O Caminho do Amor Thelêmico: Parte 3

Um capítulo de: O Caminho do Amor Thelêmico

A atitude correta para alcançar o Amor Universal de Nuit.

Parte 3

Da Tolerância ao Desapego

Da última vez eu falei sobre a necessidade de adquirir a atitude de que toda experiência é uma apreciação da sua alma pelo Anjo. Todas as experiências precisam ser encaradas com aceitação e percebidas como um meio de equilibrar os complexos dentro de sua psique. Com a contínua aceitação e experiência, surge uma tolerância “preliminar”. Esta tolerância é evitar as coisas que seriam desagradáveis, enquanto ao mesmo tempo permitir que os outros se engajem nestas coisas. É por este método que permitimos que os outros vivam de acordo com a Lei de Thelema. Conforme se progride, a assim chamada tolerância se torna aceitação. Além desta aceitação há um estado de desapego e finalmente o Amor por todas as coisas e eventos, onde reside o amor da Própria Nuit.

Como esse desapego ocorre? Desde que houve uma transferência contínua entre o experimentador e a experiência, uma saturação cruzada ocorre e um efeito equilibrador toma lugar. Este é todo o ponto por detrás das tendências compensatória e regressiva no Poder da Criança. (+1 + (-1) = 0). O Zero na equação representa os estados de desapego e equanimidade em relação àquele evento em particular. É o nascimento de uma nova atitude ou perspectiva em relação ao assunto — uma atitude completamente alinhada com a Natureza e a Verdadeira Vontade. Como uma consequência deste estado, a pessoa não produz mais karma ou desequilíbrios que requerem um equilíbrio adicional para aquele evento. Os testes foram passados e você pode avançar para outro. Em teoria, um equilíbrio ou retificação completa de todas as tendências kármicas é o que faz com que uma pessoa encerre o ciclo de renascimento no Budismo e no Vedanta. O que esse equilíbrio faria na cosmologia thelêmica?

Se tratando de métodos práticos, Crowley nos encoraja a seguir ativamente aquelas coisas que o ego acha desagradáveis e “malignas”. Este engajamento ativo, tântrico, em relação a karmas difíceis é o próximo passo crucial — difícil, porém crucial — no processo de equilíbrio. O iniciado aplica este poder regressivo e equilibrador da Criança a todas as coisas que ele tem uma tendência a não gostar. Em seu comentário no Liber V, Crowley escreve que: “A essência de tal prática consistirá no treinamento da mente e do corpo para enfrentar as coisas que causam medo, dor, desgosto, vergonha e afins. Ele deve aprender a suportá-las, e então a tornar-se indiferente a elas, e então a analisá-las até que deem prazer e instrução e, finalmente, apreciá-las por si sós, como aspectos da Verdade” [ao invés de verdade, dever-se-ia ler “Nuit”]. Novamente vemos uma progressão da tolerância ao desapego e daí ao Amor Universal.

Este Amor Universal é o reflexo do Amor de Nuit por todas as coisas. Essa é a expressão mais alta do Amor Thelêmico. Neste estado, quando os eventos ocorrem, não existe a atribuição de um rótulo de bom ou ruim a eles. O Adepto ama todos os eventos igualmente porque eles estão destinados a acontecer pela Vontade do Universo. Então como podemos aplicar valores arbitrários a eles? Um antigo ditado filosófico diz que “as coisas adoram acontecer”. Quando nós dizemos que o Poder da Criança é aquilo que faz com que as estrelas brilhem e as árvores produzam frutos, precisamos entender que é esse mesmo Poder que faz com que todas as coisas ocorram para o Bem Cósmico, a partir de alguma Lógica e Necessidade misteriosa e universal. Quando as coisas ocorrem, da perspectiva de Nuit, os rótulos humanos de bom e ruim se dissolvem; eles são como piadas na mente do Altíssimo. Então o Amor e a Equanimidade assumem sentidos idênticos.

Desejo adicionar que a abordagem antinomiana ou tântrica mencionada acima pode ser considerada apropriada somente para aspirantes de nível avançado; aqueles que desenvolveram auto compreensão e autoconhecimento suficientes para tal. É evidente que alguém que estiver engajado em tais aventuras do Caminho da Mão Esquerda precisa estar completamente preparado e ter um mentor que é versado nos métodos. Eu acredito que este é um ponto onde muitos thelemitas podem cair sobre suas próprias espadas. Muitos não estão preparados para embarcar neste caminho em particular e permanecem apegados aos prazeres e vícios onde nossa verdadeira missão é transcender nossos apegos e aversões a eles! Sem dúvidas, são estes thelemitas que dão a Thelema este estigma em particular no mundo do ocultismo. Estes thelemitas também tomam o karma e o caminho de Crowley como sendo o deles, o que não apenas contradiz Thelema, como também a Lei Natural em geral.

