem. Após escrever uma longa resposta para provar que de fato havia uma contradição, eu voltei atrás para ler o último parágrafo do comentário de Liber V com mais atenção. O que eu descobri é que não havia necessariamente uma contradição entre as duas definições de Magick, mas sim que a segunda definição de Magick (de Liber V) era muito madura e desenvolvida.

Se você observar com atenção os principais símbolos nas tradições da Aurora Dourada, você perceberá que eles têm a ver com a mescla do humano com o divino, ou do microcosmo com o macrocosmo, ou do externo com o interno, etc. Observe a cruz e o triângulo, por exemplo. Todos vocês sabem que o objetivo de longo prazo que vocês buscam é o conhecimento e conversação do SAG, que é simbolizado pelo grau de 5=6 ou a mescla do pentagrama (você) com o hexagrama (Deus).

Então o principal objetivo da Magia cerimonial é obter o Conhecimento e Conversação. No entanto, você sabe que para chegar lá, você tem que se tornar em um receptáculo apto. Como isso é feito? Estudando a bibliografia do Neófito da A∴A∴, você sabe que a Fórmula do Neófito é uma tecnologia espiritual usada para pegar alguma coisa inerte e dar a ela momentum em direção a um objetivo em particular. No ritual de Neófito da Aurora Dourada, você é aquela coisa; e C & C é o objetivo. O uso da fórmula do Neófito não para por aí. Espera-se que você pegue essa fórmula e junto com o conhecimento que você tem de suas próprias deficiências internas, invoque o oposto delas, de modo que você consiga funcionar como um indivíduo equilibrado. Por exemplo, se você não é generoso, poderia invocar Júpiter. Do ponto de vista da magia cerimonial ocidental, é assim que você chega ao conhecimento e conversação. E, de fato, através disso você está provocando mudanças em conformidade com a vontade. Mas há um outro ponto de vista em relação a este assunto que precisamos considerar. Por que nem sempre a Magia não funciona? Por que nós frequentemente somos barrados em nosso Caminho?

A definição de Magick de Crowley no comentário em Liber V pode dar a resposta. Sempre que realizamos um ritual, nós estamos reduzindo a lacuna entre nós mesmos e o objeto desejado, ou seja, estamos cortejando o Anjo ainda mais; quem sabe até mesmo beijando-o e abraçando-o de vez em quando. Lembre-se de que nossos símbolos sempre mostram isso: a mescla do externo com o interno ou do humano com o divino. Esta outra definição afirma que a Magia deve encerrar a discriminação entre duas coisas no esforço derradeiro de abraçar a tudo.

Considere isso: todo ritual é uma mescla de dois opostos (você lembra da mescla de Nu e Hadit em Liber Aleph?). Nossa jornada em direção a Deus é a mesma coisa. No entanto, estamos trabalho de um ponto de vista tão limitado que só enxergamos as árvores e não o bosque; portanto, nós gradualmente estamos trabalhando para eliminar todo senso de dualidade e separação entre nós e o mundo ao nosso redor. Esta é uma batalha diária, cujo clímax culmina no C & C, pelo qual a aparente divisão entre homem e Deus cessa.

Precisamos eliminar todos os aparentes desequilíbrios dentro de nós através da invocação de seus opostos. Quando uma experiência que não gostamos ocorre a nós, precisamos abraça-la e nos esforçarmos para adequá-la ao seu lugar em nossas vidas. Isso não é Magia cerimonial formal feita em uma sala com um altar; é Magia do dia a dia, a Magia de um verdadeiro iniciado que é feita no Templo do seu corpo, no altar da sua Alma. Seu objetivo principal é o casamento de si com o Sagrado Anjo Guardião (uma mescla, de modo que dois se torna um). E o objetivo derradeiro é abraçar todos os eventos que ocorrem em nosso caminho como a Vontade Perfeita de Nuit.

