Sobre os Rituais do Hexagrama

Das alterações feitas no ritual desde sua criação na R.R. et A.C..

Originalmente escrito por S. P. e publicado no blog Within The Pyramid

Sobre os Rituais do Hexagrama

Este artigo elucida a realização das formas originais dos Rituais do Hexagrama ensinadas na Ordem da Rosae Rubeae et Aureae Crucis, a Segunda Ordem da Ordem Hermética da Aurora Dourada, e examina como os detalhes de seu desempenho foram alterados por praticantes e publicações subsequentes.

No decorrer deste artigo, ficará claro que esses rituais foram sujeitos a edições, alterações e adornos significativos em publicações ao longo do último século. De fato, as instruções originais da H.O.G.D. sobre a realização do Ritual Supremo do Hexagrama nunca foram publicadas abertamente na íntegra até o momento.

Como eu disse em meu artigo semelhante e anterior sobre os Rituais do Pentagrama, enquanto eu não sou purista em minha própria prática, e embora eu afirme que alguém pode acrescentar todo tipo de enfeites pessoais e alterações nos mínimos detalhes da performance de um determinado ritual sem prejudicar sua eficácia, notei uma tendência por parte de certos autores considerados autoridades no campo da Magia Cerimonial de afirmar erroneamente que tais versões embelezadas e alteradas desses rituais são as únicas maneiras “originais” e “corretas” de realizá-los (com a implicação – ou mesmo afirmação direta – de que outras formas não são originais e nem corretas). Tais reivindicações são feitas inevitavelmente e derradeiramente sem citações. Tendo estudado pessoalmente todos os documentos originais da Ordem Hermética da Aurora Dourada e sua Segunda Ordem da Rosae Rubeae et Aureae Crucis, descreverei aqui e compararei como os detalhes do desempenho do ritual foram alterados, embelezados e redigidos por autores posteriores.

O Ritual Menor do Hexagrama: um delineamento do método original da Ordem Hermética da Aurora Dourada

Volte-se para o Leste. Comece com a Cruz Cabalística, exatamente como no Ritual do Pentagrama, e use o instrumento Mágico necessário para aquela maneira de trabalho, seja a Varinha ou a Espada (a primeira é provavelmente a melhor para uso geral).

Avance até a extremidade leste do espaço de trabalho e trace no ar diante de si o Hexagrama do Fogo, cuja forma de invocação é:

Em seguida, aponte a ponta do instrumento para o centro desta figura e diga Ararita, “vibrando-a o máximo possível com tua respiração”.

Mantendo a ponta do instrumento apontada para frente, de modo a criar um círculo em torno do perímetro do espaço de trabalho, vire-se para o Sul, onde você traça diante de si o Hexagrama da Terra, cuja forma de invocação é:

Aponte a ponta do instrumento para o centro desta figura e diga (entoe) Ararita.

Mantendo a ponta do instrumento para frente, de modo a continuar o círculo horizontal, vire-se para o Oeste e trace diante de si o Hexagrama do Ar, cuja forma de invocação é:

Novamente, aponte a ponta do instrumento para o centro desta figura e diga (entoe) Ararita.

Mantendo a ponta do instrumento para frente, de modo a continuar o círculo horizontal, vire-se para o norte e trace diante de si o Hexagrama da Água, cuja forma de invocação é:

Novamente, aponte a ponta do instrumento para o centro desta figura e diga (entoe) Ararita.

Novamente mantenha a ponta do instrumento para frente e vire-se para o leste, completando o círculo horizontal ao redor do perímetro do espaço de trabalho.

Volte ao centro, encare o Leste e dê os quatro Sinais de L.V.X. e, em seguida, dê a Análise da Palavra-Chave.

Para a forma de Banimento deste ritual, use movimentos no sentido anti-horário ao traçar os quatro Hexagramas Elementais:

Alterações nas publicações subsequentes:

Instruções da A∴A∴ e Aleister Crowley

Após o colapso da Ordem Hermética da Aurora Dourada, Aleister Crowley e George Cecil Jones reconstituíram a Ordem essencial, expandindo amplamente seu currículo para fornecer um sistema completo de consecução espiritual, chamado de A∴A∴. A publicação do primeiro volume do periódico The Equinox disponibilizou grande parte das técnicas mágicas e iniciáticas da H.O.G.D. e sua Segunda Ordem dos Rosae Rubeae et Aureae Crucis. No entanto, deve-se notar que o que é apresentado disso no The Equinox é frequentemente editado e alterado, com as instruções práticas sendo geralmente “simplificadas”, mas ocasionalmente até mesmo embelezadas.