A Existência é Pura Alegria

Se a Existência é um resultado da divisão deliberada da parte do Divino então não há nada que possa ser considerado ruim ou inimigo. Todas as coisas estão no Corpo de Nuit. Todas as coisas são puras e sagradas. Na assim chamada tradição “tântrica”, Crowley afirma que todas as coisas e experiências são capazes de produzir este estado de equilíbrio — portanto nada deveria ser evitado ou restringido. Ele diz, “Este sendo o caso, você precisa agir em conformidade com o Livro da Lei, não fazendo distinção entre qualquer uma coisa e quaisquer outras coisas, pelo qual os sentidos se tornam Testemunhas constantes e perpétuas daquela Eucaristia Única na qual eles também são ministros.”

Desta forma, Crowley enfatiza a inter-relação das coisas e o uso de todas as coisas como um meio para a consecução. Em seu comentário em Liber V vel Reguli, Crowley afirma que a Magia Thelêmica insiste que todos os atos precisam ser iguais, “que a existência assevera o direito de existir”, quem somos nós para rejeitar experiências ou um “caractere da Natureza traçado sobre o corpo arqueado de Nuit”? A menos que o mal seja um termo para expressar algum tipo de hostilidade contra as forças equilibradas, o mal não poderia possivelmente existir, especialmente em termos da compreensão limitada humana. “Afirmamos em nossos altares nossa fé em nós mesmos e em nossas vontades, nosso amor de todos os aspectos do Todo Absoluto”.

Nós observamos um desenvolvimento interessante no propósito da Magia; um que deixa de enfatizar o estudo dos planos astrais, espíritos e rituais, para enfatizar a necessidade de uma aceitação interna do bombardeio de eventos externos que estão além do nosso controle. O objetivo do qual é derrubar a aparente divisão entre si e o Universo. Como tal, Frater Perseverantia escreveu: “Muito na prática mágica consiste em fazer com que o pensamento, fala e ações da pessoa fiquem de acordo com os princípios subjacentes à atividade cósmica; oferecer-se como um veículo para a expressão daquilo que realmente é, e assim superar as aparências negativas que resultam da projeção de ilusão. Para este fim, a arte mágica é de adaptação interior a circunstâncias exteriores além do nosso presente controle.”

Observe esta última frase, a arte mágica é de adaptação interior a circunstâncias exteriores além do nosso presente controle. Você não consegue controlar as experiências que o seu Anjo te envia; você só pode responder a elas adotando uma atitude de aceitação e compreensão. Da rejeição para a tolerância, e para a aceitação, e para o Amor Perfeito, a única coisa em seu poder são as suas reações1. Esta percepção por si só é o que fará você começar a progredir. Pare de resistir. Enxergue além dos véus das aparências. Nada amarreis! Deixe que o Poder da Criança siga seu caminho.

Então o processo da Grande Obra para você será de equilibrar cada complexo dentro de si de modo a permitir que a sua Verdadeira Vontade se manifeste. As experiências diárias são o meio principal pelo qual isto é feito. Elas constituem o campo de batalha. Os seus complexos são os oponentes e a sua atitude de aceitação e amor é a única arma que você tem.

Ao engajar-se nas experiências com a atitude correta, você encena o jogo-de-amor de Nuit e Hadit; você verdadeiramente se tornou o Pentagrama ao espelhar a dança macrocósmica de Vida, Amor, Liberdade e Luz. Você está vivendo de acordo com a Natureza e a Verdadeira Vontade. Você adquirirá o Amor Cósmico de Nuit por todas as coisas dentro do corpo arqueado Dela. Você destrói a ilusão da existência separada e até mesmo das ideias de bom e ruim. Este, portanto, é o verdadeiro propósito da Magia Thelêmica, como a Besta escreveu: “destruir a tendência a fazer diferença entre quaisquer duas coisas em teoria, e na prática perfurar os véus de todos os santuários, avançando para abraçar toda imagem; pois não há nenhuma que não seja a própria Ísis”.


1 Leia Os Dicursos de Epiteto. Epiteto (55-135 AC) foi um ex-escravo que se tornou um filósofo estoico.


Traduzido por Alan M. W. Quinot

Você está lendo
O Caminho do Amor Thelêmico: Parte 3
Próximo Capítulo
Conclusão
Capítulo Anterior
Parte 2
Gostou deste artigo?
Contribua com a nossa biblioteca
Doe via