A definição de magia como causar mudanças em conformidade com a vontade é ativa e dinâmica; teoricamente é a Magia de um Adepto, alguém que alcançou o Conhecimento e Conversação, e busca aprimorar esse relacionamento. A outra definição, no entanto, parece ser passiva e mais mística; quiçá o tipo de Magia praticada por alguém que cruzou o Abismo e foi tocado pelo próprio abraço de Babalon – quem sabe não é a Magia de alguém que já alcançou a consciência de Kether?

Esta segunda definição tem consistência com todos os escritos de Crowley, especialmente Liber AL, Aleph e V. Ela também se conforma ao Theory of the Magick of LVX de Frater Perseverantia, que devo citar novamente aqui: “Para este fim, a arte mágica é de adaptação interior a circunstâncias exteriores além do nosso presente controle”.

Observe esta última frase, a arte mágica é uma de adaptação interna às circunstâncias externas além do nosso presente controle. Existem coisas que não conseguimos controlar e mudar através da Magia cerimonial. E a principal coisa que não conseguimos controlar são aquelas experiências desafiadoras que o Anjo te envia, você só consegue responder adotando uma atitude de aceitação e compreensão. Da rejeição à tolerância a aceitação e Amor Perfeito, a única coisa sob o seu poder são as suas reações1. Desta forma, o tom da prática mágica gradualmente evolui de um tipo mais ativo para um tipo mais “passivo, místico”. De mais dinâmico e externo para mais interno e meditativo.

Isso não quer dize que temos que esperar para aplicar a definição de Magick de Crowley no comentário de Liber V. De fato, há muita coisa feita nesta ordem2 que envolve esse tipo de trabalho!

Será que quando os objetivos ritualísticos não são atendidos é por causa da assim chamada “ânsia de resultado” que ouvimos com frequência? Ou será que implica que você está almejando coisas que você não deveria ter? Será que significa que a Vontade do Anjo é que você não alcance este objetivo? Há algo mais que você deve aprender?

As vezes eu acho que a definição popular de Magick de Crowley faz com que as pessoas evitem os desafios e frustrações pessoais que requerem uma análise e introspeção profundas. Se nós não trabalharmos para abraçar os eventos que vêm na nossa direção, nós rejeitamos a Vontade Divina. Podemos estar nos esforçando ladeira acima em um ritual por anos quando você só precisava voltar seus olhos e ouvidos para dentro.

Mas onde está o equilíbrio ideal? Acho que está em usar toda a tecnologia ritualística de um indivíduo em conjunto com o conhecimento de suas deficiências interiores de modo a melhorar estas deficiências, o que derradeiramente leva à criação daquela adaptação interior perfeita a todas as circunstâncias além de seu controle. Isso também está em conformidade com a definição de Magick de Perseverantia e com a de Crowley no comentário do Liber V.

Não se preocupe em fazer um ritual para conseguir dinheiro em si. Ou talvez sim. Mas fazer um ritual e sentar a bunda no chão não vai te trazer porra nenhuma. Ao invés disso, foque em se organizar, escrever um currículo, desenvolver habilidades interpessoais3, educar-se, adquirir uma habilidade profissional e (para a maioria dos thelemitas!) cortar o cabelo e tirar os piercings. Você está lidando com a cultura predominante – não espere que as empresas vão querer te contratar com cabelo comprido, maquiagem gótica e piercings pelo corpo todo. Combine isso com um ritual para criatividade, diligência e carisma. Eu te garanto que se você trabalhar nas habilidades interiores necessárias, você alcançará o objetivo desejado; e aprenderá mais sobre si e o Anjo no processo. Trabalhe nas habilidades interiores necessárias e o restante seguirá. Esta é a ciência, arte e [Senso Comum!] da Magick.

Amor é a lei, amor sob vontade.


  1. Leia Os Dicursos de Epiteto. Epiteto (55-135 AC) foi um ex-escravo que se tornou um filósofo estoico. 

  2. «Refere-se à ordem onde este artigo foi apresentado.» 

  3. Leia o Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas de Dale Carnegie. 


Traduzido por Alan M. W. Quinot

Você está lendo
O Caminho do Amor Thelêmico: Conclusão
Capítulo Anterior
Parte 3
Gostou deste artigo?
Contribua com a nossa biblioteca
Doe via