O Ritual Menor do Hexagrama é apresentado em Liber O vel Manus et Sagittae sub figurâ VI no The Equinox I:2 (também incluído no Magick in Theory and Practice de Crowley e mais tarde em Liber ABA: Magick, Livro 4, partes I-IV), com as seguintes pequenas alterações:

  • Foi removida a performance dos quatro Sinais de L.X.V. antes da Análise da Palavra-Chave (que por si só contém um desempenho desses quatro sinais)
  • O desempenho da Cruz Cabalística no início do Ritual foi removido e é substituído por outra realização da Análise da Palavra-Chave, que agora é realizada duas vezes no Ritual, envolvendo a criação dos Hexagramas Elementais nos quatro quadrantes.

Autores e praticantes pós-Crowley:

No século seguinte à publicação do volume I do The Equinox, o Ritual Menor do Hexagrama recebeu muito menos atenção dos autores ocultistas do que o Ritual Menor do Pentagrama, e não recebeu de Israel o Regardie os tipos de enfeites que o Ritual do Pentagrama Menor recebeu.

A maioria dos autores subsequentes publicou a versão original da H.O.G.D. ou a versão de Liber O do Ritual Menor do Hexagrama sem muito em termos de comentários.

No entanto, em 2013, dois livros semelhantes de dois autores diferentes foram publicados, ambos contendo ensaios sobre o desempenho dos Rituais do Hexagrama, com alterações e embelezamentos significativos, que divergem notavelmente dos métodos originais da Ordem Hermética da Aurora Dourada. Esses dois livros são Pearls of Wisdom, de James A. Eshelman (College of Thelema, 2013) e Living Thelema, de David Shoemaker (Anima Solis Books, 2013). É notável que essas versões de Eshelman e Shoemaker, exclusivas de seus livros, sejam praticamente idênticas uma à outra. Isso é explicado pelo fato de que Eshelman e Shoemaker estavam anteriormente envolvidos no College of Thelema da Califórnia (a página de conteúdo da edição 6 da revista The Black Pearl, publicada em 1999, lista Eshelman como vice-diretor executivo e Shoemaker como tesoureiro da organização), portanto, pode-se razoavelmente considerar que essas peculiaridades no desempenho ritual têm sua fonte em ensinamentos internos daquela organização.

As diferenças em seu método de realizar o Ritual Menor do Hexagrama são as seguintes:

  • O ritual começa e termina com a Análise da Palavra-Chave, exatamente como em Liber O vel Manus et Sagittae sub figurâ VI.
  • As atribuições dos Elementos aos quadrantes são alteradas para aquelas usadas no Ritual Maior ou Supremo do Pentagrama.
  • A frase completa da qual a palavra “Ararita” é o notariqon (acrônimo cabalístico) – “Achad Rosh Achdoto Rosh Ichudo Temurato Achad” – é entoada, e não a simples palavra “Ararita”.

Desses três pontos, o primeiro segue simplesmente as instruções de Liber O vel Manus e Sagittae sub figurâ VI, e é, portanto, o menos controverso e notável, apesar de ser um desvio do método original da Ordem Hermética da Aurora Dourada (H.O.G.D). Os dois segundos pontos são, no entanto, dignos de mais exames e discussões.

A atribuição dos Elementos aos quadrantes do Ritual do Hexagrama, conforme usada pelo H.O.G.D. (ou mais apropriadamente pelos iniciados de sua Segunda Ordem, a R.R. et A.C.), é baseada nos Signos Cardeais do Zodíaco, nos quais o Sol parece “entrar” nas épocas dos solstícios e equinócios ao longo do ano. Conforme confirmado pelo conteúdo da Análise da Palavra-Chave original, e como é consistente com sua forma Suprema ou Maior, que trabalha com as forças Planetárias, esse ritual marca uma transição de uma perspectiva geocêntrica para uma heliocêntrica. Este é um aspecto essencial e preciso da construção do ritual.

No entanto, Eshelman e Shoemaker afirmam que o ritual nessa forma original foi planejado apenas para ser realizado dentro da Cripta dos Adeptos (uma grande peça de equipamento cerimonial usada pela Segunda Ordem da R.R. et A.C. da H.O.G.D.), e que fora deste contexto particular, as atribuições elementais devem ser revertidas para a forma usada nos Rituais Maior ou Supremo do Pentagrama. Shoemaker chega ao ponto de dizer que a versão original da H.O.G.D. do Ritual Menor do Hexagrama é “incorreta” a esse respeito, enquanto Eshelman sugere que isso constitui um “ofuscamento” nas instruções originais. Dada a falta de citações, apesar da força de suas palavras, ambas as alegações sem embasamento devem ser tidas como opinião e não como fato, e minha conclusão é que essas declarações foram feitas por engano. Eu os contrariarei especialmente com os seguintes argumentos:

Em nenhum lugar nos documentos da H.O.G.D. que eu li (e que considero uma coleção completa) encontrei a ideia de que o Ritual Menor do Hexagrama é realizado de maneira diferente fora da Cripta dos Adeptos e dentro dela. Também não vi nada no material original que diga que o conjunto de atribuições Elementais dos quadrantes precisa ser revertida para a forma usada no Ritual do Pentagrama para uso mais geral ou diário.

De fato, ao mudar os atributos Elementais do Ritual do Hexagrama – que, como expliquei acima, se baseiam nos Signos Cardeais do Zodíaco e sinalizam uma mudança para um contexto heliocêntrico – de volta aos do Ritual do Pentagrama, há um afastamento da base conceitual subjacente do próprio Ritual do Hexagrama.

A ideia de que as instruções originais da Segunda Ordem (R.R. et A.C.) da H.O.G.D. contêm “ofuscamentos” realmente é bastante bizarra, considerando que o iniciado que as recebeu teve que passar por sete cerimônias de iniciação, teve que concluir muitos meses de exames regulares, e teve que prestar um juramento de sigilo sobre essas técnicas e instruções.

Finalmente, não vi nada em nenhum dos documentos originais da Segunda Ordem da H.O.G.D. que indique que a frase completa da qual a palavra “Ararita” é o notariqon deve ser entonada durante a execução de qualquer um dos Rituais do Hexagrama. Nesses documentos, simplesmente somos instruídos a usar a palavra “Ararita” nesses rituais.

O Ritual Supremo do Hexagrama da Ordem Hermética da Aurora Dourada

Este ritual é usado para a invocação ou banimento de forças Planetárias específicas. É consideravelmente mais complexo do que os outros Rituais do Pentagrama e do Hexagrama. Desta forma, foi significativamente e dramaticamente simplificado no Ritual Maior do Hexagrama de Liber O vel Manus et Sagittae sub figurâ VI. Devido à sua complexidade, continua sendo um ritual que não foi bem explicado em relação à sua forma original. De fato, as instruções originais da H.O.G.D. sobre a realização do Ritual Supremo do Hexagrama nunca foram abertamente publicadas na íntegra até o momento. Todas as versões publicadas das instruções deste ritual divergem, até certo ponto, do documento original da Segunda Ordem da H.O.G.D.

Para entender como esse ritual é construído, é necessário estar plenamente consciente de como as pontas do Hexagrama são atribuídas aos Planetas clássicos:

Então, essas atribuições devem ser aplicadas às pontas de cada um dos quatro Hexagramas Elementais, da seguinte maneira:

Para invocar ou banir uma força Planetária específica, começa-se traçando o primeiro triângulo do Hexagrama a partir da ponta atribuída ao Planeta em questão, e o segundo triângulo do Hexagrama é traçado a partir da ponta complementar oposta à ponta do Planeta em particular. Para invocar, os triângulos são traçados com um movimento no sentido horário e, para banir, os triângulos são traçados no sentido anti-horário.

Por exemplo, para invocar as forças de Júpiter, os seguintes Hexagramas devem ser usados:

Para banir as forças de Júpiter, os seguintes Hexagramas devem ser usados:

Para invocar ou banir as forças do Sol, os seis Hexagramas dos Planetas na ordem de Saturno, Júpiter, Marte, Vênus, Mercúrio e Lua são usados em cada caso. Isso faz com que o Ritual Supremo do Hexagrama do Sol seja complexo, exigindo um total de 24 Hexagramas diferentes. O Sol, representando harmonia e equilíbrio, é o centro do Hexagrama, e é por isso que a invocação de qualquer planeta em particular também inclui um triângulo traçado a partir da ponta de seu complemento e oposto. O Ritual do Sol, portanto, envolve o estabelecimento de todos os seis Planetas ao redor do Sol em igual proporção.

Depois que cada Hexagrama é traçado, o adepto traça em seu centro o símbolo astrológico do Planeta em questão (e a H.O.G.D. insiste que ele deva ser traçado usando apenas movimentos no sentido horário; os documentos originais incluem diagramas notavelmente pedantes em relação a isso) e depois aponta seu instrumento para o centro da figura, entoando primeiro o nome de Deus da Sephirah atribuída ao planeta, depois a palavra Ararita e, finalmente, a letra hebraica de Ararita, atribuída à ponta apropriada do Hexagrama. Sobre esta última questão, a H.O.G.D. atribuiu as letras da palavra Ararita às pontas do Hexagrama da seguinte forma:

Assim, para trabalhar com as forças de Júpiter, é entonado o seguinte: EL ARARITA RESH.

Tendo compreendido tudo o que foi dito acima, o método original para a realização do Ritual do Hexagrama Supremo é o seguinte:

  1. Virado para o Leste, execute a Cruz Cabalística.
  2. No Leste, trace o Hexagrama do Fogo do Planeta em particular, trace o símbolo Astrológico do Planeta em seu centro, aponte o instrumento para o centro da figura e entoe: a) o nome de Deus da Sephirah atribuída ao Planeta , b) a palavra Ararita, e c) a letra de Ararita, que é atribuída à ponta apropriada do hexagrama (por exemplo, para Júpiter: EL ARARITA RESH).
  3. Segurando o instrumento apontado para frente para criar um círculo horizontal de conexão em torno do espaço de trabalho, vire-se para o sul e faça como no ponto 2, mas use o Hexagrama da Terra do Planeta em particular.
  4. Volte-se para o oeste como antes, execute o ponto 2, mas use o Hexagrama do Ar do Planeta em particular.
  5. Vire-se para o norte como antes, execute o ponto 2, mas use o Hexagrama da Água do Planeta em particular.
  6. Volte-se ao leste como antes, completando o círculo.
  7. Ainda segurando o instrumento diante de si, vire-se mais uma vez, agora para a direção em que o Planeta realmente está no momento do trabalho (por exemplo, se estiver no meio do céu no hemisfério norte, o sul), trace a forma do Hexagrama como no Hexagrama da Terra, e faça uma conjuração de todos os Nomes desde o nome de Deus em Atziluth até o nome relevante específico para o trabalho em questão (por exemplo, se for uma evocação de Hismael, o Espírito de Júpiter, os nomes serão: EL, TZADQIEL, SAKHIEL, YOPHIEL e HISMAEL), enquanto traça o selo e os sigilos relevantes extraídos do Kamea do Planeta (consulte as obras de Cornelius Aggripa e Francis Barrett para estes). Se a pessoa desejar restringir a força invocada a uma área específica para a operação (por exemplo, para a consagração de um talismã), um círculo contentor pode ser traçado em torno deste Hexagrama.
  8. Complete o círculo mais uma vez, retornando ao leste, depois ao centro, e de frente para o leste, dê os quatro Sinais de L.V.X. e a Análise da Palavra-Chave.

O documento original deste ritual sugere que é possível trabalhar com mais de um Planeta desenhando Hexagramas adicionais no ponto 7). Desta forma, o Ritual Supremo do Hexagrama funciona como uma espécie de “kit de ferramentas” para a Magia Planetária.

As seguintes cores são atribuídas aos planetas nas instruções originais:

  • Saturno: Índigo.
  • Júpiter: Azul.
  • Marte: Escarlate.
  • Sol: Amarelo.
  • Vênus: Verde.
  • Mercúrio: Laranja.
  • Lua: Violeta.

Há certas informações no documento original desse ritual que foram retiradas por Israel Regardie de seus livros sobre a Golden Dawn e que nunca foram publicadas abertamente até agora. A mais notável delas envolve principalmente a conjuração de forças “más” dentro do contexto deste ritual, com o seguinte diagrama e parágrafo:

“Esta última quinta forma é de uma natureza mais maligna e só deve ser empregada com o maior cuidado e em casos de comunicação com uma força maligna que opera sob ela. E, nestes casos, você manterá a ponta da Espada Mágica no ápice dela, como no caso de trabalhar com o Pentagrama maligno e invertido. E veja que você não trabalha com forças do mal, salvo em muitos poucos casos, como tentar curar alguém de doenças e infortúnios, e assim é obrigado a lidar com a força do mal que o está machucando. E mesmo assim será melhor para você não fazer isso até que você chegue a um grau mais alto do que o de Zelator Adeptus Minor.”

O Ritual Maior do Hexagrama de Liber O

Liber O Vel Manus e Sagittae sub figurâ VI não apresenta o Ritual “Supremo” do Hexagrama, mas o Ritual “Maior” do Hexagrama. Essa é uma forma bastante simplificada do Ritual Supremo (e alguns podem até dizer misericordiosamente), com as seguintes mudanças:

  • As várias formas dos Hexagramas elementares foram dispensadas e apenas a forma da Terra do Hexagrama é usada nos quatro quadrantes.
  • A palavra “Ararita” deve ser entoada primeiro e, em seguida, o nome de Deus relevante é entoado. O uso da letra hebraica de “Ararita” atribuída ao Planeta foi descartado.
  • O traçado de um segundo círculo horizontal ao redor do espaço de trabalho na direção em que o Planeta está, e o quinto Hexagrama subsequente com a conjuração mais detalhada também foi descartado.
  • Este ritual é recomendado para trabalhar com forças Zodiacais, usando o Hexagrama e o nome de Deus do Planeta que rege o Signo. Isso contrasta com a tradição da R.R. et A.C. / H.O.G.D., que usava o Ritual Supremo do Pentagrama para trabalhar com as forças de signos específicos do Zodíaco.

Um comentário final sobre informações no cânone Thelêmico. O comentário de 666 a Liber LXV V:15 fornece um conjunto atualizado de atribuições das letras de Ararita às pontas do Hexagrama. Isso pode ser considerado um conjunto de atribuições do “Novo Êon” para substituir o da H.O.G.D. original, que agora pode ser considerado do “Velho Êon”. Como segue:

Autores e Praticantes Pós-Crowley:

Como observado acima, em seus livros sobre a Golden Dawn, Israel Regardie removeu certas informações (consistindo em dois parágrafos e vários diagramas) de sua apresentação das instruções da H.O.G.D. sobre o Ritual do Hexagrama, principalmente no que diz respeito à conjuração de forças “más”. Uma informação semelhante sobre o Ritual do Pentagrama também foi extirpada por Regardie. Ele também adicionou novo material sobre o uso do Hexagrama unicursal para trabalhar com as forças dos Planetas e assim para simplificar em particular o Ritual do Hexagrama do Sol. No entanto, em seu método assimétrico, essa abordagem se afasta da ideia de equilíbrio que sustenta todo o ritual.

Em seus livros de 2013, James Eshelman e David Shoemaker, apresentam essencialmente o Ritual Maior do Hexagrama de Liber O, mas divergem um pouco do método original, o que também adiciona um novo embelezamento. Eles restauram o traçado de um segundo círculo horizontal em torno do espaço de trabalho na direção em que o Planeta está, e o quinto hexagrama subsequente com a conjuração mais detalhada, enquanto alteram o formato de Liber O dos nomes e palavras a serem entoadas de volta para Ararita e depois o nome de Deus, acrescentando inexplicavelmente um nome adicional: o do Arcanjo em questão, a ser entoado após o nome de Deus e antes de “Ararita”. Eles também não mencionam o uso da letra hebraica relevante da palavra “Ararita”.

Estes dois livros de 2013 de James Eshelman e David Shoemaker contêm outros conteúdos excelentes e dignos de serem lidos. E, como eu já disse antes, também mantenho que uma pessoa pode alterar os detalhes de desempenho de um ritual de acordo com seu gosto pessoal, sem prejudicar sua eficácia. No entanto, sustento que alegações não fundamentadas de que outros métodos de desempenho próprios são “incorretos” ou sugestões de que alguém tem acesso a informações privilegiadas (como é o caso quando se fala de “ofuscamentos”) devem ser contestadas quando houver evidência que refuta essas declarações (ou, igualmente, quando não há evidência – como uma citação – que comprove tais alegações).


Traduzido por Alan M. W. Quinot em julho de 2020.

Gostou deste artigo?
Contribua com a nossa biblioteca
Doe via